73 anos após Hiroshima, Japão volta a pedir fim das armas nucleares

Jiji Press / EPA

O primeiro bombardeamento atómico mundial, a 6 de agosto de 1945, vitimou 140 mil pessoas

O Japão voltou esta segunda-feira a apelar para o fim das armas nucleares, no 73.º aniversário do bombardeamento atómico de Hiroshima, num clima entre o ressurgimento mundial do nacionalismo e a esperança da desnuclearização da Coreia do Norte.

“Se a humanidade esquecer a história ou parar de a confrontar, ainda poderemos cometer um erro terrível, e é exatamente por isso que temos de continuar a falar sobre Hiroshima”, declarou o presidente da câmara, Kazumi Matsui.

O Parque Memorial da Paz, em Hiroshima, voltou a ser palco de uma cerimónia de homenagem às vítimas do primeiro bombardeamento atómico mundial, a 6 de Agosto de 1945, que matou 140 mil pessoas.

“Certos países proclamam descaradamente o nacionalismo e estão a modernizar os seus arsenais nucleares, reacendendo as tensões que haviam diminuído com o fim da Guerra Fria”, lamentou Matsui, sem identificar os países.

Ao mesmo passo, o 73.º aniversário assinala-se em meio de uma clima de esperança, depois de Pyoyngang prometer a “completa desnuclearização” da Coreia do Norte na histórica cimeira entre Kim Jong-un e o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em Junho passado, em Singapura.

No ano passado, o Japão preferiu não assinar um tratado de proibição de armas nucleares, adotado pela ONU, apontando a ingenuidade do texto e alinhando-se com as potências nucleares que invocavam a ameaça norte-coreana.

Esta segunda-feira, o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, afirmou que, “nos últimos anos, ficou claro que existem diferenças entre os países sobre como proceder com a redução de armas nucleares”, mas assumiu a vontade do seu país em “trabalhar pacientemente para servir de ponte entre os dois lados e liderar os esforços da comunidade internacional para a desnuclearização”, assumiu.

Três dias depois da bomba nuclear que atingiu Hiroshima, causando 140 mil mortos, os Estados Unidos lançaram, a 9 de Agosto de 1945, uma segunda bomba atómica sobre Nagasaki, levando à capitulação do Japão e ao fim da Segunda Guerra Mundial.

Em Março, o número total de “hibakusha” [sobreviventes] ascendia a 154.859, face aos 372.264 contabilizados em 1980. A idade média dos sobreviventes dos bombardeamentos nucleares de Hiroshima e Nagasaki é superior a 82 anos.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

PSD a 3 deputados da maioria na Madeira. CDS afasta geringonças

Miguel Albuquerque, político experiente, apreciador de música e apaixonado por rosas, voltou hoje a vencer as eleições regionais da Madeira, mas tem agora pela frente a ‘espinhosa’ tarefa de negociar um entendimento que garanta estabilidade …

Porto 2-0 Santa Clara | E vão cinco vitórias consecutivas na Liga

O FC Porto respondeu ao triunfo do Benfica no sábado em Moreira de Cónegos com a quinta vitória consecutiva na Liga, na recepção ao Santa Clara, por 2-0. Num jogo morno, com uma segunda parte mal jogada …

Mazda entra na corrida e prepara lançamento do seu primeiro carro elétrico

A Mazda garantiu o lançamento do seu primeiro carro elétrico já no próximo ano. O veículo será apresentado no Salão Automóvel de Tóquio. A corrida dos veículos elétricos acelera a todo o vapor e a Mazda …

Descobertas evidências de um reino bíblico em pleno deserto israelita

A bíblia faz referência a um reino de Edom, do século X antes de Cristo. Novas evidências sugerem que este reino poderá ter estado assente no deserto de Arava, no Israel. A análise de arqueólogos a …

PSD vence regionais na Madeira mas perde maioria absoluta

O PSD venceu hoje as eleições legislativas regionais na Madeira, com 37% a 41% dos votos, o que lhe retira a maioria absoluta no parlamento, segundo a projeção da RTP/Católica. O Partido Social Democrata venceu as …

No Afeganistão, há mulheres a arriscar a vida por um golo

As jogadores da seleção de futebol feminino do Afeganistão não treinam no seu país por razões de segurança. Muitas sofreram abusos sexuais e correm risco de vida para poderem jogar futebol. Pelo menos alguma vez na …

Cientista diz que avanços científicos podem levar à extinção humana

A evolução da ciência e tecnologia pode ser fundamental para evitar catástrofes, mas, ironicamente, pode também ser a causadora do fim da nossa espécie. O estudo das mudanças climáticas baseia-se em simulações cada vez mais de …

A ilha mais remota do mundo tem nome português

Tristão da Cunha é uma ilha com apenas 250 habitantes, onde ninguém fala português. Não há hotel nem aeroporto. Há quem parta em busca de um lugar sossegado para evitar as grandes multidões turísticas. Caso esteja …

Costa não tinha dúvidas. O parecer da PGR sobre familiares é “absolutamente inequívoco”

O secretário-geral do PS, António Costa, defendeu hoje que o parecer da Procuradoria-Geral da República (PGR) sobre as incompatibilidades entre governantes e negócios com empresas de familiares é “absolutamente inequívoco”. “O parecer é absolutamente inequívoco sobre …

Jovens do mundo inteiro ocupam a ONU em inédita Cimeira do Clima

Mais de 500 jovens, representantes de mais de 140 países, ocuparam este sábado o espaço habitualmente destinado aos diplomatas da ONU. A United Nations Youth Climate Summit, primeira cimeira da juventude sobre o clima, em Nova …