Lockdown inglês não está a resultar. Boris não descarta a hipótese de confinar até ao verão

O confinamento em Inglaterra parece não estar a ser suficiente para fazer baixar o número de novas infeções e o Governo já pensa em estendê-lo até ao verão.

Os investigadores do Imperial College de Londres realizaram 142 mil testes entre 6 e 15 de janeiro e verificaram que depois de uma ligeira descida nos casos, o número de novas infeções estabilizou ou até aumentou ligeiramente.

Segundo o The Guardian, a média de sete dias registada esta quarta-feira era superior a 38 mil casos diários.

Paul Elliott, professor de Epidemiologia e Saúde Pública no Imperial College, considera que os dados recolhidos pela equipa mostram um quadro mais realista do que os números reportados diariamente, porque testam pessoas com regularidade e não apenas depois de apresentarem sintomas como acontece com os dados oficiais.

Os investigadores também registaram que as taxas de infeção são mais altas entre os 18 e os 24 anos (2,51%), mas mais do que duplicou entre o grupo etário mais vulnerável (0,94%), acima dos 65 anos.

Foi no início deste mês que o governo britânico avançou com um novo confinamento total, após ter sido detetada uma nova estirpe do Sars-CoV-2, mais contagiosa. E se a esperança era de que este regime pudesse ser levantado nos próximos meses, Boris Johnson antecipou que o confinamento no Reino Unido pode durar até ao verão.

“É muito cedo para dizer ou mesmo especular quando podemos suspender as restrições”, disse Priti Patel, citada pela Bloomberg. “Este país continua nas garras de uma pandemia”, avisou.

Ao mesmo tempo, quando questionado se o lockdown poderá durar até ao verão, Boris Johnson não descartou a hipótese, alertando que a estirpe britânica é “muito mais contagiosa” e que o Reino Unido enfrenta “inquestionavelmente um momento difícil” que vai durar “algumas semanas”.

O governo britânico decidiu ainda avançar com novas multas para quem seja apanhado em festas privadas

O Reino Unido tem em curso um programa de vacinação contra a covid-19 em massa, esperando vacinar 5 milhões de pessoas.

França vai obrigar viajantes europeus a apresentar teste

O Presidente da República, Emmanuel Macron, anunciou que os passageiros europeus que se desloquem a França para viagens não essenciais vão ter de apresentar um teste PCR negativo realizado no máximo 72 horas antes da chegada ao país.

A decisão do Presidente foi comunicada pelo Eliseu a diversos meios de comunicação franceses após as conclusões do Conselho Europeu dedicado à crise sanitária que reuniu os líderes europeus.

A medida vai entrar em vigor em França a partir de domingo à noite, mas os trabalhadores fronteiriços e trabalhadores dos transportes terrestres estão isentos de apresentar este teste.

Para viagens de ou para países externos à União Europeia, França já pede aos passageiros um teste PCR negativo e uma quarentena de sete dias.

Os líderes da União Europeia (UE) não chegaram a acordo sobre certificados de vacinação para facilitar viagens no espaço comunitário, anunciou a presidente da Comissão Europeia, apontando “questões em aberto” que serão respondidas na “altura certa”.

Imaginação na fuga ao confinamento holandês

Não são só os portugueses que arranjam estratégias para evitar ficar em casa durante o confinamento.

O medo de ser penalizado por não respeitar o recolher obrigatório levou os holandeses a procurar maneiras criativas de contornar as regras, com pessoas a contratar serviços de empréstimo de cães ou encomendando uniformes de empresas de entregas ao domicílio para poderem circular na rua.

Uma plataforma que cruza pessoas que precisam de ajuda para os seus animais de estimação com voluntários para os passear está completamente esgotado. “Normalmente recebemos dez ofertas por semana e desde terça-feira, quando anunciaram os planos para o recolher obrigatório que recebemos 300 propostas de voluntários”, revela Jos van Prooijen, que administra o site sem fins lucrativos.

A partir de sábado vai ser imposto um recolher noturno, entre as 21h e as 4h30 do dia seguinte, de maneira a tentar conter a pandemia. Esta é a primeira vez que tal acontece nos Países Baixos desde a Segunda Guerra.

