Luanda Leaks. Isabel dos Santos acusada de desviar 100 milhões da Sonangol para o Dubai

Eneias Rodrigues / Lusa

Um consórcio de jornalismo de investigação revelou mais de 715 mil ficheiros, sob o nome de “Luanda Leaks”, que detalham esquemas financeiros de Isabel dos Santos e do marido, Sindika Dokolo, que estarão na origem da fortuna da família.

O Consórcio Internacional de Jornalismo de Investigação (ICIJ), que integra vários órgãos de comunicação social, entre os quais o semanário Expresso e a SIC, analisou, ao longo de vários meses, 356 gigabytes de dados relativos aos negócios de Isabel dos Santos entre 1980 e 2018, que ajudam a reconstruir o caminho que levou a filha do ex-presidente angolano a tornar-se a mulher mais rica de África.

Durante a investigação este domingo divulgada foram identificadas mais de 400 empresas (e respetivas subsidiárias) a que Isabel dos Santos esteve ligada nas últimas três décadas, incluindo 155 sociedades portuguesas e 99 angolanas.

As informações recolhidas detalham, por exemplo, um esquema de ocultação montado por Isabel dos Santos na petrolífera estatal angolana Sonangol, que lhe permitiu desviar mais de 100 milhões de dólares (90 milhões de euros) para o Dubai.

Revelam ainda que, em menos de 24 horas, a conta da Sonangol no Eurobic Lisboa, banco de que Isabel dos Santos é a principal acionista, foi esvaziada e ficou com saldo negativo no dia seguinte à demissão da empresária.

Os dados divulgados indicam quatro portugueses alegadamente envolvidos diretamente nos esquemas financeiros: Paula Oliveira (administradora não-executiva da Nos e diretora de uma empresa offshore no Dubai), Mário Leite da Silva (CEO da Fidequity, empresa com sede em Lisboa detida por Isabel dos Santos e o seu marido), o advogado Jorge Brito Pereira e Sarju Raikundalia (administrador financeiro da Sonangol).

Entretanto, A consultora PricewaterhouseCoopers (PwC) confirmou esta segunda-feira ter cessado os contratos de serviços a empresas controladas por Isabel dos Santos, na sequência da publicação de notícias que revelam transações suspeitas.

“Esforçamo-nos para manter os mais altos padrões profissionais na PwC e estabelecemos expectativas de comportamento ético consistente por todas as empresas da PwC na nossa rede global. Em resposta às alegações muito sérias e preocupantes levantadas, iniciámos imediatamente uma investigação e estamos a trabalhar para avaliar minuciosamente os factos e concluir a nossa investigação”, comentou, num comunicado enviado à Lusa.

O alegado desvio de dinheiro está a ser divulgado por vários órgãos de comunicação de internacionais. A emissora britânica BBC divulga fotografias de alguns dos 715 mil documentos que a investigação reúne, nomeadamente ordens de pagamento e recibos que atestam a transferência de dinheiro, conta a Rádio Renascença.

“É mentira”, diz Isabel dos Santos

Isabel dos Santos, a principal visada nos esquemas financeiros revelados no “Luanda Leaks”, afirmou que a investigação é baseada em “documentos e informações falsas”, num “ataque político” coordenado com o Governo angolano.

“As notícias do ICIJ baseiam-se em muitos documentos falsos e falsa informação, é um ataque político coordenado em coordenação com o ‘Governo Angolano’ (sic). 715 mil documentos lidos? Quem acredita nisso?”, reagiu a empresária no Twitter.

https://twitter.com/isabelaangola/status/1218996464682258444?ref_src=twsrc%5Etfw%7Ctwcamp%5Etweetembed&ref_url=https%3A%2F%2Frr.sapo.pt%2F2020%2F01%2F19%2Fmundo%2Fisabel-dos-santos-acusada-de-desviar-100-milhoes-de-euros-e-mentira-diz-empresaria%2Fnoticia%2F178924%2F

A filha do ex-Presidente angolano José Eduardo dos Santos ataca também a SIC e o Expresso. Na rede social, onde escreveu 10 tweets no espaço de uma horam afirma que a sua “fortuna” nasceu com o seu “caráter, inteligência, educação, capacidade de trabalho e perseverança” e acusa a SIC e o Expresso de “racismo” e “preconceito”, “fazendo recordar a era das ‘colónias’ em que nenhum africano pode valer o mesmo que um ‘europeu’”

“Os ‘leaks’ são autênticos? Quem sabe? Ninguém… estranho mesmo é ver a PGR [Procuradoria-Geral da República] de Angola a dar entrevistas à SIC-Expresso. Procurador Geral de Angola a Angola a dar entrevistas… a canais portugueses!”, escreveu a empresária, numa dessas mensagens.

