Marcelo diz que é preciso “travão de reforçada emergência” com confinamento

Rodrigo Antunes / Lusa

O Presidente da República defendeu, esta quarta-feira, que é preciso “criar um travão de reforçada emergência”, com confinamento, para inverter o crescimento acelerado da covid-19 em Portugal antes de haver vacinação generalizada.

Numa nota publicada no portal da Presidência da República, Marcelo Rebelo de Sousa anunciou a renovação do estado de emergência até 30 de janeiro, assinalando que teve o apoio de “mais de 90% dos deputados” (CDS-PP e PAN juntaram-se ao PS e PSD no voto a favor, BE absteve-se).

“A presente renovação e o confinamento que a acompanha pretendem criar um travão de reforçada emergência, evitando um alastramento, antes de a vacinação poder constituir um dique imunitário minimamente amplo e eficaz”, afirmou.

O chefe de Estado deixou um apelo aos portugueses: “De novo, todos nós teremos de conjugar ânimos, vontades e resistências para alcançarmos o que alcançámos entre março e maio do ano passado – um suplemento de tempo e de alma num desafio de fim mais próximo, mas ainda indeterminado”.

“Há quase um ano, vencemos esse desafio. Só há mais razões, hoje, para o vencermos, uma vez mais”, acrescentou, manifestando-se convicto de que Portugal poderá sair melhor do confinamento a legislar pelo Governo.

Segundo Marcelo Rebelo de Sousa, esta declaração do estado de emergência “tem um fim muito urgente e preciso: tentar conter e inverter o crescimento acelerado da pandemia, visível, nos últimos dias, em casos, internamentos, cuidados intensivos e, ainda mais, em mortos. (…) Essa contenção e inversão impõe-se e é muito urgente”, reforçou.

O Presidente da República defendeu que “há que tentar obter resultados palpáveis no mais curto espaço de tempo possível, não deixando que a pandemia entre, ao nível do patamar existente, em fevereiro e março”, alertando que “isso significaria multiplicação do número de mortos, situação mais crítica nas estruturas de saúde, maior fragilização do clima de confiança das pessoas e comunidades, agravamento duradouro da crise económica e social”.

Este é o nono decreto do estado de emergência no atual contexto de pandemia de covid-19. Este diploma modifica o estado de emergência atualmente em vigor, com novas normas que se aplicam nos últimos dois dias desse anterior decreto, que termina às 23:59 de sexta-feira, e renova-o por mais quinze dias, desde as 00:00 de sábado, 16 de janeiro, até às 23:59 de 30 deste mês.

Presidente voltou a Belém e fica em vigilância passiva

Entretanto, Marcelo Rebelo de Sousa regressou hoje ao Palácio de Belém, onde retomou a atividade, embora esteja em “vigilância passiva durante 14 dias”, por indicação das autoridades de saúde.

Segundo a nota divulgada no portal da Presidência, “o delegado de saúde regional de Lisboa e Vale do Tejo confirmou ontem, perto da meia-noite, que o Presidente da República ‘após avaliação de risco, foi considerado como tendo tido exposição de baixo risco‘, podendo retomar a atividade”.

Contudo, Marcelo Rebelo de Sousa terá de ficar em “vigilância passiva durante 14 dias” o que significa “não frequentar locais com aglomerações de pessoas”.

“Esta avaliação refere-se tanto à situação resultante do teste positivo da passada segunda-feira, seguido de dois testes negativos realizados pelo Instituto Ricardo Jorge, que é o laboratório nacional de referência, quer ao contacto com o elemento da sua segurança pessoal cujo resultado positivo do teste foi conhecido ontem [terça-feira] ao fim da tarde”, lê-se na mesma nota.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. A mesma pessoa que diz que é necessário confinar para matar mais rápido a economia, é a mesma pessoa que não tem um pingo de vergonha na cara para adiar as eleições. Marcelo que ser eleito nem que só vá votar 20% da população o importante é ele vencer.

