/

Marques Mendes antecipa desconfinamento a 15 de março. Creches e 1º ciclo são os primeiros a abrir

Carlos Barroso / Lusa

Luís Marques Mendes

No seu habitual espaço de comentário na SIC, Luís Marques Mendes revelou, este domingo, que as creches, pré-escolar e 1º ciclo deverão abrir já a 15 de março.

Segundo o comentador, o plano que vai ser apresentado na reunião do Infarmed esta segunda-feira é “um guia para o desconfinamento”, que “define cinco níveis de confinamento” e “aplica-se aos próximos seis meses”.

Marques Mendes revelou que “vamos mesmo começar a desconfinar já no dia 15, um desconfinamento pequeno, suave, limitado” e vão reabrir os setores relativamente aos quais “há um consenso já: creches, pré-escolar e 1º ciclo do ensino básico”.

A “abertura do pequeno comércio, barbeiros, cabeleireiros e comércio de bairro” ainda está em “reflexão.” O Correio da Manhã avançou no domingo que o comércio local — lojas com porta aberta para a rua até uma área de 200 metros quadrados — poderão ser os primeiros a abrir, a 17 de março, mas com limitação no número de clientes, uso de máscara obrigatório e disponibilização de álcool-gel.

Já quanto aos cabeleireiros e barbeiros, o CM adianta que não deverão ser abrangidos por apresentaram maior risco de contágio. Da mesma forma, restaurantes também deverão ficar só para maio.

Já os “restaurantes e os outros graus de ensino” (do primeiro ciclo para cima) só deverão abrir “depois da Páscoa”. Em relação ao fim-de-semana prolongado da Páscoa, Marques Mendes antecipou que haverá “proibição de circulação entre concelhos“.

Segundo o comentador, o plano da autoria de Óscar Felgueiras e Raquel Duarte prevê que “haverá um calendário indicativo de reabertura para o futuro” e que “decisões de alterações só de 15 em 15 dias”. Este plano terá pistas para os próximos seis meses.

Além deste plano, Marques Mendes disse que será apresentado também um outro plano para confinar, que serão regras e medidas a aplicar em confinamentos futuros — caso venha a ser necessário. O trabalho, da autoria de Manuel Carmo Gomes e Baltazar Nunes, tem “orientações para o futuro” – e não para o confinamento atual.

“Segundo apurei, amanhã, a reunião no Infarmed vai ser diferente do habitual, vai ser mais conclusiva do que descritiva”, acrescentou.

A 17.ª apresentação da situação epidemiológica da covid-19 em Portugal vai decorrer na manhã desta segunda-feira no auditório do Infarmed, em Lisboa, novamente em formato de videoconferência.

  Maria Campos, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE