Malásia considera “ridícula” acusação que implica Rússia no caso do voo MH17

Fazry Ismail / EPA

O primeiro-ministro da Malásia classificou como “ridícula” a decisão de um comité internacional de acusar três russos e um ucraniano pela queda do voo MH17, em 2014, no leste ucraniano.

O primeiro-ministro da Malásia, Mahathir Mohamad, classificou esta quinta-feira como “ridícula” a decisão de um comité internacional de acusar três russos e um ucraniano pela queda do voo MH17, em 2014, no leste ucraniano, considerando-a uma medida política para visar Moscovo.

“Estamos muito descontentes porque desde o início tornou-se um assunto sobretudo político para saber como acusar a Rússia”, disse o primeiro-ministro em declarações à comunicação social, um dia depois de uma equipa internacional liderada pela Holanda, que investigou a queda do voo MH17, em julho de 2014, no leste da Ucrânia, com 298 pessoas a bordo, ter anunciado a identificação de quatro suspeitos: três russos (Sergei Doubinski, Igor Guirkine e Oleg Poulatov) e um ucraniano (Leonid Khartchenko).

Os quatro suspeitos vão ser julgados por homicídio em março de 2020 na Holanda, país que responsabiliza a Rússia pela participação na destruição do avião. “É ridículo”, acrescentou Mahathir Mohamad. “Naquilo que nos diz respeito, queremos provas de culpabilidade. Até agora não há provas. Apenas boatos.”

Em reação às declarações de Mohamad, o primeiro-ministro holandês, Mark Rutte, acusou hoje o seu homólogo malaio de ter “semeado a confusão” com as suas críticas. “Imagino que os familiares das vítimas devem ter ficado desapontados e que as críticas semearam muita confusão”, afirmou, em declarações aos jornalistas antes do início de uma reunião do Conselho Europeu, a decorrer esta quinta-feira e sexta-feira em Bruxelas.

Mark Rutte também referiu que o ministro dos Negócios Estrangeiros holandês irá contactar o Governo da Malásia a propósito das declarações de Mahathir Mohamad.

Também o Presidente russo, Vladimir Putin, afirmou que “não há provas” sobre a implicação da Rússia na queda do voo MH17 em 2014 no leste ucraniano, em reação à decisão do comité de investigação internacional, do qual também fazem parte peritos malaios.

“O que foi apresentado como provas de responsabilidade da Rússia, não nos convence absolutamente. Acreditamos que não há provas”, disse Putin à comunicação social, no final de uma sessão anual transmitida pela televisão durante a qual o chefe de Estado responde a perguntas do público russo.

O aparelho Boeing 777 da Malaysia Airlines despenhou-se em 17 de julho de 2014 quando sobrevoava um território controlado por separatistas pró-russos no leste ucraniano, cenário de um conflito armado. As 298 pessoas a bordo do avião que fazia a ligação Amesterdão–Kuala Lumpur – maioritariamente holandeses – morreram.

Segundo a Comissão Internacional de Investigação, que também integrou investigadores da Austrália, Bélgica, Malásia e Ucrânia, o aparelho da Malaysia Airlines foi abatido por um míssil proveniente da 53.ª brigada antiaérea russa, baseada em Kursk (oeste da Rússia).

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Riduculo é este palerma da Malásia estar preocupado com a Rússia, quando não faltam indícios que comprovam a acusação apresentada!!

RESPONDER

The Rock é o ator mais bem pago do mundo

A revista Forbes revelou esta quarta-feira a sua lista anual dos atores mais bem pagos do mundo. O primeiro lugar é ocupado por um repetente. Dwayne "The Rock" Johnson voltou a ser o ator mais bem …

Albânia demoliu restaurante do homem que perseguiu turistas no capô do carro

O dono de um restaurante ilegal na Albânia meteu-se em sérios apuros depois de ter perseguido uma família de turistas espanhóis, colocando-se no capô do carro onde seguiam e partindo o pára-brisas. O restaurante que …

Sensores de radiação da Rússia desligaram-se misteriosamente após recente explosão nuclear

Nas semanas após um acidente nuclear fatal num campo de tiro de armas navais em Nyonoksa, quatro sensores de partículas radioativas que enviavam dados do território russo para uma rede de monitorização internacional desligaram-se misteriosamente. As …

Zumba. O negócio milionário que começou com uma distracção de um colombiano

Foi uma distracção que levou o bailarino colombiano Beto Pérez a criar a zumba e a construir um dos negócios actuais com mais sucesso em todo o mundo, avaliado em mais de 450 milhões de …

Ligações a Jeffrey Epstein abalam um dos mais prestigiados laboratórios de tecnologia do mundo

O MIT Media Lab junta áreas que vão do design à robótica e é responsável pelas mais vanguardistas inovações do Massachusetts Institute of Technology, uma das mais reputadas universidades do mundo na área da tecnologia. Agora, …

Choveu água preta em São Paulo

Na tarde de segunda-feira um fenómeno climático transformou o dia em noite na cidade de São Paulo em plena tarde. E choveu água preta. Nas redes sociais há inúmeras imagens de copos, garrafas e baldes que …

Macron vai encontrar-se com iranianos para debater acordo nuclear

O Presidente da França, Emmanuel Macron, anunciou na quarta-feira que vai encontrar-se com representantes do Irão antes da reunião do G7, que decorre no próximo fim de semana, para trabalhar em propostas que salvaguardem o …

Pentágono confirma morte do filho de Osama bin Laden

O secretário de Defesa dos Estados Unidos (EUA), Mark Esper, confirmou a morte de Hamza bin Laden, filho e herdeiro do fundador da Al-Qaeda, Osama bin Laden. "Esse é o meu entendimento", disse Mark Esper, numa …

Homem detido por filmar por baixo das saias de mais de 550 mulheres no metro de Madrid

Um colombiano de 53 anos foi detido e ficou em prisão preventiva nesta quarta-feira, em Madrid, acusado de filmar vídeos por baixo das saias de mais de 550 mulheres — algumas menores — e publicá-los …

Tempo de espera nos CTT é principal causa de insatisfação dos clientes

Um inquérito da associação Deco a 1.800 clientes dos CTT revela que esperam, em média, 18 minutos para serem atendidos e que o tempo de espera é o que causa mais insatisfação. O inquérito realizado a …