Marcelo entra no último ano de mandato (e avisa que não pode haver crises)

Estela Silva / Lusa

Marcelo Rebelo de Sousa, que foi eleito Presidente da República há quatro anos, entra segunda-feira no último ano de mandato com a recandidatura em aberto e avisando que neste período não pode haver crises.

Em 2020, o Presidente da República tem o poder de dissolução do parlamento limitado, só o podendo exercer entre abril e setembro.  Nos termos da Constituição, a Assembleia da República não pode ser dissolvida nos seis meses posteriores à sua eleição, que foi em 6 de outubro de 2019, nem no último semestre do mandato do Presidente da República, que cessa funções em 9 de março de 2021.

Na quarta-feira passada, no decorrer de uma conferência para assinalar os 30 anos do jornal Público, Marcelo afastou o cenário de eleições antecipadas e pediu aos agentes políticos para “baixarem a temperatura” e agirem no quadro parlamentar que os portugueses escolheram, considerando que o início de legislatura não pode ter sabor de fim.

Não foi a primeira vez que o Presidente apelou à estabilidade. No início de janeiro já tinha alertado que não há margem para pensar em crises políticas. “É óbvio que tem de haver estabilidade e não há sequer condições para estar a pensar em crises “, avisou, reforçando a mensagem de que neste intervalo “não é possível haver crise, porque não é possível haver dissolução e eleições, como poderia acontecer noutras circunstâncias, sem aprovação de Orçamento”.

Eleito à primeira volta nas eleições presidenciais de 24 de janeiro de 2016 com 52% dos votos, o antigo presidente do PSD conviveu nos seus primeiros três anos e meio de mandato com um Governo minoritário do PS suportado por acordos inéditos à esquerda no Parlamento, manifestou-se desde o início empenhado na estabilidade e viu a legislatura chegar até ao fim.

Teve, nas suas palavras, uma “coabitação especial” com o anterior executivo chefiado por António Costa – com maior proximidade no início, num período de desconfiança interna e externa face àquela solução governativa, e maior afastamento aquando dos incêndios de 2017 – e disse no final desse ciclo que iria ter “verdadeiramente saudades” daquela composição da Assembleia da República.

Para já, nesta nova legislatura, em que o PS, apesar da votação reforçada, tem um novo Governo minoritário, o Orçamento do Estado para 2020 foi aprovado apenas com votos a favor dos socialistas e com a abstenção de BE, PCP, PAN, PEV e da então deputada do Livre Joacine Katar Moreira, que entretanto se divorciou do partido.

O quadro político é diferente, porque agora o Governo não é suportado por quaisquer acordos escritos, uma condição que o próprio Presidente da República considerou desnecessária e que o PCP rejeitava, tendo António Costa optado por não privilegiar nenhum dos parceiros à esquerda.

O anúncio da sua decisão sobre uma recandidatura ou não nas presidenciais de janeiro do próximo ano poderá coincidir precisamente com o momento da entrega do Orçamento do Estado para 2021 no parlamento, em meados de outubro.

Marcelo Rebelo de Sousa remeteu inicialmente o fim desse tabu para o verão deste ano, mas entretanto adiou essa comunicação para outubro. Quando marcar a data das presidenciais, o que tem de ser feito com uma antecedência mínima de 60 dias, prometeu que estará claro se é ou não candidato.

Defensor de “um só mandato presidencial, mais longo”, ainda como candidato presidencial, num discurso na Voz do Operário, em Lisboa, no dia 24 de outubro de 2015, Marcelo admitiu vir a ser o primeiro Presidente da República eleito em democracia a não se recandidatar a um segundo mandato de cinco anos. Desde então, abordou o tema em sucessivas ocasiões, mas manteve o tabu, apontando a sua saúde e o sentido de dever como fatores determinantes a ponderar.

Após as eleições europeias de maio de 2019, apontou “o equilíbrio de forças” que resultasse das legislativas como mais um fator a ter em conta, exprimindo preocupação com uma possível crise na direita.

