Marcelo quer reabrir debate sobre Acordo Ortográfico

presidencia.pt

Marcelo Rebelo de Sousa Visita as presas e seus filhos no Estabelecimento Prisional de Tires, Cascais

Marcelo Rebelo de Sousa Visita as presas e seus filhos no Estabelecimento Prisional de Tires, Cascais

Marcelo Rebelo de Sousa pode relançar o debate sobre o Acordo Ortográfico de 1990, aproveitando a boleia da visita de quatro dias que fará esta semana a Moçambique, país que não ratificou o novo acordo.

Pedro Mexia, consultor cultural do Presidente da República, conta ao Expresso que têm chegado a Belém “pedidos de cidadãos e instituições manifestando-se contra o acordo” e “o PR entende que este só poderá ter continuidade se, de facto, for ratificado por todos os países envolvidos. Caso contrário, a questão tem de ser repensada”.

Ou seja, caso Moçambique e Angola não ratifiquem o Acordo Ortográfico de 1990, “impõem-se uma reflexão sobre a matéria, que é de competência governamental, mas o presidente não deixará de sublinhar a utilidade de reflexão”.

Uma das possibilidades para resolver este impasse seria levar o novo acordo a referendo, depois de ter entrado em vigor no nosso país em 2009.

Em 1991, Marcelo Rebelo de Sousa foi uma das 400 personalidades que assinou o manifesto contra o Arcodo Ortográfico, mas em 2008, recorda o semanário, manifestou-se a favor do mesmo, considerando que as alterações não eram substanciais.

Seis anos depois, na TVI, admitiu que, apesar de defender o Acordo Ortográfico, não o aplicava na prática. Durante a campanha para as presidenciais, Marcelo continuou a não escrever segundo as novas regras, mas nunca tomou uma posição pública sobre o tema. No início do ano, antes da sua tomada de posse, escreveu um artigo no Expresso no qual usou a antiga grafia.

No entanto, num ofício a que o Expresso teve acesso, lê-se que “sem prejuízo de possíveis desenvolvimentos futuros, o presidente da República, como todas as instituições do Estado português, segue as regras do Acordo Ortográfico no exercício das suas funções”.

Caso venha a verificar-se, uma revisão do acordo afetará a atividade editorial, com maior impacto no mercado dos manuais escolares.

ZAP

PARTILHAR

13 COMENTÁRIOS

  1. Quem, como eu, estudou latim, embora por pouco tempo no meu caso), não compreende o assassinato da língua-mãe, da qual muitas outras dependem, substituindo-a por uma coisa que não chega a ser, sequer, madrasta.
    Quem, como eu, pratica leitura e escrita em línguas estrangeiras, como o francês, alemão e mesmo o inglês, detecta uma certa ligação entre a grafia anterior a este “não-cem-por cento-acordo” e essas mesmas línguas.
    Quem, como eu, foi um razoável aluno a português e já tem cabelos brancos, e gosta de ir até à origem das coisas, vai continuar na prática sem acordo.

  2. Quando as decisões/tomadas de posição não foram as correctas, não há (nem pode haver!) nenhuma razão para que não possam a vir a ser corrigidas!
    Já bem chega não terem sido tomadas as disposições necessárias para evitar que se cometessem erros, …ainda temos que as eternizar porque não há coragem para voltar atrás e retomar o caminho certo??
    Contra o AO, a favor da Língua Portuguesa!

  3. Eu também preferia escrever pharmacia e anedocta, mas, infelizmente, apesar dos meus cabelos brancos, já não me deram essa oportunidade… tenho pena…
    Isso do “supostamente” corre(c)to, é muito interessante, sem dúvida. Não vi ninguém revoltar-se pela introdução dos vocábulos “bué”, “entroicados” e tantos outros nalguns dicionários de Língua Portuguesa. Nós não temos melhor Português do que os outros países. Se tentarmos unificar, harmonizar, só temos todos a ganhar com isso.
    Nesse caso, voltemos também ao Escudo… era tão bom poder comprar livros com umas centenas de “paus”.

  4. Eu penso que quem deveria definir e promover o próximo acordo ortográfico deveria ser o Jorge Jesus. E por aqui me fico.

  5. acho que cada pais de expressão portuguesa deve falar como quer. pelo que li, angola não vai aceitar o acordo. nós ensinamos a lingua portuguesa a todo o mundo e agora vem um pais (brasil) dizer como devemos falar. as vezes ate me ferem os ouvidos quando oiço certas palavras que no meu tempo de escola se fosse escrever e falar daquela maneira, levava umas boas reguadas e para castigo escreveria umas 100 vezes a palavra mal dita. oiço o “matado ” em vez do “foi morto” e assim por adiante. acho que os outros paises colonizadores como nós (espanha, imglaterra, holanda, etc) nao fazem acordos e dizem como devem falar daqui por diante. cada um com a sua lingua, mesmo que usemos o chamados “termos estrangeirismos”. cada um por si.

    • Oh! amigo Zé das Iscas, você não sabe português sob a pesrpectiva de nenhum acordo: nem antigo, nem actual e, provávelmente, nem na perspectiva de um acordo futuro. O seu texto contém mais de uma dúzia de erros e faltas! Irra!!!

