“As nossas liberdades estão a morrer.” Itália e França protestam contra o certificado covid

Angelo Carconi / EPA

Milhares de pessoas manifestaram-se, este sábado, em várias cidades italianas e francesas contra os certificados de saúde covid-19.

Este sábado, milhares de pessoas manifestaram-se em várias cidades italianas contra a instauração de um certificado covid-19 para assistir a eventos em recintos fechados e no setor da educação. Em França, segundo estimativas oficiais, cerca de 237 mil pessoas marcharam pelo quarto fim de semana consecutivo contra os certificados, que vão ser obrigatórios para aceder a cafés, comboios e outros locais.

Cerca de mil pessoas estiveram na Piazza del Popolo, no centro de Roma, em protesto contra o certificado. Segundo a agência noticiosa italiana Ansa, milhares de pessoas também desfilaram em Milão, no Norte, alguns utilizando indicações de “Não vacinado”.

Em Nápoles, no sul do país, há registo de uma centena de participantes num protesto idêntico, que também manifestou oposição à vacinação de crianças contra a covid-19.

Já em França, e de acordo com o Ministério francês da Administração Interna, esta foi até agora a maior mobilização contra a imposição dos certificados. Às 19h00 locais (18h00 em Portugal continental), as autoridades francesas registavam 198 intervenções, 35 detenções e sete ferimentos ligeiros entre agentes das forças de segurança.

Uma multidão pacífica de manifestantes atravessou Paris, acompanhada por polícia antimotim equipada a rigor, exibindo bandeiras em que se que liam frases como “As nossas liberdades estão a morrer” e “Vacina: Não toquem nos nossos filhos”.

Dezenas de manifestações foram organizados em outras cidades francesas, incluindo Marselha, Nice e Lille. Alguns manifestantes protestaram também contra o facto de o Governo francês ter tornado as vacinas contra a covid-19 obrigatórias para os trabalhadores do setor da saúde até 15 de setembro.

A generalidade dos protestos centrou-se na limitação ao movimento dos cidadãos imposta pela obrigatoriedade dos certificados e da vacinação.

Em Itália, o passaporte verde, uma extensão do certificado digital da União Europeia, tornou-se obrigatório na sexta-feira para entrar em cinemas, museus, em recintos desportivos fechados e no interior de restaurantes.

Para os que trabalham em escolas e universidades também será necessário, assim como para estudantes, a partir de 1 de setembro, sendo ainda obrigatório em voos domésticos e viagens de comboio de longa distância.

Em França, o certificado será necessário, a partir de segunda-feira, para entrar em cafés, restaurantes, fazer viagens de longa distância e, em alguns casos, aceder a hospitais. A obrigatoriedade da apresentação do certificado estava já em vigor para o acesso a locais culturais e recreativos, incluindo cinemas, salas de concertos e parques temáticos com capacidade para mais de 50 pessoas.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Inteligência Artificial está a "alimentar" a violação dos direitos humanos, alerta ONU

Num novo relatório, a Organização das Nações Unidas (ONU) alertou os países que o uso imprudente de Inteligência Artificial (IA) pode estar a pôr em causa o respeito pelos direitos humanos. Michelle Bachelet, Alta Comissária das …

Foi viajar e não voltou. O misterioso desaparecimento de Gabby Petito (e do namorado)

Gabrielle Petito, uma jovem norte-americana de 22 anos, desapareceu misteriosamente. Gabby foi viajar com o namorado, que voltou para casa sozinho e não quis contar o que aconteceu — e agora também está desaparecido. Gabby Petito, …

Aos 101 anos, Ginny é a "Senhora Lagosta" e não planeia reformar-se

Virginia Oliver continua a trabalhar na pesca da lagosta, apesar de já ter 101 anos de idade. 'Ginny' não planeia reformar-se e já se tornou um meme na internet. Virginia 'Ginny' Oliver tem 101 anos e …

Dinamarca. Reclusos condenados a prisão perpétua proibidos de iniciar novos romances

Os reclusos que cumprem prisão perpétua na Dinamarca serão proibidos de iniciar novos relacionamentos amorosos, decisão proposta pelo governo após uma jovem de 17 anos se apaixonar por Peter Madsen, que assassinou a jornalista Kim …

Casal queria que o seu filho se chamasse Vladimir Putin. A Suécia não deixou

Na Suécia, os pais são obrigados a comunicar os nomes dos seus filhos recém-nascidos ao Skatteverket nos primeiros três meses a partir do nascimento. Um casal sueco, que vive na cidade de Laholm, foi proibido pela …

44 jogos seguidos sem ganhar. Mas o presidente não está preocupado

O Atlético Mogi não vence qualquer jogo oficial há mais de quatro anos. Perdeu em 42 desses 44 duelos. 17 de Junho de 2017 foi o último dia em que o Atlético Mogi venceu um jogo …

Autárquicas: António Costa promete que os municípios terão mais mil milhões de euros

O secretário-geral do PS, António Costa, indicou hoje, em Celorico de Basto, no distrito de Braga, que os municípios “vão passar a ter, a partir de abril, mais mil milhões de euros que acompanham a …

Mais de trinta anos após ter sido lançada ao mar no Japão, mensagem em garrafa é encontrada no Hawaii

Durante uma viagem ao Hawaii, uma jovem de apenas 9 anos encontrou uma garrafa que foi lançada ao mar há mais de trinta anos. Esta continha uma mensagem que, posteriormente, acabou por revelar uma experiência …

Mais 939 infeções, sete mortes e nova redução nos internamentos

Portugal registou nas últimas 24 horas mais 939 casos de infeção pelo coronavírus SARS-CoV-2, sete mortes atribuídas à covid-19 e nova redução nos internamentos em enfermaria e cuidados intensivos. De acordo com o boletim epidemiológico da …

Milionário norte-americano Robert Durst condenado por matar melhor amiga

O milionário norte-americano Robert Durst, tornado famoso por um documentário do canal HBO, foi condenado na sexta-feira num tribunal de Los Angeles, nos Estados Unidos, por matar a melhor amiga, um crime que remonta a …