Para o secretário-geral do PS e primeiro-ministro, a recandidatura de Marcelo Rebelo de Sousa é um cenário praticamente certo. “Eu diria, se me fosse permitido ser por dez segundos analista político, que há 99% de possibilidades de ele se candidatar. Além do mais, seria incompreensível para 80% dos portugueses que o apoiam verem-se frustrados por não o terem”, declarou, em julho.

Excluindo-se de candidato presidencial nas eleições de 2021 ou em quaisquer outras, António Costa tem reservado para mais tarde a posição do PS na próxima corrida a Belém, embora referindo que o seu partido “sempre teve como tradição apoiar candidatos e não propor candidatos”.

  // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Bielorrússia expulsa embaixador francês

O embaixador francês na Bielorrússia deixou o país este domingo, depois de as autoridades bielorrussas o terem mandado embora, sem especificar o motivo.  "O Ministério das Relações Exteriores da Bielorússia exigiu que o embaixador partisse antes …

Grupo 400 Mowozo apontado como responsável pelo rapto de 17 missionários estrangeiros no Haiti

Grupo raptado era composto por 14 adultos e três crianças que se encontravam em território haitiano no quadro de uma missão de solidariedade dinamizada pela Christian Aid Ministries. Um grupo armado intitulado 400 Mawozo, considerado um …

Agentes disparam para o ar no jogo entre o Olímpico do Montijo e o Vitória de Setúbal B

Violência, tiros para o ar: Montijo reage aos incidentes do jogo com o Vitória

Cenas de pânico, logo a seguir ao jogo entre o Olímpico do Montijo e a equipa B de Setúbal. Versões diferentes dos treinadores. O jogo entre Olímpico do Montijo e Vitória de Setúbal B terminou sem …

Defesa de Salgado pede suspensão do processo por diagnóstico de Alzheimer

A defesa do antigo banqueiro pediu a suspensão do processo no qual o ex-presidente do Banco Espírito Santo (BES) é arguido, fundamentando-o com um atestado médico a comprovar o diagnóstico de doença de Alzheimer. De acordo …

Marcelo sobre combustíveis: "Vamos esperar que isto não seja para durar mais de seis meses"

O Presidente da República disse, esta segunda-feira, que o aumento do preço dos combustíveis é "preocupante" e que o Governo aguarda luz verde de Bruxelas para tomar medidas sociais para as famílias e as empresas. "No …

Frente Comum confirma greve na Função Pública a 12 de novembro

A Frente Comum de Sindicatos da Administração Pública confirmou, esta segunda-feira, a realização de uma greve nacional a 12 de novembro, para exigir ao Governo que altere a proposta de Orçamento do Estado para 2022 …

Welwitschea 'Tchizé' dos Santos, filha do ex-Presidente angolano José Eduardo dos Santos

Ivo Rosa manda desbloquear conta bancária de Tchizé dos Santos

O Tribunal Central de Instrução Criminal desbloqueou uma conta bancária de Tchizé dos Santos, filha de José Eduardo dos Santos, por "decurso excessivo" do tempo e falta de provas quanto à origem ilícita dos fundos. O …

Mais três mortes e 291 novos casos de covid-19. Incidência e R(t) subiram

Portugal registou, esta segunda-feira, mais três mortes e 291 casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o último boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da DGS, dos 291 novos …

O ex-secretário de Estado norte-americano Colin Powell

Morreu com covid-19 o ex-secretário de Estado dos EUA Colin Powell

O ex-secretário de Estado do ex-Presidente George W. Bush morreu, aos 84 anos, devido a "complicações de covid-19", anunciou a família, esta segunda-feira. "O general Colin L. Powell, ex-secretário de Estado dos EUA e presidente da …

Facebook quer criar 10.000 novos empregos na UE nos próximos cinco anos

Projeto que a gigante norte-americana quer criar em solo europeu consiste num metauniverso, um espaço virtual que permite a reunião de pessoas que não estão juntas fisicamente, com recurso a realidade virtual e aumentada. O Facebook …