Marcelo quer reabrir debate sobre Acordo Ortográfico

presidencia.pt

Marcelo Rebelo de Sousa Visita as presas e seus filhos no Estabelecimento Prisional de Tires, Cascais

Marcelo Rebelo de Sousa Visita as presas e seus filhos no Estabelecimento Prisional de Tires, Cascais

Marcelo Rebelo de Sousa pode relançar o debate sobre o Acordo Ortográfico de 1990, aproveitando a boleia da visita de quatro dias que fará esta semana a Moçambique, país que não ratificou o novo acordo.

Pedro Mexia, consultor cultural do Presidente da República, conta ao Expresso que têm chegado a Belém “pedidos de cidadãos e instituições manifestando-se contra o acordo” e “o PR entende que este só poderá ter continuidade se, de facto, for ratificado por todos os países envolvidos. Caso contrário, a questão tem de ser repensada”.

Ou seja, caso Moçambique e Angola não ratifiquem o Acordo Ortográfico de 1990, “impõem-se uma reflexão sobre a matéria, que é de competência governamental, mas o presidente não deixará de sublinhar a utilidade de reflexão”.

Uma das possibilidades para resolver este impasse seria levar o novo acordo a referendo, depois de ter entrado em vigor no nosso país em 2009.

Em 1991, Marcelo Rebelo de Sousa foi uma das 400 personalidades que assinou o manifesto contra o Arcodo Ortográfico, mas em 2008, recorda o semanário, manifestou-se a favor do mesmo, considerando que as alterações não eram substanciais.

Seis anos depois, na TVI, admitiu que, apesar de defender o Acordo Ortográfico, não o aplicava na prática. Durante a campanha para as presidenciais, Marcelo continuou a não escrever segundo as novas regras, mas nunca tomou uma posição pública sobre o tema. No início do ano, antes da sua tomada de posse, escreveu um artigo no Expresso no qual usou a antiga grafia.

No entanto, num ofício a que o Expresso teve acesso, lê-se que “sem prejuízo de possíveis desenvolvimentos futuros, o presidente da República, como todas as instituições do Estado português, segue as regras do Acordo Ortográfico no exercício das suas funções”.

Caso venha a verificar-se, uma revisão do acordo afetará a atividade editorial, com maior impacto no mercado dos manuais escolares.

ZAP

PARTILHAR

13 COMENTÁRIOS

  1. Quem, como eu, estudou latim, embora por pouco tempo no meu caso), não compreende o assassinato da língua-mãe, da qual muitas outras dependem, substituindo-a por uma coisa que não chega a ser, sequer, madrasta.
    Quem, como eu, pratica leitura e escrita em línguas estrangeiras, como o francês, alemão e mesmo o inglês, detecta uma certa ligação entre a grafia anterior a este “não-cem-por cento-acordo” e essas mesmas línguas.
    Quem, como eu, foi um razoável aluno a português e já tem cabelos brancos, e gosta de ir até à origem das coisas, vai continuar na prática sem acordo.

  2. Quando as decisões/tomadas de posição não foram as correctas, não há (nem pode haver!) nenhuma razão para que não possam a vir a ser corrigidas!
    Já bem chega não terem sido tomadas as disposições necessárias para evitar que se cometessem erros, …ainda temos que as eternizar porque não há coragem para voltar atrás e retomar o caminho certo??
    Contra o AO, a favor da Língua Portuguesa!

  3. Eu também preferia escrever pharmacia e anedocta, mas, infelizmente, apesar dos meus cabelos brancos, já não me deram essa oportunidade… tenho pena…
    Isso do “supostamente” corre(c)to, é muito interessante, sem dúvida. Não vi ninguém revoltar-se pela introdução dos vocábulos “bué”, “entroicados” e tantos outros nalguns dicionários de Língua Portuguesa. Nós não temos melhor Português do que os outros países. Se tentarmos unificar, harmonizar, só temos todos a ganhar com isso.
    Nesse caso, voltemos também ao Escudo… era tão bom poder comprar livros com umas centenas de “paus”.

  4. Eu penso que quem deveria definir e promover o próximo acordo ortográfico deveria ser o Jorge Jesus. E por aqui me fico.

  5. acho que cada pais de expressão portuguesa deve falar como quer. pelo que li, angola não vai aceitar o acordo. nós ensinamos a lingua portuguesa a todo o mundo e agora vem um pais (brasil) dizer como devemos falar. as vezes ate me ferem os ouvidos quando oiço certas palavras que no meu tempo de escola se fosse escrever e falar daquela maneira, levava umas boas reguadas e para castigo escreveria umas 100 vezes a palavra mal dita. oiço o “matado ” em vez do “foi morto” e assim por adiante. acho que os outros paises colonizadores como nós (espanha, imglaterra, holanda, etc) nao fazem acordos e dizem como devem falar daqui por diante. cada um com a sua lingua, mesmo que usemos o chamados “termos estrangeirismos”. cada um por si.

    • Oh! amigo Zé das Iscas, você não sabe português sob a pesrpectiva de nenhum acordo: nem antigo, nem actual e, provávelmente, nem na perspectiva de um acordo futuro. O seu texto contém mais de uma dúzia de erros e faltas! Irra!!!