Isabel dos Santos comentou ainda: “Consórcio ICIJ recebeu fuga de informação das ‘autoridades angolanas’??!! Interessante ver o estado angolano a fazer ‘leaks’ [fugas] jornalistas e para a SIC-Expresso e depois vir dizer que isto não é um ataque político?”.

Num outro tweet, escreve que “o povo de Portugal é amigo do povo de Angola e não podemos deixar que ‘alguns’ interesses isolados ‘agitem’ a amizade e respeito que conseguimos conquistar e construir juntos”.

Ana Gomes acusa PGR, CMVM e BdP de conivência

A ex-eurodeputada Ana Gomes acusou o Banco de Portugal, a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) e a Procuradoria-Geral da República de serem “coniventes” com os esquemas alegadamente fraudulentos da empresária angolana Isabel dos Santos.

Reagindo à informação divulgada sobre várias transações suspeitas da empresária, em particular um esquema de ocultação para desviar 90 milhões de euros da petrolífera estatal Sonangol, a ex-eurodeputada revelou a “cumplicidade” das autoridades portuguesas com esta “roubalheira organizada da cleptocracia que espolia o povo angolano”.

“Obviamente que as autoridades [portuguesas] não podem continuar não só cegas, mas coniventes, porque é isso que tem acontecido. Sucessivos governos e governantes, alguns, em particular o Banco de Portugal e a CMVM, autoridades políticas e judiciais deveriam ter atuado”, disse Ana Gomes, estendendo as críticas à PGR portuguesa: “Muita desta informação já se sabia, além das minhas denúncias concretas”.

As “autoridades portuguesas não podem continuar a ser vistas como cúmplices por omissão”, afirmou a antiga eurodeputada socialista. Para a ex-eurodeputada, as autoridades portuguesas “decidiram não agir porque isto era sancionado pelo Estado e pelos governos portugueses”, permitindo a entrada em Portugal de “tanto dinheiro desviado do desenvolvimento que merece e tanto precisa o povo angolano”.

É completamente imoral, a título pessoal ou no quadro de empresas, que portugueses colaborem” na transformação de Portugal numa “lavandaria da criminalidade que rouba Angola”, acrescentou. Nos “cúmplices ativos” que funcionam como “testas de ferro da senhora Isabel dos Santos”, Ana Gomes destaca o advogado Mário Leite Silva e Jorge Brito Pereira, este último do “escritório de Proença de Carvalho”.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

7 COMENTÁRIOS

  1. 3 pequenos pontos….

    1. este consórcio, o mesmo dos famosos Panama papers parece servir alguns interesses e claro como tal de vez em quando tem de mandar cá para fora alguns documentos que os donos mandam.
    claro está que os donos os maiores mafiosos esses nunca aparecem nem são beliscados, aliás o que resultou dos Panama papers?!
    continuamos por cá à espera que o Expresso revele os tais pseudo-jornalistas pagos pela máfia cá do burgo!
    podemos esperar mas sentadinhos.

    2. mas alguém precisa destes leaks para saber o que vem do regime colectivista que desgovernou e desgoverna Angola há décadas?
    os santinhos que faziam negócios com a bela Isabel e seus manos e amigos não desconfiavam de nada?
    ah já sei são como aquela senhora supostamente jornalista que tb não desconfiava do dinheiro que aparecia nas mãos do putativo engº enquanto andou com ele.
    agora é vê-los fugirem das selfies com a bela russa.

    3. coincidência por certo estes leaks terem aparecido depois da bela Isabel se ter tornado cidadã russa.

      • certo, mas só agora e para se proteger de males piores é que a coisa se tornou mesmo oficial… presumo que a Russia tb tenha as suas burocracias.

        esqueci de dar um beliscãozinho à camarada Ana Gomes que agora se sente muito ofendida com tudo isto qd o seu partido e a sua ideologia SEMPRE apoiaram o que se passava em Angola através do MPLA e amigos.

        ainda por cima qd a sra Ana Gomes ainda veio de uma camada mais radical a mesma do actual grande capitalista o camarada JMBarroso da Goldman Sachs.

        e a ética da dita senhora tb é…enfim, como a dos outros políticos, não foi esta sra que queria candidatar-se a uma CM e ao mesmo tempo não abandonar o PE enquanto não soubesse em que pé ficava?

