Jerónimo exige salário mínimo de 600 euros e fim de cortes do tempo de Sócrates

Tiago Petinga / Lusa

O secretário-geral do Partido Comunista Português (PCP) e líder da CDU, Jerónimo de Sousa

O secretário-geral do Partido Comunista Português (PCP) e líder da CDU, Jerónimo de Sousa

O PCP defende o aumento do salário mínimo para 600 euros já no próximo ano e a reposição dos apoios sociais perdidos desde 2010.

Os comunistas estivera reunidos durante três horas, esta quarta-feira à noite, com uma delegação do Partido Socialista liderada por António Costa e que integrava também Carlos César, Ana Catarina Mendes e Pedro Nuno Santos, um encontro que não foi oficialmente anunciado nem pelo PS nem pelo PCP.

Apesar de ainda não se saber não haver fumo branco à vista, a posição do PCP sobre as negociações parece vir de um comunicado emitido ontem pelo Partido Comunista, que começou a distribuir novos folhetos com o seu programa.

Na nova campanha de esclarecimento, o partido resume como propostas a defender no imediato a valorização dos salários, pensões e reformas, “com devolução do que foi roubado”, o aumento do salário mínimo nacional para 600 euros em 2016 e a reposição da proteção e dos apoios sociais perdidos em 2010.

Esta quarta-feira, houve alguma especulação na imprensa sobre alegados entendimentos já alcançados nas negociações à esquerda. À noite, numa entrevista à SIC, a porta-voz do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, afirmou estar “certa de que sim”, haverá um acordo entre as esquerdas, cujo conteúdo será claro no máximo na próxima terça-feira – o Parlamento votar o programa do novo governo da coligação.

Catarina Martins não revelou os termos do acordo – que “é complexo” – nem se comprometeu com a possibilidade de os partidos envolvidos nas negociações subscreverem em conjunto uma única moção de rejeição.

A porta-voz bloquista descreveu que as negociações estão a ser conduzidas “dentro do quadro macroeconómico do PS”, ou seja, centrando-se nas imposições do Tratado Orçamental – às quais tanto o BE como o PCP se opõem.

No entanto, no que toca ao aumento do salário mínimo nacional para os 600 euros já em 2016, por exemplo, trata-se de uma medida que o BE também defendia mas que agora já admite que aconteça de forma mais gradual e concertada.

“Honrará os seus compromissos”

O PCP avança ainda como causas a defesa da contratação coletiva e reposição dos direitos individuais e coletivos retirados nas sucessivas revisões do Código do Trabalho, o combate à precariedade, o acesso à saúde e à educação e uma política fiscal justa que reduza os impostos sobre os trabalhadores e o povo e tribute fortemente lucros e dividendos do grande capital.

De entre as propostas do partido comunista encontram-se também a renegociação da dívida, o financiamento da segurança social, a reversão das privatizações, designadamente nos transportes e a revogação das alterações à Lei da IVG.

“É neste quadro que o PCP está a trabalhar e a intervir, e a discutir com o PS, para assegurar as respostas e soluções que deem expressão à aspiração dos trabalhadores e do povo a uma vida melhor”, refere o folheto.

Com estes pontos, o PCP assume como objetivos fundamentais de uma “política que se proponha inverter o rumo de declínio económico e retrocesso social”, promovendo o crescimento económico, o emprego e a produção nacional, garantindo as funções sociais do Estado e os serviços públicos.

No folheto, o PCP reafirma que “está claro” que PSD e CDS “estão condenados a ver derrotada no dia 10 de novembro a ambição de prosseguir a sua política de saque do povo e do país”.

“PSD e CDS foram derrotados pela luta e pelo voto. Dia 10 o seu governo agora formado e o respetivo programa, como o PCP afirmou na primeira hora, deverão ser rejeitados na Assembleia da República“, pode ler-se no documento.

Hoje, no editorial do Avante, jornal oficial do PCP, fala-se numa “base institucional” existente no parlamento capaz de concretizar um conjunto de medidas, e que “permitirá ir tão longe quanto for a disposição política que a compõe”.

No editorial, é assumido que o PCP “não faltará com o apoio a qualquer medida que corresponda aos seus [dos trabalhadores e do povo] interesses, à elevação dos seus rendimentos e à reposição dos seus direitos”.

Por outro lado, garante-se que os membros do partido no parlamento não vão assegurar “as medidas e políticas que atentem contra os interesses e direitos” dos trabalhadores e do povo.

Revela ainda o editorial que o PCP “honrará os seus compromissos”, cumprindo as iniciativas legislativas sobre a reposição das 35 horas na administração pública, a revogação das alterações à lei da IVG, a reposição do complemento de pensão nas empresas do setor empresarial do Estado e o restabelecimento dos feriados nacionais que foram retirados.

ZAP / Lusa

PARTILHAR

8 COMENTÁRIOS

  1. Estes fanáticos querem fazer o país recuar 40 anos até 1975 e fazer-nos empobrecer todos. Vão levar o país mais uma vez à banca rota e a nova dose de austeridade dupla.
    O comunismo soviético já acabou há 25 anos e estes sovietes do PCP já deviam ter acabado também.

  2. A máscara começa a cair e já começamos a ver onde Costa nos quer levar. O seu egoísmo e sede de poder vai fazer o pais retroceder 20 anos. Tal como as promessas de Sócrates nos fizeram recuar 10 anos . Será isto que queremos? Dar um pouco a meia dúzia deles para depois retirarem muito a todos. Será que as migalhas que Sócrates deu valeram o sacrifício que fizemos nos últimos anos ?