As exceções são para quem trabalha em serviços essenciais, incluindo entrega de refeições ao domicílio, entrega de encomendas e quem precisa de levar animais de estimação para caminhadas ao ar livre, noticia o Público.

Ana Moura, ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Uma coisa não está a resultar, então prolonga-se. Esta cabeça é uma inteligência!.. Deve ser da água oxigenada ou do amoníaco.

  2. Não funcionou em Espanha ou Italia em Marco 2020, que depois de mês e meio de confinemento tinha os números a subir quase 900 mortos.
    Porque raio acham os Ingleses ou Portugueses que vai funcionar?

  3. Na Suécia não há grande confinamento, lockdown ou máscaras e estão a conseguir controlar melhor a pandemia do que em qualquer um destes países (ou Portugal). A maioria dos Governos está a aplicar medidas descabidas que nada (ou quase) nada fazem contra a pandemia mas que afetam muito as pessoas psicologicamente e economicamente. Estas medidas apenas mostram o desespero de Governos que não sabem o que fazer para parar a pandemia mas que querem mostrar que estão a fazer alguma coisa – patético.

RESPONDER

Baterias de lítio-enxofre melhores e mais baratas? O segredo é uma pitada de açúcar

Uma colher cheia de açúcar pode ser o suficiente para permitir que um veículo elétrico faça uma viagem de Melbourne a Sidney (878 km) com uma única carga. Atualmente, os automóveis elétricos e os telemóveis utilizam …

Parlamento aprova na generalidade mudança do TC para Coimbra. Oito socialistas votaram a favor

A proposta passou com votos contra do Chega e PAN, abstenção do PCP, BE, PEV e maioria da bancada do PS e votos favoráveis do PSD, CDS, IL e de oito deputados socialistas. O resultado já …

Escola da Amadora queria proibir minissaias, decotes e chinelos - mas já voltou atrás

Um Agrupamento na Amadora publicou um código de vestuário que acendeu um debate nas redes sociais devido às regras que controlavam mais as raparigas. Entretanto, a escola já voltou atrás na decisão. Segundo escreve o Jornal …

Governo francês vai dar 100 euros a famílias carenciadas para pagar energia

O Governo francês vai entregar um cheque de 100 euros a 5,8 milhões de famílias de menores recursos para ajudar a pagar a fatura energética. A medida anunciada pelo executivo vai ter um custo de 580 …

Incidência e R(t) recuam em dia com mais 1.023 infetados e sete mortes

Portugal registou, esta sexta-feira, 1.023 novos casos e sete mortes na sequência da infeção por covid-19, de acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde, Portugal …

Apoiantes de Navalny acusam Google e Apple de "censura" política

Os apoiantes de Alexei Navalny acusaram hoje as empresas Google e Apple de terem suprimido o apelo ao voto "útil" proposto pelo oposicionista através das respetivas plataformas, denunciando "censura" num processo eleitoral em que a …

Presidente da República argentino cancela viagens para impedir que vice assuma Governo

Cristina Kirchner é parceira maioritária na coligação de Governo e exige, entre outras mudanças, a substituição de ários ministros, secretários e presidentes de organismos públicos. Recentemente, tem mostrado em público o seu descontentamento face à …

"Bazuca" europeia não resolve problema da falta de habitação

De acordo com vários especialistas, as 26 mil casas identificadas como prio­ritárias pelo Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) não chegam para as necessidades do país, que podem chegar às 46 mil. A questão da aplicação …

Peça que terá sido usada no batismo de D.Maria II está à venda. Estado não a compra por ser demasiado cara

Há uma semana que está à venda uma peça que pertenceu à coroa portuguesa. Terá pertencido à família real depois do Terramoto de 1755 e, de acordo com o antiquário que agora a comercializa, terá …

"Dupla pancada". Vítimas de violência doméstica são deixadas ao abandono sem indemnização

Mais de 80% das vítimas de violência doméstica, a maioria mulheres, não recebem indemnizações, nem dos agressores nem do Estado. Se as vítimas não tiverem sofrido uma incapacidade para o trabalho por um período igual ou …