“Maus chefes e pouco exército”. Medina critica autoridades de saúde e aponta falhas no combate à pandemia

José Sena Goulão / Lusa

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, considera que o aumento do número de infetados por covid-19 na região se deve a “más chefias” e à falta de profissionais no terreno, exigindo respostas rápidas.

Fernando Medina disse na segunda-feira no espaço de comentário na TVI24 que “com maus chefes e pouco exército não é possível ganhar esta guerra”.

“É uma nota direta a todos os responsáveis relativamente a esta matéria, que é preciso agir rápido. Ou há capacidade de conter isto rápido ou então têm de ser colocadas as pessoas certas nos sítios certos”, sublinhou.

De acordo com o autarca, ou as chefias conseguem em poucos dias em matéria de saúde pública na região de Lisboa pôr ordem na casa e dar sinais claros de que têm a situação sob controlo ou têm de ser reavaliadas.

“Têm de ser reavaliadas nos sítios em que não funcionam naturalmente. Há sítios em que funcionam muito bem, noutros não estão a funcionar. Isto é válido ao nível local e regional. O ministério [da Saúde] tem de prestar uma atenção central a isto“, frisou.

No entendimento de Fernando Medina, que é também presidente da Área Metropolitana de Lisboa, o problema pode ser resolvido em parte com capacidade de direção e organização e recursos.

“Isto é um alerta claro: chefias, qualidade das chefias. Ou dão provas de conseguir ou se não dão provas de conseguir agora é essencial que sejam mudadas agora, não é daqui a uma semana, 15 dias ou um mês. Daqui a um mês é tarde e vamos estar a correr atrás de um prejuízo”, disse.

Na opinião do presidente da Câmara de Lisboa, é também essencial aumentar o “exército de saúde pública” no terreno. “Esta questão que já está endereçada em parte pela admissão de mais 100 novos operacionais na área da saúde pública, mas na minha opinião tem que aumentar mais 100, mais 200, mais 300. Vamos buscar ao exército onde for, vamos buscar a qualquer sítio. Este exército de operacionais de saúde pública tem de aparecer já nos próximos dias”, sublinhou.

Fernando Medina destacou também como essencial a ação de equipas mistas, que juntam saúde, Segurança Social, proteção civil e câmaras, os recursos para saber avaliar caso a caso se as pessoas têm ou não condições para estar confinadas e se não têm arranjar soluções.

No habitual espaço de comentário da TVI24, o autarca disse também que as falhas na região de Lisboa deveram-se a vários motivos, entre os quais o sentimento pela população de que o problema estava ultrapassado, uma falsa sensação de segurança e de vitória sobre o vírus e má preparação relativamente ao confinamento.

“Falhou também a ação no terreno naquilo que é o diagnóstico que é feito pelas autoridades de saúde. Quando se mandam fazer rastreios generalizados, mas depois os testes demoram muito tempo ou os inquéritos demoram mais tempo ainda e o problema das infeções já está noutro sítio que não aquele”, disse.

Por isso, Fernando Medina considera essencial encurtar os tempos dos resultados dos testes e inquéritos. “É absolutamente essencial que os testes sejam efetuados de forma extremamente rápida. Entre o teste e o resultado ou a pessoa é protegida ou então o resultado tem de sair em muito pouco tempo. É essencial também que o tempo do inquérito seja concretizado no espaço de 12 horas máximo, que haja logo contacto com a pessoa que deu positivo e que haja uma determinação: saber quais foram as pessoas que tiveram em contacto”, disse.

O Governo decidiu na semana passada que Portugal vai estar, a partir de 1 julho, dividido em três níveis de alerta para fazer face à pandemia de covid-19, passando a maior parte do país para situação de alerta, enquanto a Área Metropolitana de Lisboa para situação de contingência (nível intermédio) e 19 freguesias da AML mantêm o estado de calamidade.

Portugal contabiliza pelo menos 1.568 mortos associados à covid-19, em 41.912 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Na segunda-feira, foram registados 266 novos casos de covid-19 em Portugal, 225 dos quais na região de Lisboa e Vale do Tejo. Esta região representa agora 45% de todos os casos no pais (18.977 num total de 41.912 casos).

ZAP // Lusa

PARTILHAR

11 COMENTÁRIOS

  1. A politica no seu melhor
    quando tudo corre bem, sou eu
    quando corre mal, és tu

    Este virus é uma coisa mais grave que possa haver desde na historia da humanidade .. porque vai deixar consequencia que ainda nao foram faladas e é bom comecaram alertar o povo….

  2. Então um Presidente de Câmara, que é simultaneamente o Presidente da Área Metropolitana da Capital de um País não é um chefe?
    O de Ovar conseguiu impôr-se e este não tem poderes para o conseguir?
    Fraquinho…

    Se calhar, como ele próprio diz, “Ou há capacidade de conter isto rápido ou então têm de ser colocadas as pessoas certas nos sítios certos”.

