Itália levou OMS a acreditar que o país tinha capacidade para responder à pandemia de covid-19

Alejandro Garcia / EPA

Menos de três semanas antes de ter sido confirmado o primeiro caso de covid-19 transmitido localmente em Itália, o país terá levado a Organização Mundial da Saúde (OMS) a acreditar que estaria pronto para enfrentar uma pandemia.

De acordo com o jornal britânico The Guardian, os países vinculados ao Regulamento Sanitário Internacional – um tratado para combater a propagação de doenças – têm de apresentar uma auto-avaliação à OMS sobre o seu nível de preparação para uma emergência de saúde pública.

O último relatório italiano foi entregue a 4 de fevereiro do ano passado e garantia que o país estava muito bem preparado para uma emergência, atribuindo nota máxima (5 em 5) à categoria que afirma que o “mecanismo de coordenação de resposta de emergência do setor da saúde e o sistema de gestão de incidentes ligados a um centro nacional de operação de emergência foram testados e atualizados regularmente”.

No entanto, isso não era verdade. Ainda no ano passado, soube-se que Itália não atualizava o plano nacional para fazer face a pandemias desde 2006, o que pode ter contribuído para muito mais mortes na primeira vaga do que seria normal se esses protocolos estivessem em vigor – pelo menos mais 10 mil.

O relatório é, segundo o jornal britânico, essencial para a investigação em curso de procuradores italianos, que procuram perceber os erros que foram cometidos pelas autoridades do país durante a primeira vaga, na sequência de uma ação civil movida pelas famílias das vítimas da covid-19.

A primeira transmissão local de coronavírus em Itália foi confirmada no dia 21 de fevereiro de 2020 na cidade de Codogno, na Lombardia, e dois dias depois ocorreu um surto no hospital da cidade de Alzano Lombardo, em Bergamo.

Conte, que foi interrogado pelos procuradores em junho passado, disse ao The Guardian que, se convocado, estaria disposto a ser interrogado novamente, mas que fez tudo o que podia para gerir uma situação realmente difícil.

Giuseppe Ruocco, atual secretário-geral do Ministério da Saúde e antigo diretor-geral de saúde preventiva (2012-2014), terá confirmado que o plano para a pandemia não era atualizado há 14 anos, o que contraria as diretrizes da OMS.

Numa análise do documento, Pier Paolo Lunelli, um general reformado do exército que investigou o assunto, considerou 60 das 70 respostas fornecidas pelo país “infundadas”.

Segundo Lunelli, que entregou a sua análise ao Ministério Público, o documento é “um castelo de evidências que certifica o [nível de] despreparo com que” o país abordou a covid-19.

“Mentimos aos cidadãos italianos, alegando que estávamos prontos”, acrescentou Lunelli. “Pior ainda, tentamos enganar a OMS, a UE e os países europeus ‘providentes’, declarando possuir capacidades que, à luz dos factos, não tínhamos”, concluiu.

Até ao momento, Itália acumula perto de 96 mil mortes por complicações associadas à covid-19. De acordo com a plataforma Our World in Data, que se baseia em dados oficiais, estão em causa 1.587 mortes por cada milhão de pessoas, o que coloca o país no quinto lugar deste ranking.

Sofia Teixeira Santos Sofia Teixeira Santos, ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Merkel cede e aceita levantamento progressivo das medidas. França estima que situação melhore em abril

A chanceler alemã, Angela Merkel, aceitou na quarta-feira um levantamento progressivo das restrições contra a pandemia na Alemanha, cedendo a um descontentamento crescente na opinião e no próprio governo a sete meses das eleições legislativas. Ao …

Não tem de "haver culpados" no incêndio que matou cães em Santo Tirso, diz Governo

A secretária de Estado da Administração Interna, Patrícia Gaspar, defendeu ontem que “não tem de haver culpados” no incêndio de julho de 2020 que vitimou mais de 70 animais em dois abrigos ilegais em Santo …

Diagnóstico de grupo de peritos confirma cenário negro na Saúde Pública

A Comissão para a Elaboração da Proposta de Reforma da Saúde Pública e Sua Implementação pinta um retrato negro do estado da Saúde Pública em Portugal. Em fevereiro do ano passado, a ministra Marta Temido nomeou …

"Raciocínio Neandertal". Biden critica fim das máscaras obrigatórias no Texas

O Presidente norte-americano criticou, esta quarta-feira, a decisão do governador do Texas de acabar com a obrigatoriedade de utilização de máscara, classificando-a de "raciocínio Neanderthal". "Estamos à beira de ser capazes de mudar fundamentalmente a natureza …

Joacine já exonerou quatro assessores desde que saiu do Livre

Silavnia de Barros e Inês Beleza Barreiros saíram do gabinete de Joacine Katar Moreira. A deputada não-inscrita já exonerou quatro assessores desde que se desvinculou do Livre. Esta quarta-feira, um despacho publicado em Diário da República …

Redução da renda, mais apoio e menos burocracia. As propostas do PCP para ajudar pequenos empresários

O PCP vai entregar quatro propostas e um projeto de lei para que o Governo adote medidas para auxiliar as pequenas e médias empresas após ouvir as queixas dos pequenos e médios empresários. De acordo com …

Lista do PSD faz estalar o verniz: há candidatos que não o são e autarcas que não foram contactados

O PSD anunciou, esta quarta-feira, uma lista com 100 nomes para concorrerem às eleições autárquicas, mas há autarcas a demarcarem-se da decisão anunciada pela direção. O nome de Paulo Manuel Santos, atual presidente da Câmara de …

Catarina Martins diz que "PS é muito permeável ao poder económico"

Apesar de afastar uma coligação pré-eleitoral com o PS em Lisboa, Catarina Martins, líder do Bloco de Esquerda, admite que o partido está disponível para dialogar com António Costa, mas sem "chantagens". Em entrevista ao Público …

Polícia do Capitólio alerta para ameaça de nova invasão já esta quinta-feira

A polícia do Capitólio, responsável pela segurança do Congresso dos Estados Unidos, alertou para a ameaça de uma milícia invadir a sede do Congresso na quinta-feira, com ligações a uma teoria de conspiração. A agência …

AstraZeneca reduz risco de hospitalização de idosos. Cuba tem nova vacina (e pode envolver 3 doses)

A injeção de uma dose da vacina AstraZeneca/Oxford contra a covid-19 permite reduzir em mais de três quartos o risco de hospitalização de idosos com mais de 80 anos, conclui um estudo britânico. Os resultados, ainda …