  6. Finalmente o MRS fez (visita a cadeia) o que devia ter feito no dia da tomada de posse, em vez de ter ido à maldita mesquita central de lesboa capital do lesbogayal. Isto mesmo o escrevi, logo no dia, porque como Portugues nao admito islão como seita demoniaca ou culto satâncico nazi islamo-fascista. O maldito islao deveria ser banido pelas UN, como é banido o nazismo, pois trata-se doutra cara da mesma moeda de eliminaçao dos não-aderentes. Quanto ao acordo ortografico, trata-se da segunda medida decente deste MRS que para já é menos esperança do que a prometia ser. Porque a raiz etimologica de uma lingua é também um significado de cultura nação historia e Portugalidade inerente; destruir a raiz etimologica (como o novo acordo erradamente realiza) do Portugues, é também continuar a matar Portugal.

  7. Zé das Iscas. Espero mesmo que não ande por aí a ensinar o Português, caso contrário está a fazer um mau trabalho pela nossa língua. “iMglaterra”??!!!!!! com M?!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Acentos nem vê-los, inicia sempre as frases com minúscula, ausência de concordância entre singular e plural,… Aqui para nós, deveria ter levado mais umas reguadas para ver se ia ao sítio.

    Quanto ao “matado” pode ser correto. Se proferir “ele tinha matado a galinha”, está correto. Com os verbos haver e ter está perfeitamente correto.
    Deixo-lhe aqui, e a todos os comentadores, a explicação:

    matado ou morto?
    As duas formas são corretas.
    Matar é um verbo com dois particípios passados: um regular – matado – e outro irregular – morto.
    O particípio regular é utilizado nos tempos compostos com os verbos auxiliares ter e haver:
    Pensei que tinha matado o animal.
    O particípio irregular é usado com os verbos auxiliares ser e estar:
    O animal foi morto.

  8. Aqui agora esta um caso: em 1991 o pr assinou contra em 2008 foi a favor então em que ficamos? peixe ou carne! Eu penso que o povo português não deve existir so para pagar impostos deve ter uma palavra dizer no ASSASSINATO NA LINGUA DE CAMOES não e a vontade de um ????? palerma ser imposta a milhoes de pessoas com a qual não concordam anular o novo acordo e em ultimo caso referendo ao povo MORTE AO ACORDO MAIS QUEM O INVENTOU ; fim de citação

  9. Nunca concordei com o AO, mas está em vigor e para tal foram necessárias milhares de alterações: nas escolas, desde os manuais à formação dos formadores; nas empresas: documentos timbrados, manuais de instruções e até nas páginas da internet, etc, etc. E agora? Vamos “desfazer” tudo outra vez???? E quem paga mais esse prejuízo? Sim, somos nós!

Ativistas do Greenpeace pendurados no edifício da União Europeia

Cerca de 30 ativistas do Greenpeace escalaram esta quinta-feira em protesto o edifício da União Europeia, em Bruxelas, onde decorre o Conselho Europeu e será discutido o combate ao aquecimento global. Depois de chegarem num carro …

"Fui muito feliz". Gaitán admite que gostava de voltar ao Benfica

O internacional argentino, que saiu do Benfica há três anos, admitiu em entrevista que gostava de voltar a jogar pelos encarnados. "Claro que gostaria, fui muito feliz no Benfica, senti-me muito confortável no clube. Mas também …

Harvey Weinstein perto de chegar a acordo de 22 milhões de euros com vítimas

O produtor, acusado de vários casos de abusos sexuais a atrizes e funcionárias, terá chegado a um acordo de 22 milhões de euros com 30 atrizes que o processaram. O acordo exige a aprovação do tribunal …

"A minha militância é já longa, nunca tive padrinhos" na política, diz Miguel Pinto Luz

O candidato à liderança do Partido Social Democrata (PSD), Miguel Pinto Luz, disse que o financiamento para a campanha vem de si próprio e de outros militantes. Afirmou que não recusa apoios de quem quer …

Nu num cavalo branco e de saltos altos. Retrato de Emiliano Zapata gera indignação no México

Centenas de manifestantes invadiram o Palácio de Belas Artes do México, na passada terça-feira, por causa de um retrato do general Emiliano Zapata (1879-1919), considerado um herói revolucionário no país. A obra, pintada pelo artista …

Felipe VI designa Sánchez como candidato a formar o próximo Governo

O Rei de Espanha designou, esta quarta-feira, em Madrid, o secretário-geral do PSOE e primeiro-ministro em funções como candidato a chefe do próximo Governo, anunciou a presidente do Parlamento. "Sua majestade o Rei [...] comunicou-me a …

No Porto, há um painel publicitário que recicla tanto ar como 230 árvores

O painel publicitário da Volvo, instalado na fachada de um prédio entre a Avenida da Boavista e a Rua 5 de Outubro, no Porto, é mais do que publicidade. A tela ajuda a reciclar o …

Governo recua e deixa cair proposta sobre perda de férias em caso de baixa prolongada

O Governo recuou e deixou cair a proposta apresentada aos sindicatos que previa que os funcionários públicos mais antigos que estivessem de baixa prolongada perdessem dias de férias, disse esta quarta-feira o líder da Fesap, …

Marta Temido recusa ser "refém" de Centeno e anuncia maior concentração de Urgências até ao verão de 2020

"Eu nunca me senti refém [de Mário Centeno]. Tenho alguma dificuldade nessa leitura. Este reforço de meios também permitirá injetar mais confiança no sistema e criar respostas. Mas não considero que tenho estado refém do …

IVA da luz. Proposta do Governo foi afastada há um ano porque "não tinha enquadramento legal"

Em 2018, o Bloco de Esquerda apresentou a proposta da taxa reduzida do IVA da luz para um primeiro escalão de consumo. O Governo não fez o pedido a Bruxelas - como fez agora -, …