Já despontam eucaliptos em Pedrógão Grande (e são “barris de pólvora”)

(dr) António Cotrim

Volvido apenas mês e meio após o trágico incêndio de Pedrógão Grande, os eucaliptos já começaram a despontar na área ardida e um investigador alerta que, sem gestão do espaço, a zona pode transformar-se num autêntico barril de pólvora.

Junto ao Itinerário Complementar 8 ou pelas estradas municipais que ligam as diferentes aldeias afetadas pelas chamas que consumiram 53 mil hectares de floresta, a agência Lusa constatou o crescimento de eucaliptos próximo das árvores queimadas ou junto aos troncos cortados.

O investigador Ernesto de Deus, que estuda a regeneração natural do eucalipto, explica que o que se vê agora no território é o eucalipto a regenerar – o resultado da evolução da espécie que se adaptou aos fogos na zona de onde era natural (sudeste da Austrália e Tasmânia).

Muito dificilmente estas árvores morrem com o fogo e, quanto maior a árvore, mais difícil é de morrer”, disse à Lusa o especialista que realiza um doutoramento sobre esta espécie no Instituto Superior de Agronomia da Universidade de Lisboa.

Segundo Ernesto de Deus, a árvore rebenta, “quer através da base do tronco, quer ao longo do tronco”, realçando que o eucalipto queimado, apesar de parecer morto, tem uma grande probabilidade de sobreviver e de se recompor no espaço de alguns meses.

Para além disso, depois de o fogo passar por um eucaliptal, as cápsulas que estão na copa da árvore abrem-se uns dias após a passagem das chamas e largam todas as sementes (há milhares em cada indivíduo), que normalmente germinam assim que surgem “as primeiras chuvas e um pouco de humidade”.

Se não forem arrancados, “vão ser barris de pólvora”

“O eucalipto reproduz-se com bastante facilidade. É bastante sensível à competição de outras espécies e, com o despir da vegetação, encontra condições favoráveis porque não tem competição“, realça Ernesto de Deus, explanando que esta espécie exótica é das primeiras árvores a colonizar uma zona queimada.

Face a essa característica, se os terrenos não forem tratados e limpos, o eucaliptal ganha uma maior densidade e fica “uma autêntica selva”, com “árvores de diferentes tamanhos a começarem a aparecer”.

“Os povoamentos ficam com muito mais material combustível e com muito mais risco de incêndio, se não forem tratados. Sem gestão, vão ser barris de pólvora“, alerta o investigador.

Para Ernesto de Deus, o eucaliptal é “relativamente fácil de tratar”, visto que a semente não tem dormência e, no espaço de um ano, “quase todas germinam”.

“É preciso ir para o terreno e arrancá-los”, disse o investigador, explicando que é necessário arrancar as árvores junto à raiz e não apenas cortar na base do tronco, para impedir novos rebentos.

Nos terrenos queimados que já sofreram intervenção após o incêndio, verifica-se, na maioria dos casos, um simples corte na base do tronco das árvores, constatou a agência Lusa no terreno.

O incêndio que deflagrou em Pedrógão Grande no dia 17 de junho, no distrito de Leiria, provocou pelo menos 64 mortos e mais de 200 feridos, e só foi dado como extinto uma semana depois.

Mais de dois mil operacionais estiveram envolvidos no combate às chamas, que consumiram 53 mil hectares de floresta, o equivalente a cerca de 75 mil campos de futebol.

O fogo chegou ainda aos distritos de Castelo Branco, através da Sertã, e de Coimbra, pela Pampilhosa da Serra e Penela.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. http://portocanal.sapo.pt/noticia/128425/
    Segundo a Lusa constatou no local, o fogo está a consumir uma zona essencialmente povoada de mato, castanheiros e amendoal, tendo passado pela Serra de Reboredo, tida como uma das maiores manchas de carvalho branco da Europa.
    Isto em Torre de Moncorvo.
    Arranca-se os carvalhos também? Ou estes são um barril de água que se deixa arder???

RESPONDER

Siza Vieira admite aulas por canais "estilo youtube" ou TV por cabo

O Governo está a estudar soluções que garantam que todos os alunos têm acesso aos conteúdos educativos no terceiro período, adiantou o ministro da Economia. O Governo está a estudar soluções que garantam que todos os …

Retificação ao diploma do lay-off simplificado trava despedimentos

Uma retificação ao diploma inicial do ‘lay-off’ simplificado, hoje publicada, vem acautelar que nenhum trabalhador de empresas que recorra a este apoio pode ser alvo de despedimento coletivo ou extinção de posto de trabalho. O decreto-lei …

Rocha desafia teoria da escassez de oxigénio na Terra primitiva

Uma rocha sedimentar única rica em carbono, depositada há dois mil milhões de anos, deu aos cientistas novas pistas sobre as concentrações de oxigénio na superfície da Terra nessa época. De acordo com a agência Europa Press, …

As bactérias formam comunidades na nossa língua (e uma imagem revela como)

Cientistas norte-americanos descobriram que as bactérias que vivem na nossa língua têm uma organização complexa e altamente estruturada. Os micro-organismos estão em toda a parte - até no interior da nossa boca. Um novo estudo revela …

Como sobreviver ao isolamento? Astronautas explicam

Em todo o mundo, cidades e até países inteiros estão em quarentena como forma de travar a propagação do novo coronavírus, Covid-19. Alguns astronautas deixaram conselhos sobre como sobreviver ao isolamento. Para alguns, o auto isolamento …

"Indiana Jones do mundo da arte" recupera manuscrito do poeta persa Hafez

Uma das primeiras cópias do reverenciado Divan do autor do século XIV Hafez, iluminado com ouro, será leiloado no início de abril. O famoso poeta persa do século XIV, Hafez, escreveu uma coleção de versos místicos …

O palco onde os Beatles atuaram pela primeira vez está à venda

O palco de madeira onde os Beatles atuaram pela primeira vez está à venda. Agora, alguém poderá replicar o primeiro concerto da famosa banda. A 10 de abril, em comemoração dos 50 anos da separação da …

Células estaminais podem ajudar a proteger os astronautas da radiação espacial

Assim que os astronautas deixam a proteção do campo magnético da Terra, ficam automaticamente expostos a níveis elevados de radiação cósmica. A Agência Espacial Europeia (ESA) está cada vez mais focada em investigações para reduzir …

Pandemia pode trazer nova geração de robôs capazes de realizarem tarefas perigosas

A pandemia de Covid-19 pode trazer uma nova geração de robôs capazes de realizarem tarefas perigosas como limpeza de superfícies infetadas ou vigiar pessoas em quarentena, afirmam esta quarta-feira alguns dos principais investigadores internacionais em …

Multimilionários refugiam-se da Covid-19 a bordo de iates

Vários multimilionários têm procurado refugiar-se da pandemia de Covid-19, que nasceu em dezembro passado na China, em alto mar, a bordo de iates de luxo. Em declarações ao jornal The Telegraph, Jonathan Beckett, executivo da …