  3. Este senhor deveria ter vergonha. Não é que eu considere que a DGS está bem ou alguma vez esteve, no entanto ter mais um politiqueiro que se coloca constantemente em bicos de pés e quer apenas ficar com os louros é uma vergonha

  4. Olha o roto a falar para o nu, Até parece que na CML , não são mais os chefes que os índios.
    Ele que arrume a casa , exonerando por incompetência entre outros motivos , por exemplo, os diversos vereadores que lá estão a ganhar balúrdios entre os quais o famoso Zé, aquele que dizia que fazia falta.
    De facto o slogan tem fundamento , faz falta sim, mas é trabalhar como almeida, mas com o posto de ajudante. Ou melhor , como técnico superior adjunto dos serviços de higiene e limpeza

  5. Os políticos a arranjar culpados do seu enorme falhanço. Costa terá telefonado a este Medina para pôr as culpas do desastre lisboeta e do vale do Tejo, nas entidades de saúde. Costa nunca tem culpa nenhuma, já com as mortes dos incêndios foi a mesma coisa. Muito povo anda enganado quanto à competência e humanismo deste gajo.

  6. A gabarolice resultou mal, agora vão atirar pedras uns aos outros na tentativa de ver quem ficará de fora e menos molestado com a situação.

  7. Este artista devia era ir trabalhar. Sai daí malandro e vai trabalhar que nunca fizeste nada na vida. Uma autêntico zero à esquerda ainda por cima com notícias estranhas de negócios imobiliários que nunca explicou devidamente. É mais um artista.

  8. Que vergonha sr. fernando medina, ainda nao acabou o pretendido corredor central , cujas obras estão por acabar e tecnicamente sao uma
    BOSTA , para não falar noutros assuntos !!!
    Agora , diz , que falta direcção, mas não se intitula dirigente ??Há já percebi , não foi o camarada de partido, que afirmou se a coisa não desse bem, voltavamos ao mesmo ???
    Foi preciso tanto tempo , para decidir ??
    Desta vez tinha luz verde, desculpem laranja, foi por isso que demorou tempo e só a partir de amanhã , depois do repasto a custa do Ze,que comeca a serio ???
    Cuidem-se , que está a ficar muito por explicar . Eleicoes a porta .e comeca a valer tudo, até
    desdizerem-se .Pobres de espirito, não quer ficar mal com o chefe, e depois é o que vê.
    Entra mosca e sai asneira .

RESPONDER

Tempestade de areia "engoliu" cidade na China

Uma forte tempestade de areia "engoliu" a cidade de Dunhuang, no noroeste da China, no passado domingo. De acordo com o South China Morning Post, a forte tempestade de areia, que provocou nuvens de poeira com …

Raíssa faz bolachas com o lema "Fora Bolsonaro". Já se tornaram virais

Uma brasileira começou a fazer bolachas com o lema "Fora Bolsonaro" em jeito de brincadeira, mas agora já vende centenas todos os dias. Aquilo que começou como uma simples brincadeira, acabou por tornar-se viral. A ideia …

Zara, 19 anos, quer ser a mulher mais nova de sempre a voar sozinha à volta do mundo

Uma jovem, de 19 anos, pôs mãos à obra para levar a cabo um "gap year" (o chamado ano sabático) com um propósito muito fora do comum: tornar-se a mulher mais nova de sempre a …

Francês diz ter usado método matemático para ganhar o Euromilhões

O francês, que não quis revelar a sua fórmula à imprensa, ganhou, no dia 11 de junho, 30 milhões de euros com a combinação com a qual jogava há um mês. A história foi contada, esta …

Mais de metade da população portuguesa já tem a vacinação completa

Mais de metade da população residente em Portugal (52%) já tem a vacinação completa contra a covid-19, revela o relatório semanal de vacinação divulgado esta terça-feira pela Direção-Geral da Saúde (DGS). Segundo o último relatório semanal …

Campeão olímpico criou problemas no seu país natal

Richard Carapaz, medalha de ouro no ciclismo, foi direto: "O país nunca acreditou em mim". Presidente do Equador, ministro e Comité Olímpico reagiram. Poucos dias depois de ter subido ao pódio final da Volta a França …

Jovens preocupados com fertilidade e efeitos secundários das vacinas contra a covid-19

Com o avanço das campanhas de vacinação, um grande número de pessoas das faixas etárias baixo dos 30 anos mostra-se relutante em tomar a vacina contra a covid-19. Os jovens falam de preocupações com fertilidade …

Dois gestos de Cla(ri)sse que ficam para a memória olímpica

Clarisse Agbégnénou foi campeã olímpica no judo, pela primeira vez - mas a atitude que demonstrou, mal venceu a final, ficará também nos registos. Campeã mundial cinco vezes, mais duas medalhas de prata. Cinco medalhas em …

Sindicatos avançam com ações legais para travar despedimento coletivo na TAP

Os sindicatos que representam os trabalhadores da TAP vão avançar com ações legais para travar o despedimento coletivo que a empresa iniciou na segunda-feira, que abrange 124 profissionais. "Até agora houve conversa, a partir de agora …

Ginastas alemãs usam fato integral para combater sexualização da modalidade

Ao contrário do que acontece com os ginastas masculinos, que podem optar por calções ou calças, as mulheres competem, desde o início da modalidade, de bodies que expõem grande parte do seu corpo. Quando, no último …