Justiça obriga 136 políticos a corrigirem rendimentos

Manuel de Almeida / Lusa

O Ministério Público controlou riqueza de 639 titulares de cargos políticos no ano passado. Juntamente com o Tribunal Constitucional, obrigou 136 políticos a corrigirem as declarações de rendimentos.

Por causa das falhas no cumprimento da lei que controla a riqueza dos titulares de cargos políticos, o Parlamento quer reforçar o controlo. Porém, segundo avança o Correio da Manhã, “os deputados estão a criar uma ilusão de reforço da fiscalização que, na verdade, não é eficaz e aponta para um problema errado“, disse o presidente da Transparência e Integridade, Associação Cívica.

Para João Paulo Batalha, “se, neste momento, não há meios para fiscalizar as declarações de cerca de 18 mil políticos, no futuro, muito menos meios vai haver com o alargamento das obrigações de entrega das declarações a magistrados, chefes de gabinete e consultores do Governo.”

A Procuradoria-Geral da República revelou ao CM que, “em 2018, foram recebidos 639 processos respeitantes a titulares de cargos políticos, envolvendo, cada um desses processos, a análise de várias declarações de rendimentos dos respetivos titulares.”

Na sequência deste trabalho, “foram enviados 136 ofícios a titulares de cargos políticos para completarem as respetivas declarações ou prestarem esclarecimentos adicionais”, explicou ao mesmo jornal.

A esses políticos, o Ministério Público solicitou, segundo a PGR, esclarecimentos, “essencialmente, sobre património imobiliário, carteiras de títulos, contas bancárias a prazo e aplicações financeiras equivalentes, passivo e cargos sociais exercidos.”

Os imóveis e as poupanças são as áreas do património em que os políticos e os gestores públicos deixam mais lacunas e omissões nas declarações de rendimentos apresentadas. São inúmeras as declarações de rendimentos em que os políticos e os gestores públicos deixam incompletas as informações sobre os imóveis e deixam completamente em branco o espaço relativo ao preenchimento das suas poupanças financeiras.

A fim de obrigar os políticos e gestores públicos a cumprirem a lei do controlo da riqueza, a comissão parlamentar para o Reforço da Transparência elaborou uma proposta que prevê a aplicação de uma pena de prisão até três anos, a obrigação da entrega da declaração de rendimentos três anos após o termo do mandato e o alargamento da obrigatoriedade da entrega dessa declaração a magistrados, membros executivos de direções nacionais de partidos e chefes de gabinetes de membros dos governos nacional e regionais.

Para o presidente da associação cívica TI – PT a Assembleia da República quer criar “uma moldura penal para um crime que não existe, porque todos os políticos entregam a declaração de rendimentos mas fazem-no muitas vezes com omissões“.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

"A lei não pode exigir esse tipo de heroísmo". Presidente polaco recua na oposição ao aborto

O Presidente da Polónia defendeu esta quinta-feira que as próprias mulheres deveriam ter o direito de abortar em caso de fetos com problemas congénitos, rompendo com a liderança conservadora, que apoiou uma proibição que levou …

Advogados ligados à PLMJ contestam interesse público de revelações de Rui Pinto

A invocação de interesse público dos documentos e das informações expostas por Rui Pinto na Internet foi contestada, esta quarta-feira, por advogados ligados à sociedade PLMJ, na 18.ª sessão do julgamento do processo "Football Leaks". Na …

Microempresas do turismo do Norte com maior adesão a apoios

As microempresas de turismo do Norte foram as que mais dinheiro receberam da linha de apoio à tesouraria criada em resposta ao impacto da pandemia nesse setor, ficando com 29,3% (15,3 milhões de euros) do …

Migrantes marroquinos "desesperados e assustados" em greve de fome. Entre eles está uma mulher grávida

Seis dos migrantes marroquinos que chegaram ilegalmente em setembro estiveram em greve de fome, entre os quais uma grávida. Dizem não serem autorizados a falar com as famílias há mais de 40 dias. O protesto é …

TAP precisa de mais de 100 milhões por mês até final de 2020

O Plano de Tesouraria da TAP para 2020 revela que a empresa precisa, em média, mais de 100 milhões de euros por mês até ao final do ano para suprir as necessidades de liquidez. De acordo …

Fafe declara estado de emergência municipal devido à "rapidez" da propagação da covid-19

O concelho de Fafe está em estado de emergência municipal devido à “evolução grande” do número de infetados com o novo coronavírus e à “rapidez” da propagação, anunciou o presidente da Câmara. Em vídeo publicado nas …

Ameaça iminente. FBI alerta que hackers vão atacar sistema de saúde dos Estados Unidos

O Departamento Federal de Investigação (FBI) e duas agências federais anunciaram que cibercriminosos estão a desencadear um grande ataque de resgate contra o sistema de saúde dos Estados Unidos. Num alerta conjunto, o FBI e duas …

Multidão para ver ondas gigantes na Nazaré. Câmara corta acesso ao Farol

A Câmara e a Capitania da Nazaré decidiram cortar o acesso pedonal à estrada do Farol, para conter a excessiva concentração de público que assiste às ondas gigantes e garantir condições de segurança, informou o …

"Os números falam por si". Fauci critica reação dos Estados Unidos à pandemia e politização das máscaras

O principal epidemiologista norte-americano, Anthony Fauci, criticou a política errática do Governo do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em relação à covid-19, e lamentou o escasso uso de máscaras devido a motivações políticas. Durante uma …

Turistas podem circular entre concelhos apesar das restrições

Apenas os turistas estão autorizados a circular entre concelhos, apesar das restrições que vigoram entre 30 de outubro e 3 de novembro, indicou a AHRESP, citando um esclarecimento do Executivo. Segundo o esclarecimento enviado pelo gabinete …