Joacine Katar Moreira defende mais direitos para deputados não inscritos em partidos

Miguel A. Lopes / Lusa

Joacine Katar Moreira e Rui Tavares

A deputada única do Livre, Joacine Katar Moreira, defendeu nesta sexta-feira o alargamento dos direitos regimentais dos deputados não inscritos em partidos, durante uma reunião do grupo de trabalho para racionalizar os votos objecto de deliberação em plenário parlamentar.

Joacine Katar Moreira assumiu esta posição já no final da reunião, quando estava em discussão uma proposta que partiu do deputado da Iniciativa Liberal (IL), João Cotrim de Figueiredo, sobre a possibilidade de um voto subir diretamente a plenário se fosse subscrito por mais do que um partido – uma solução depois afastada pelo PS e PCP.

Segundo noticiou a agência Lusa, a deputada única do Livre referiu que o Regimento da Assembleia da República, nesta questão da apresentação de votos diretamente para plenário do Parlamento, deveria contemplar os deputados não inscritos, sem qualquer ligação a partidos.

O vice-presidente da Assembleia da República e dirigente do Bloco de Esquerda (BE) José Manuel Pureza pôs toda a sala a rir quando, logo a seguir, perguntou: “Isso é uma antecipação de alguma coisa, senhora deputada?”.

“Antecipação nenhuma, senhor deputado, é uma hipótese”, argumentou Joacine Katar Moreira, que tem protagonizado divergências públicas com dirigentes do Livre, partido que já ameaçou retirar-lhe a confiança política – o que implicaria que ficasse no Parlamento como deputada não inscrita.

Antes, o deputado do Chega, André Ventura, abandonara a reunião na altura em que o grupo de trabalho falava sobre racionalizar o número e o tipo de votos que são apresentados para deliberação em plenário da Assembleia da República.

André Ventura, que esteve presente pouco mais de 30 minutos numa reunião que durou mais de duas horas, logo que pediu a palavra ao coordenador deste grupo de trabalho, o socialista Pedro Delgado Alves, acusou os maiores partidos de estarem “a tentar matar a política”, burocratizando um direito de apresentação de votos.

Dados apresentados pelo deputado José Manuel Pureza no início da reunião mostram que, na anterior legislatura (em quatro anos), subiram a plenário 886 votos. E só nesta primeira sessão legislativa (que começou em final de outubro) já entraram 164.

Ou seja, para BE, PS, PCP, PSD, IL e Livre, é preciso acabar com “a banalização” dos votos – uma posição contestada pelo PAN e fortemente criticada pelo Chega.

Mário Cruz / Lusa

O deputado do Chega, André Ventura

Sem se referir a esses dados avançados por José Manuel Pureza, André Ventura preferiu antes apontar que as maiores forças políticas já antes tinham estado “numa tentativa silenciamento” e de “corte do direito à palavra” no início da presente legislatura.

André Ventura afirmou mesmo estranhar “o posicionamento” dos outros deputados únicos neste processo de revisão do regimento: João Cotrim de Figueiredo, do IL, e Joacine Katar Moreira, do Livre.

Joacine Katar Moreira reagiu depois a essa referência do deputado do Chega, dizendo-lhe repetidamente “ética, ética, senhor deputado”, com André Ventura a ripostar: “A senhora deputada pode não gostar dos nossos votos, pode considerá-los racistas ou extremistas, mas são os votos do Chega, e devem ser avaliados”.

O deputado do Chega, na sua intervenção, visou sobretudo o coordenador do grupo de trabalho, o vice-presidente da bancada socialista Pedro Delgado Alves.

“O PS quer dar-nos um voto potestativo por sessão legislativa, mas o PS que tenha a coragem de assumir que nos quer dar zero. Os senhores usam o argumento que o plenário do Parlamento não tem tempo para os votos, mas que argumento delicioso. Não tem tempo?”, perguntou, levantando o seu tom de voz.

Pedro Delgado Alves, logo a seguir, contrapôs que, ao contrário do que acusara André Ventura, “não está em cima da mesa nenhuma proposta para limitar o direito de cada deputado apresentar votos, estando isso sim em causa o local em que esses votos são apreciados, o plenário ou em comissão”.