  3. Quem é que não quer um estado mais social?!
    Mas sejamos sérios, não podemos ver apenas uma parte da realidade, que neste caso é apenas a parte do “dar”!
    Para o estado dar, ou tem para dar, ou então tem que pedir emprestado.
    Partindo do pressuposto de que o programa económico do PS se preocupa com o futuro do pais e que não iremos entrar noutra fase de endividamento descontrolado, que impostos é que terão que ser aumentados para cobrir este aumento de despesa?
    … é que em Portugal, os impostos que mais rendem ao estado são aqueles que incidem sobre quem trabalha!

  4. Lamentavelmente andamos a falar do sexo dos anjos (não é descobrir).Se fizessem uma auditoria séria ao país,desde 1974 , a partir daí podíamos arrumar a casa.Se explicarem limpinho,limpinho ,quais os lucros da banca,Santa casa da Misericórdia,impostos sobre tabaco ,combustíveis,auto estradas,fundos comunitários a fundo perdido,etc…etc…expliquem ao povo,(utilizem a TV ou qualquer outro órgão de comunicação acessível e gratuito )porque o povo não é burro nem parvos e se tiverem coragem de por as contas na mesa, e explicarem porque é que o dinheiro vai sempre no mesma sentido,porque é que com a apregoada democracia ,liberdade e outros nomes pomposos, o povo trabalhador, os pequenos e médios empresários,trabalham quase 24 horas/dia para estarem cheios de dores de cabeça,dívidas e sem prospectivas de melhoras no futuro. É simples, peço encarecidamente a algum politico honesto que se manifeste e teremos pano para mangas para debater todas as situações de interesse Nacional

  5. gostava de saber o ordenado ou reforma dos críticos anteriores não deve ser o ordenado mínimo de certeza o povo discute cêntimos e eles roubam milhões.
    E já agora acreditam mesmo que foram os trabalhadores que arruinaram este País.

  6. A história recente já tem um herói Sorumbático mas herói de cenoura na mão quase toda comida por a.costa e só não foi toda porque o velhote tirou-lhe o resto da boca. A.Costa em nome do PS com a língua de fora…

  7. A.COSTA e o PS a preparar sem honra a cama da subalternidade face ao BE e PCP… A três, quentinha, até que as glândulas sudoríferas a desfaça… Pela força do pivete em redor!

Elon Musk lança concurso para ver quem consegue bater um caracol

O multimilionário, através da sua empresa especializada em construção de túneis, lançou um concurso mundial para ver quem é capaz de bater um caracol. De acordo com o jornal Daily Mail, Elon Musk lançou um concurso …

Covid-19. Tóquio quer pagar até quatro mil euros a bares que fiquem fechados

As autoridades de Tóquio, no Japão, estão a ponderar pagar um subsídio, que pode chegar aos quatro mil euros, aos bares que se mantenham fechados para conter a propagação da covid-19 na cidade. De acordo com …

Médicos franceses detetaram primeiro caso de bebé infetado no útero

Médicos em França pensam ter identificado aquele que será o primeiro caso confirmado de um bebé infetado com covid-19 no útero materno. De acordo com o site Business Insider, a equipa médica conta que a …

17 anos depois, Estados Unidos voltam a aplicar a pena capital a nível federal

Os Estados Unidos procederam, esta terça-feira, à primeira execução federal de um prisioneiro no "corredor da morte" em 17 anos, através de uma injeção letal. Daniel Lewis Lee, 47 anos, natural de Yukon (Oklahoma), foi executado …

Com o pretexto de paz, "senhor da guerra" vai ganhando poder na República Centro-Africana

O "senhor da guerra" Ali Darassa foi pago pelo presidente da República Centro-Africana e já influenciou a demissão de um ministro numa tentativa de manter a paz no país. A República Centro-Africana é um país atormentado …

Ministério Público acusa 25 arguidos pela queda do BES

O Ministério Público deduziu acusação, esta terça-feira, contra 25 arguidos, 18 pessoas singulares e sete pessoas coletivas, no âmbito do processo sobre a queda do Universo Espírito Santo. "O Ministério Público do Departamento Central de Investigação …

Agora, até o Toyota Corolla é um crossover

O Toyota Corolla Cross é o mais recente SUV da marca japonesa. Apesar de a marca estar a reforçar a sua gama de SUV, Portugal terá de esperar mais um pouco. Na semana passada, a Toyota …

Da Escócia à Grécia, Kleon pedalou durante 48 dias para regressar a casa

Um jovem grego, "preso" na Escócia devido ao cancelamento dos voos por causa da pandemia de covid-19, decidiu pedalar durante 48 dias consecutivos para conseguir regressar a casa. De acordo com a CNN, Kleon Papadimitriou, de …

Após fugirem da Venezuela, milhares foram obrigados a regressar por causa da pandemia (mas não é assim tão fácil)

Desde 2016, quase cinco milhões de venezuelanos deixaram o país, fugindo da pobreza e dos serviços sociais e de saúde em colapso. Agora, a pandemia de covid-19 forçou-os a regressar à Venezuela - se o …

Costa defende na Hungria que Estado de direito não deve ser associado à recuperação

O primeiro-ministro defendeu, esta terça-feira, à saída de uma reunião com o seu homólogo húngaro que a questão do Estado de direito, embora "central" para Portugal, não deve ser relacionada com as negociações sobre o …