Joacine Katar Moreira defende mais direitos para deputados não inscritos em partidos

Miguel A. Lopes / Lusa

Joacine Katar Moreira e Rui Tavares

A deputada única do Livre, Joacine Katar Moreira, defendeu nesta sexta-feira o alargamento dos direitos regimentais dos deputados não inscritos em partidos, durante uma reunião do grupo de trabalho para racionalizar os votos objecto de deliberação em plenário parlamentar.

Joacine Katar Moreira assumiu esta posição já no final da reunião, quando estava em discussão uma proposta que partiu do deputado da Iniciativa Liberal (IL), João Cotrim de Figueiredo, sobre a possibilidade de um voto subir diretamente a plenário se fosse subscrito por mais do que um partido – uma solução depois afastada pelo PS e PCP.

Segundo noticiou a agência Lusa, a deputada única do Livre referiu que o Regimento da Assembleia da República, nesta questão da apresentação de votos diretamente para plenário do Parlamento, deveria contemplar os deputados não inscritos, sem qualquer ligação a partidos.

O vice-presidente da Assembleia da República e dirigente do Bloco de Esquerda (BE) José Manuel Pureza pôs toda a sala a rir quando, logo a seguir, perguntou: “Isso é uma antecipação de alguma coisa, senhora deputada?”.

“Antecipação nenhuma, senhor deputado, é uma hipótese”, argumentou Joacine Katar Moreira, que tem protagonizado divergências públicas com dirigentes do Livre, partido que já ameaçou retirar-lhe a confiança política – o que implicaria que ficasse no Parlamento como deputada não inscrita.

Antes, o deputado do Chega, André Ventura, abandonara a reunião na altura em que o grupo de trabalho falava sobre racionalizar o número e o tipo de votos que são apresentados para deliberação em plenário da Assembleia da República.

André Ventura, que esteve presente pouco mais de 30 minutos numa reunião que durou mais de duas horas, logo que pediu a palavra ao coordenador deste grupo de trabalho, o socialista Pedro Delgado Alves, acusou os maiores partidos de estarem “a tentar matar a política”, burocratizando um direito de apresentação de votos.

Dados apresentados pelo deputado José Manuel Pureza no início da reunião mostram que, na anterior legislatura (em quatro anos), subiram a plenário 886 votos. E só nesta primeira sessão legislativa (que começou em final de outubro) já entraram 164.

Ou seja, para BE, PS, PCP, PSD, IL e Livre, é preciso acabar com “a banalização” dos votos – uma posição contestada pelo PAN e fortemente criticada pelo Chega.

Mário Cruz / Lusa

O deputado do Chega, André Ventura

Sem se referir a esses dados avançados por José Manuel Pureza, André Ventura preferiu antes apontar que as maiores forças políticas já antes tinham estado “numa tentativa silenciamento” e de “corte do direito à palavra” no início da presente legislatura.

André Ventura afirmou mesmo estranhar “o posicionamento” dos outros deputados únicos neste processo de revisão do regimento: João Cotrim de Figueiredo, do IL, e Joacine Katar Moreira, do Livre.

Joacine Katar Moreira reagiu depois a essa referência do deputado do Chega, dizendo-lhe repetidamente “ética, ética, senhor deputado”, com André Ventura a ripostar: “A senhora deputada pode não gostar dos nossos votos, pode considerá-los racistas ou extremistas, mas são os votos do Chega, e devem ser avaliados”.

O deputado do Chega, na sua intervenção, visou sobretudo o coordenador do grupo de trabalho, o vice-presidente da bancada socialista Pedro Delgado Alves.

“O PS quer dar-nos um voto potestativo por sessão legislativa, mas o PS que tenha a coragem de assumir que nos quer dar zero. Os senhores usam o argumento que o plenário do Parlamento não tem tempo para os votos, mas que argumento delicioso. Não tem tempo?”, perguntou, levantando o seu tom de voz.

Pedro Delgado Alves, logo a seguir, contrapôs que, ao contrário do que acusara André Ventura, “não está em cima da mesa nenhuma proposta para limitar o direito de cada deputado apresentar votos, estando isso sim em causa o local em que esses votos são apreciados, o plenário ou em comissão”.