  6. Finalmente o MRS fez (visita a cadeia) o que devia ter feito no dia da tomada de posse, em vez de ter ido à maldita mesquita central de lesboa capital do lesbogayal. Isto mesmo o escrevi, logo no dia, porque como Portugues nao admito islão como seita demoniaca ou culto satâncico nazi islamo-fascista. O maldito islao deveria ser banido pelas UN, como é banido o nazismo, pois trata-se doutra cara da mesma moeda de eliminaçao dos não-aderentes. Quanto ao acordo ortografico, trata-se da segunda medida decente deste MRS que para já é menos esperança do que a prometia ser. Porque a raiz etimologica de uma lingua é também um significado de cultura nação historia e Portugalidade inerente; destruir a raiz etimologica (como o novo acordo erradamente realiza) do Portugues, é também continuar a matar Portugal.

  7. Zé das Iscas. Espero mesmo que não ande por aí a ensinar o Português, caso contrário está a fazer um mau trabalho pela nossa língua. “iMglaterra”??!!!!!! com M?!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Acentos nem vê-los, inicia sempre as frases com minúscula, ausência de concordância entre singular e plural,… Aqui para nós, deveria ter levado mais umas reguadas para ver se ia ao sítio.

    Quanto ao “matado” pode ser correto. Se proferir “ele tinha matado a galinha”, está correto. Com os verbos haver e ter está perfeitamente correto.
    Deixo-lhe aqui, e a todos os comentadores, a explicação:

    matado ou morto?
    As duas formas são corretas.
    Matar é um verbo com dois particípios passados: um regular – matado – e outro irregular – morto.
    O particípio regular é utilizado nos tempos compostos com os verbos auxiliares ter e haver:
    Pensei que tinha matado o animal.
    O particípio irregular é usado com os verbos auxiliares ser e estar:
    O animal foi morto.

  8. Aqui agora esta um caso: em 1991 o pr assinou contra em 2008 foi a favor então em que ficamos? peixe ou carne! Eu penso que o povo português não deve existir so para pagar impostos deve ter uma palavra dizer no ASSASSINATO NA LINGUA DE CAMOES não e a vontade de um ????? palerma ser imposta a milhoes de pessoas com a qual não concordam anular o novo acordo e em ultimo caso referendo ao povo MORTE AO ACORDO MAIS QUEM O INVENTOU ; fim de citação

  9. Nunca concordei com o AO, mas está em vigor e para tal foram necessárias milhares de alterações: nas escolas, desde os manuais à formação dos formadores; nas empresas: documentos timbrados, manuais de instruções e até nas páginas da internet, etc, etc. E agora? Vamos “desfazer” tudo outra vez???? E quem paga mais esse prejuízo? Sim, somos nós!

Desagravou-se a seca no país, mas Algarve mantém seca extrema

24,5% do continente estava em seca fraca, 23,8% em chuva fraca, 23,3% em seca moderada e 10,9% em seca severa. Sotavento algarvio manteve-se em situação de seca extrema. Portugal continental registou em novembro um desagravamento da …

Procurador do MP investigado por ajudar traficante a fugir da prisão

Carlos Figueira, procurador do Ministério Público de Lisboa, está a ser investigado pela Polícia Judiciária por corrupção. O magistrado é suspeito de ter ajudado um traficante a fugir da prisão. Um procurador do Tribunal de Execução …

Refugiados em greve de fome por falta de condições em campo bósnio

Centenas de refugiados de um campo improvisado em Vucjak, na Bósnia, estão em greve de fome pelo segundo dia consecutivo para protestar contra a situação degradante em que se encontram. Os refugiados no campo improvisado …

Ex-aliada de Bolsonaro denuncia grupo difusor de notícias falsas ligado ao Presidente

A deputada brasileira Joice Hasselmann, ex-líder do Governo de Jair Bolsonaro no congresso, denunciou na quarta-feira a atuação de um grupo difusor de "fake news" (notícias falsas) ligado ao atual Presidente, Jair Bolsonaro, e que …

Banco BiG: EUA e China vão chegar a acordo, mas não será duradouro

No "Outlook" para 2020, os analistas do banco BiG defendem que será improvável que Estados Unidos e China cheguem a um consenso suficiente para reverter as taxas aduaneiras impostas. De acordo com os analistas do banco …

Alemanha expulsa dois diplomatas russos. Rússia vai tomar medidas

Dois diplomatas russos, acusados pelo Ministério Público alemão de falta de cooperação na investigação de um homicídio, foram expulsos da Alemanha. A Rússia já reagiu e avisou que tomará medidas. Esta quarta-feira, a Alemanha expulsou "com …

Segurança Social demora quase cinco meses a pagar pensões

Em 2018, os beneficiários da Segurança Social tiveram de esperar, em média, 147 dias - cerca de cinco meses -, entre o dia que se aposentaram e o momento que começaram a receber a pensão …

Empresas fechadas e 28 mil despedimentos. Setor têxtil pode atravessar crise

Até 2025, a indústria têxtil em Portugal pode ver um terço das empresas a fecharem e 28 mil trabalhadores a serem despedidos. Este é o pior cenário equacionado no setor nos próximos anos. O setor da …

Ministério Público arquiva queixa de Aguiar-Branco contra Ana Gomes por difamação

Aguiar Branco tinha levantado um processo de difamação a Ana Gomes por declarações sobre alegadas ligações entre o seu escritório de advogados e o grupo Martifer. O Ministério Público (MP) arquivou a queixa apresentada pelo ex-ministro …

66 louvores a funcionários. Centeno é o ministro mais "agradecido" de todo o Governo

Mário Centeno e os seus secretários de Estado publicaram em Diário da República 66 louvores. O seu gabinete garante que não há qualquer significado político associado - nem mesmo uma despedida anunciada. O louvor é dado …