    • A pessoa que tomou posse em janeiro de 2016, infelizmente, já não existe. Com o passar dos anos, e com a vinda desta pandemia, percebemos que a gestão levada a cabo por este pentelho não é, de todo, orientada, tendo em vista a justiça.

  2. O gajo reconheceu o perigo dos convívios do Natal. O gajo fala num travão… mas o travão só é necessário quando alguém está com pressa e lixa tudo. Neste caso, as medidas foram demasiado light, o povo confiou nos seus “governantes” miseráveis, e morreu. Quem se foi, não pode agoirar frente a quem os injuriou, no entanto, quem está vivo pode E DEVE reclamar se algo não estiver bem – não está bem ignorar restaurantes e pequenas lojas, não está bem manter as escolas abertas, não estão a ser coerentes outros acontecimentos, mas o que temos é esta bola de neve que nunca pára de rolar…

RESPONDER

Há centenas de pessoas em busca de tesouros que não existem na Índia (e a culpa é de um boato)

Moradores de pelo menos três vilas no distrito de Rajgarh, no estado indiano de Madhya Pradesh (MP), passaram a última semana à procura de um tesouro antigo que provavemente não existe. Centenas de aldeões estão a …

João Ferreira diz que Marcelo deixou jovens em situação de "vulnerabilidade" (e elogia lay-off a 100%)

João Ferreira criticou este sábado o atual Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa por deixar os jovens em situação de "vulnerabilidade". O candidato presidencial João Ferreira afirmou, este sábado, que o Presidente da República, Marcelo …

Marisa Matias critica que apenas 1% do orçamentado seja gasto com cuidadores informais

Marisa Matias, candidata presidencial apoiada pelo Bloco de Esquerda, criticou este sábado que apenas tenha sido executado 1% da verba prevista no Orçamento do Estado para 2020 para os projetos-piloto dos cuidadores informais. Os atrasos e …

Ana Gomes considera "elucidativo" que Sócrates a ataque e elogie Marcelo

Ana Gomes, candidata às eleições presidenciais, considerou “elucidativo” que o antigo primeiro-ministro José Sócrates a tenha atacado e elogiado Marcelo Rebelo de Sousa. Questionada pelos jornalistas sobre o artigo de José Sócrates divulgado na sexta-feira, em …

Só pela profissão, professores "não são grupo de risco"

Graça Freitas reconheceu a importância dos professores "para o funcionamento do país", mas rejeitou considerá-los um grupo de risco esta sexta-feira. Os professores não são considerados um grupo de risco que deva ser integrado entre as …

João Leão infetado com covid-19

João Leão, ministro das Finanças, testou positivo à covid-19. O governante encontra-se assintomático e em confinamento domiciliário. O ministro de Estado e das Finanças, João Leão, testou positivo à covid-19. A informação foi adiantada este sábado …

Ricardo Salgado quer anular multa de 75 mil euros

A defesa de Ricardo Salgado recorreu ao Supremo Tribunal de Justiça para tentar anular uma decisão do Tribunal da Relação de Lisboa que confirmou uma multa de 75 mil do Banco de Portugal por causa …

Portugueses começam a votar nas Presidenciais este domingo. Há 246 mil inscritos

Os portugueses começam a votar já neste domingo, uma semana antes das eleições Presidenciais de 24 de janeiro, no chamado voto antecipado em mobilidade para que se inscreveram mais de 246 mil eleitores. As europeias e …

Maduro ofereceu oxigénio ao Amazonas (quando há venezuelanos a morrerem por falta dele)

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, ofereceu oxigénio hospitalar ao Estado do Amazonas, no Brasil, para ajudar a combater a falta deste gás devido ao elevado número de casos de covid-19. Uma generosidade que está …

Pior dia da pandemia. Portugal regista 10.947 infetados e 166 mortos em 24 horas

O boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS) revela que, este sábado, Portugal atingiu dois recordes num só dia. Portugal voltou a registar um novo máximo este sábado, no dia dois do novo confinamento. Nas últimas …