“Na Assembleia da República, é tão relevante o trabalho em plenário como o trabalho em comissão”, alegou.

O deputado do PSD Pedro Rodrigues referiu-se por duas vezes em tom muito crítico ao comportamento de André Ventura. Lamentou que, ao fim de meia hora de reunião, o deputado ainda não estivesse presente na sala e criticou a sua posição em relação ao Regimento da Assembleia da República e à própria Constituição da República.

“Teria sido interessante se o professor de Direito Constitucional André Ventura tivesse ouvido a intervenção aqui proferida pelo deputado André Ventura”, comentou com ironia o deputado social-democrata.

Lusa //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. É uma “antecipação a hipótese, de uma certeza absoluta”……… Já nos fez tanto rir e enjoar, que sabendo que vai levar um chuto no traseiro por parte do Livre, vem agora com esta fabulosa revindicação. Que pessoa tão asquerosa !

RESPONDER

Estúdios de tatuagens podem reabrir na segunda-feira

Os estúdios de tatuagens e de ‘bodypiercing’ vão poder reabrir na segunda-feira juntamente com outros serviços de atendimento ao público e comerciais, mas terão de funcionar mediante marcação prévia e cumprindo as regras sanitárias. Na resolução …

As rãs de cristal revelaram uma nova forma de camuflagem

As rãs de cristal são bem conhecidas pela sua pele transparente, mas, até agora, o motivo desta curiosa característica não tinha recebido atenção experimental. Uma equipa de cientistas da Universidade de Bristol, no Reino Unido, da …

Pescador encontra destroços de navio que terá naufragado há mais de 200 anos

Arqueólogos mexicanos localizaram os destroços de um navio na costa do estado de Quintana Roo, no México, e acreditam que o mesmo terá naufragado há mais de 200 anos. De acordo com a BBC, o naufrágio …

Bloco apoia travão ao desconfinamento na região de Lisboa

O Bloco de Esquerda apoiou o adiamento do levantamento de restrições impostas pela pandemia na região de Lisboa e Vale do Tejo, destacando que é importante aumentar a vigilância nas empresas de construção e trabalho …

Descoberto "cemitério" de mamutes nos arredores da Cidade do México

Investigadores descobriram um "cemitério" com cerca de 60 mamutes nos arredores da Cidade do México, avança o Instituto Nacional de Antropologia e História (INAH) do país. De acordo com o site Live Science, a descoberta aconteceu, …

David Luiz confirma rumores. Regresso "vai acontecer se o presidente permitir e os adeptos quiserem"

David Luiz confirmou este sábado os rumores que davam conta que o Benfica e o jogador estavam a negociar um eventual regresso do brasileiro à Luz. Em entrevista ao desportivo Record, David Luiz confirmou a …

Cães treinados para proteger animais selvagens salvam 45 rinocerontes

Há inúmeras razões que explicam o motivo pelo qual os cães são conhecidos como o melhor amigo do Homem. Além de leais e inteligentes, dão sempre o corpo às balas, mesmo nos piores momentos. Quarenta e …

Fez-se história. Foguetão da SpaceX lançado com sucesso rumo à EEI

O primeiro foguetão concebido e construído por uma empresa privada, a SpaceX, de Elon Musk, levando a bordo dois astronautas foi lançado este sábado na presença do Presidente do Estados Unidos, Donald Trump. O lançamento decorreu …

"A Rússia não permitirá a privatização da Lua", avisa Roscosmos

A Rússia não permitirá a privatização da Lua, independentemente de quem avance a iniciativa, avisou o chefe da agência espacial russa (Roscosmos), Dmitri Rogozin, em entrevista ao jornal Komsomólskaya Pravda. "Não permitiremos que ninguém privatize a …

Plataforma flutuante extrai energia das ondas, do vento e do Sol

A empresa alemã Sinn Power criou uma plataforma marítima flutuante capaz de gerar energia renovável a partir de ondas, vento e energia solar. A plataforma híbrida combina turbinas eólicas, painéis solares e coletores de energia das …