“Na Assembleia da República, é tão relevante o trabalho em plenário como o trabalho em comissão”, alegou.

O deputado do PSD Pedro Rodrigues referiu-se por duas vezes em tom muito crítico ao comportamento de André Ventura. Lamentou que, ao fim de meia hora de reunião, o deputado ainda não estivesse presente na sala e criticou a sua posição em relação ao Regimento da Assembleia da República e à própria Constituição da República.

“Teria sido interessante se o professor de Direito Constitucional André Ventura tivesse ouvido a intervenção aqui proferida pelo deputado André Ventura”, comentou com ironia o deputado social-democrata.

Lusa //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. É uma “antecipação a hipótese, de uma certeza absoluta”……… Já nos fez tanto rir e enjoar, que sabendo que vai levar um chuto no traseiro por parte do Livre, vem agora com esta fabulosa revindicação. Que pessoa tão asquerosa !

Em Itália, todos os alunos vão passar de ano. Mas serão avaliados

A Itália decidiu que que todos os alunos vão passar de anos, mas que serão avaliados, avançou na segunda-feira o Governo daquele país, que esteve reunido em Conselho de Ministros. "Pensamos em duas opções que possibilitarão …

Redução de 3% na eletricidade para o mercado regulado entra em vigor esta terça-feira

A descida do preço da tarifa aplicada no mercado regulado de cinco euros por megawatt/hora (MWh), ou seja, uma redução de aproximadamente 3% no total da fatura de eletricidade dos consumidores, entra esta terça-feira em …

Em termos económicos estamos pior que "numa situação de guerra", diz Daniel Bessa

“Na recuperação da economia não podemos esperar uma fase ascendente tão rápida. Vamos ter uma recuperação mais lenta", alerta o economista Daniel Bessa. O economista Daniel Bessa considera que a atual situação económica, decorrente da pandemia, …

Escolas não devem reabrir em abril

Esta terça-feira ao início da tarde, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, admitiu que as escolas vão manter-se fechadas até ao final de abril. Marcelo Rebelo de Sousa esteve reunido, esta terça-feira, com especialistas …

Câmara de Comércio e Governo criam gabinete de apoio às empresas

A Câmara de Comércio e Indústria (CCIP) e o Governo criaram um gabinete de apoio às empresas para esclarecer e facilitar o acesso das companhias às ajudas lançadas pelo executivo. Segundo noticiou a TSF, a estrutura, …

Tragédia continua. Encontrado corpo de sobrinha-neta de John F. Kennedy

O corpo da sobrinha-neta do ex-Presidente norte-americano John F. Kennedy, que estava desaparecida com o filho desde quinta-feira, foi encontrado na segunda-feira, informaram esta terça-feira os meios de comunicação norte-americanos. Maeve Kennedy Townsend McKean, de 40 …

Jornal Económico e A Bola avançam para regime de lay-off

O Jornal Económico e o desportivo A Bola vão avançar para o regime de lay-off devido a quebras significativas nas vendas e publicidade desencadeadas pela pandemia de covid-19, que já fez mais de 300 vítimas …

Moratória nos créditos à habitação não suspende Seguros (e pode ter que os pagar durante mais tempo)

A suspensão dos pagamentos dos empréstimos do Crédito à Habitação, por parte dos clientes bancários que queiram aderir à moratória aprovada pelo Governo, pode não travar os pagamentos dos Seguros de Vida e Multi-riscos que …

Espanha poderá ser o primeiro país na Europa a avançar com rendimento básico universal

A ministra da Economia espanhola assegurou, este domingo, que o Governo está a trabalhar para aplicar o rendimento básico universal, embora não tenha dado ainda uma data concreta. Em declarações ao canal televisivo laSexta, a ministra …

Presidente revela que não está imune e é contra "descompressão" de medidas em abril

O Presidente da República revelou numa entrevista esta terça-feira divulgada pela Antena 1 que já fez um dos novos testes sorológicos para detetar a presença de anticorpos para o novo coronavírus e não está imunizado. "Depois …