Líderes catalães detidos já não querem independência a qualquer custo

Já nenhum dos quatro líderes independentistas catalães detidos em Madrid defende a via unilateral para conseguir a independência da Catalunha.

Ontem à noite, Jordi Sánchez, ex-líder da associação Assembleia Nacional Catalã, Jordi Cuixart, presidente da Ómnium Cultural, e Joaquim Forn, à frente da pasta do Interior no último governo catalão, juntaram-se a Oriol Junqueras e renunciaram à via unilateral diante do juiz da Audiência Nacional.

Sánchez e Forn, deputados eleitos, foram ainda mais longe, dizendo que deixam o lugar no Parlamento caso o Junts per Catalunya insista nesse caminho, avança o Diário de Notícias.

Os três admitiram ainda no novo interrogatório de Pablo Llarena que o referendo de 1 de outubro não tem qualquer efeito legal.

O “único” referendo válido será o que for convocado pelo governo de Espanha, disse Cuixart ao juiz, segundo as fontes da defesa citadas pelos jornais espanhóis. Além disso, reconheceu que a declaração unilateral de independência foi meramente “simbólica”.

Os dois Jordis, como são conhecidos, foram detidos a 16 de outubro, sendo investigados por sedição nas manifestações prévias ao referendo. Ambos defenderam que os protestos nunca foram violentos e que sempre trabalharam para que fossem pacíficos.

Por seu lado, Forn admitiu ter participado no referendo sabendo que era “ilegal”. Mesmo dizendo não renunciar à independência, alegou que esta não pode ser conseguida de forma unilateral, mas por vias constitucionais.

O ex-conseller disse que recusará um pedido para entrar para o próximo governo. Os três detidos – Junqueras não foi ouvido ontem – pediram a Llarena para serem libertados, com os dois deputados a reiterar que querem assumir os seus novos cargos.

Oriol Junqueras já tinha dito ainda que “segundo o artigo 4.1 do Regulamento do Parlamento, os deputados devem assistir aos debates e votações do plenário” porque “são “insubstituíveis” e o seu voto é “indelegável”.

Assim, fica derrubado o plano da Juntos pela Catalunha: conseguir que o seu candidato, Puigdemont, faça o discurso de investidura a partir de Bruxelas ou que o delegue num deputado da sua lista a leitura da sua mensagem no hemiciclo.

ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Ao ponto que isto chegou, afinal é o dito pelo não dito. Realmente as ditaduras ainda prevalecem e derruba valores intrínsecos.
    São por estas e outras tantas razões, que não acredito em políticos, na política, do que hoje é verdade amanhã é uma miragem.

  2. Por vezes, parece que os ZES NINGUÉM DA POLÍTICA, como eu me considero, percebem mais do que os políticos profissionais. Já se sabia que o problema Catalão ia acabar como acabou. Os intervenientes presos e a, suposta independência, suspensa, sine die. Pois, se a constituição Espanhola, não permite independências, veja-se o caso Vasco, como é que são tão ceguinhos que se lançam nessa aventura. Estragaram o seu futuro como políticos e, agora, com o rabinho entre as pernas, abandonam barco. E, a meu ver, com muita sorte, porque se tivesse de intervir o exército, seria o seu fim. Ganhem juízo e obtenham mais e mais autonomia.

  3. “Acagaçaram—se”. Os catalães até podem ser ricos e cultos mas faltam lhes tomates e, mais uma vez, vacilaram perante as históricas tentações franquistas de Espanha! Por estas e por outras eles nunca conseguiram ser um Estado.

RESPONDER

Vem aí chuva de poeiras vindas do Norte de África

Este fim de semana, o sul de Portugal pode enfrentar uma chuva carregada de poeiras vindas do Norte de África. O IPMA explica que se trata apenas de uma deposição. Uma chuva de poeiras pode atingir …

Marcelo deverá vetar mudança de género aos 16 anos

O Presidente da República deverá vetar a lei que permite a mudança de género no registo civil aos 16 anos, por questionar não ser necessário um relatório médico. Marcelo Rebelo de Sousa deverá vetar a lei …

Nacionalidade automática para filhos de imigrantes há 2 anos em Portugal

Os filhos de imigrantes que vivam em Portugal há dois anos vão ser considerados portugueses originários, a não ser que declarem que não querem ser portugueses. Esta alteração vai "inverter a atual regra" e irá encurtar …

Eleições de 2019 com plano europeu para travar perturbações nas redes sociais

Em 2019, o objetivo central dos técnicos da "sala de situação" é proteger as infraestruturas de apoio ao processo eleitoral, nas europeias e as legislativas, ainda sem data marcada. O cenário internacional tem sido marcado pela …

PSD dá a Costa espaço para reformar o SNS sem o Bloco

O ministro-sombra da saúde de Rui Rio, Luís Filipe Pereira, está a preparar um documento estratégico sobre o SNS. O PSD pretende, assim, ir a jogo na discussão sobre o futuro do Serviço Nacional de Saúde. A …

O Benfica criou um plano para mandar no futebol português

Emails revelados pelo blogue do "Mercado de Benfica" mostram que os quadros do clube debateram entre si uma estratégia a cinco anos para influenciar e dominar as "diferentes áreas do poder da indústria" do futebol português, …

Governo admite baixar portagens para SUVS e crossovers

O ministro Pedro Marques admite passar carros SUV e crossover de classe 2 para 1 nas portagens, afirmando que a atual classe 2 "pode ser um bloqueio a viaturas mais eficientes". O ministro do Planeamento, Pedro …

Portugal continua no caixote do lixo da Moody’s

A Moody's não se pronunciou sobre a notação de crédito de Portugal. Nos próximos seis meses, continuará a ser a única agência a manter o país abaixo do "grau de investimento". A agência de notação financeira …

Consultor Constantino Sakellarides demite-se em divergência com ministro da Saúde

O consultor do ministro da Saúde, Constantino Sakellraideser, entregou, na quinta-feira, uma carta de demissão a Adalberto Campos Fernandes devido a divergências de pensamento. Constantino Sakellarides, o consultor do ministro da Saúde que, há dois anos, …

Kim Jong-un anuncia suspensão de testes nucleares e balísticos

O regime norte-coreano anunciou a suspensão dos testes nucleares a partir de sábado e o desmantelamento da base de Punggye-ri. Este gesto foi bem recebido pelos EUA e aliados, embora não dê indicação de que …