72 anos após bombardeamento, Nagasaki apela à proibição de armas nucleares

CSIS / Flickr

Shinzo Abe, Primeiro-ministro do Japão

Nagasaki comemorou, esta quarta-feira, o 72.º aniversário do lançamento da bomba atómica sobre a cidade com um apelo aos líderes mundiais para que apoiem o tratado de proibição de armas nucleares aprovado em julho.

A cidade portuária japonesa relembrou a efeméride numa cerimónia celebrada no seu Parque da Paz, que teve o seu momento central num minuto de silêncio cumprido às 11h02 (03h02 em Lisboa), hora exata em que foi lançada a bomba atómica com núcleo de plutónio (batizada de “Fat man”).

Depois da cerimónia em memória das vítimas, o autarca de Nagasaki, Tomihisa Taue, proferiu um discurso marcado pelo facto de o primeiro tratado de proibição de armas nucleares, adotado por 122 membros das Nações Unidas, não incluir nenhuma potência nuclear nem muitos dos seus aliados, entre os quais o Japão.

Taue, que falava diante da presença do primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, e representantes de 58 países, criticou a recusa de Tóquio em aderir ao primeiro acordo que proíbe este tipo de bombas, instando o Japão a juntar-se sem demora.

“Nagasaki deve ser o último lugar a sofrer um ataque de uma bomba atómica”, afirmou, apelando à comunidade internacional para começar a adotar políticas específicas para conseguir um mundo livre de armas nucleares.

O autarca de Nagasaki também convidou todos a visitar Nagasaki para que vejam por si próprios o que aconteceu e ganhem uma maior consciência sobre os efeitos deste tipo de arma.

“Cada canto da cidade era uma paisagem do inferno”, declarou, elogiando o trabalho dos sobreviventes, os “hibakusha”, que “mostram as suas cicatrizes” e “dão o seu melhor para espalhar a mensagem” antinuclear.

Por seu lado, o primeiro-ministro nipónico, Shinzo Abe, destacou a responsabilidade do Japão, como único país do mundo a ter sofrido um ataque nuclear, na procura de um mundo sem armas nucleares.

Os EUA lançaram a primeira bomba nuclear da história sobre Hiroshima em 6 de agosto de 1945 e, apenas três dias depois, uma segunda (e a última até à data) em Nagasaki, o que viria a resultar na rendição do Japão a 15 de agosto e no fim da II Guerra Mundial.

Estima-se que mais de 74 mil pessoas pereceram no bombardeamento e outras 63 mil morreram posteriormente pela radiação e ferimentos causados pela explosão, que varreu do mapa um terço de Nagasaki e praticamente toda a sua área industrial.

Segundo dados de março, o número total de “hibakusha” de Hiroshima e Nagasaki ascendia a 164.621, pouco mais da metade dos 372.264 contabilizados em 1980. A idade média dos sobreviventes é superior a 81 anos.

// EFE

PARTILHAR

RESPONDER

Estratégia prevê rede de bancos de leite materno e revisão das licenças para amamentar

A ENALCP apresentada esta quarta-feira prevê a criação de uma rede nacional de bancos de leite materno e a revisão dos diretos de parentalidade. Ambientes favoráveis deverão ser também revistos. A Estratégia Nacional para a Alimentação …

DGS aconselha grávidas e bebés vegetarianos a tomarem suplementos

A Direção-geral da Saúde recomenda suplementos de vitaminas e minerais para bebés e grávidas com alimentação vegetariana e lembra que a dieta não omnívora no primeiro ano de vida deve estar sempre sob supervisão médica. "A …

Entre os boletins de voto dos emigrantes, também há cheques e contas da luz

Para exercer o seu direito de voto, os eleitores portugueses residentes no estrangeiro deveriam enviar de volta para Portugal a documentação que receberam em casa – um envelope verde com o boletim de voto, dentro …

Ryanair despede 432 trabalhadores em Espanha

A companhia aérea irlandesa Ryanair confirmou esta quarta-feira a sua intenção de despedir em Espanha 432 trabalhadores das suas bases de Girona e Canárias, 327 tripulantes de cabine e 105 pilotos, informou o sindicato USO. Num …

Eleições em Moçambique. Dados preliminares dão vitória a Nyusi

Segundo as projeções de resultados da Sala da Paz, de acordo com valores “preliminares” baseados na leitura dos editais pelos seus observadores, o atual Presidente moçambicano e candidato da Frelimo, Filipe Nyusi, terá sido reeleito …

"Quem acusou Sócrates tem de provar. Se não provar tem de ser punido"

O ex-Presidente brasileiro, Lula da Silva, defende punição de procuradores da Operação Marquês, caso a acusação contra José Sócrates seja arquivada. Esta terça-feira, em entrevista à RTP, Lula da Silva defendeu a punição dos procuradores que …

Na Saúde, Warren torna-se alvo de ataques. Mas o foco é "derrotar Trump"

O maior debate televisivo para umas eleições primárias na história dos EUA juntou 12 candidatos num só palco. Foi o primeiro debate para o qual o ex-vice-Presidente Joe Biden não partiu com vantagem, tendo a …

Trump sugere que os mexicanos são uma ameaça terrorista maior do que o Daesh

O Presidente Donald Trump sugeriu que os mexicanos são uma ameaça muito maior do que o Daesh. Respondendo uma vez mais às críticas sobre ter retirado as tropas dos Estados Unidos (EUA) junto à fronteira …

Grécia. Incêndio em campo de refugiados deixa 600 pessoas sem alojamento

Um incêndio no campo de identificação e registo de migrantes de Vathy, na ilha grega de Samos, deixou 600 refugiados sem alojamento, alertou na terça-feira a organização não-governamental (ONG) Médicos Sem Fronteiras (MSF). "Em Vathy, seis …

Lista candidata à Ordem dos Enfermeiros excluída por ter poucos homens

Uma das listas candidatas às eleições para a Ordem dos Enfermeiros foi excluída por ter poucos homens. A comissão eleitoral nomeada explica que a lista não respeita a lei da paridade, aprovada pela Assembleia da …