  2. Então porque não se vai um pouco atrás e se procura os mais de mil milhões de bens móveis e imóveis desaparecidos com a conivência dos políticos angolanos, cubanos, russos, e americanos, entre outros que andam de cara alegre por esse mundo fora.

  3. Esta ao menos amealhou fortuna a partir de 1980.
    Há no Brasil exemplos recentes de fortunas acumuladas em 15 anos, sendo que, alguns dos donos
    de tais fortunas saíram da condição de catador de excremento de elefante a multimilionário.
    Certamente aqui estas fortunas também nasceram por conta do carácter, inteligência, educação, capacidade de trabalho, perseverança dos afortunados. Curiosamente, depois de expostos, começaram a queixar-se de perseguição política , perseguição à minorias. Pobres coitados.

  4. angola ficou entregue aos bichos ! , enquanto o jonas era vivo , ainda metia-lhes um bocado de travão, a partir do momento que lhe limparam o sebo, foi um saque total .

    gostava de saber donde é que vem a fortuna dela ?

    espero é que este novo presidente João Lourenço, venha a limpar a corrupção existente em angola, e que realmente seja alguem que não venha é para o poleiro servir-se.

    enquanto todos nos pactuarmos com isto, isto é, não termos uma acção concreta a nivel das instituições bancarias, paraisos fiscais e etc, isto continuará a acontecer !

    se calhar terá de passar por uma especie de revolução francesa !?!?

    porque com falinhas mansas não vamos lá, eles vergonha não têm nenhuma, e devem fartar-se de rir com as coisas que o pessoal poe nas redes sociais, a critica-los, devem gozar à brava !, à grande e à francesa!

  5. Os ricos de Angola continuam intocados. Até agora ninguém toca nos generais e testas de ferro dos mesmos.
    Todas as maiores empresas imobiliárias, de transporte, importação e concecionárias de Angola pertencem a testas de ferro de generais.

RESPONDER

"Marte está vivo". Sonda InSight regista mais de 170 eventos sísmicos no Planeta Vermelho

Resultados dos primeiros dez meses de exploração da sonda InSight da NASA revelaram que o Planeta Vermelho é um mundo com atividade sísmica ativa. "Marte está vivo e a cada diz que passa começo a ter …

Um planeta pode ter sido "roubado" do Sistema Solar

Uma nova análise de astrónomos da Universidade Stony Brook, em Nova Iorque, revelou que as estrelas "roubam" planetas umas às outras - e isso também poderá ter acontecido no nosso próprio Sistema Solar. Quase tudo o …

Netflix passa a mostrar "top 10" diário de séries e filmes

A Netflix disponibiliza, desde esta segunda-feira (24), uma nova feature para os utilizadores do serviço de streaming: uma lista com os 10 filmes e as 10 séries mais vistas no país em cada dia. Esta nova …

A Realidade Virtual pode ser a próxima terapia para tratar pânico, fobias e distúrbios

A Oxford VR, empresa britânica de realidade virtual, acaba de acumular mais de 13 milhões de euros para investir na terapia com a tecnologia do futuro. A companhia surgiu a partir do departamento de psiquiatria da …

Apple não deixa que vilões de filmes usem iPhones

A Apple não deixa que os vilões dos filmes de Hollywood usem os telemóveis iPhone no grande ecrã. Esta é apenas uma das empresas que não permite este tipo de coisa. Os filmes podem ter uma …

O coronavírus pode ser a "doença X" temida pelos especialistas

O coronavírus, que já matou 2.700 pessoas e infetou mais de 80 mil desde dezembro, está a tornar-se "rapidamente" no primeiro grande desafio pandémico do mundo, enquadrando-se nos moldes da "doença X" temida por especialistas. O …

Media Capital passou de lucros a prejuízos de 54,7 milhões

A Media Capital registou prejuízos de 54,7 milhões de euros no ano passado, contra lucros de 21,6 milhões de euros um ano antes, anunciou hoje a dona da TVI, que está em processo de compra …

Camas na classe económica dos aviões podem vir a tornar-se uma realidade

A companhia aérea neozelandesa Air New Zealand está a pensar incluir camas na classe económica de alguns dos seus voos mais longos. A ideia deverá avançar dentro de um ano. A companhia aérea neozelandesa Air New …

Temperatura do planeta pode estabilizar nos valores de há três milhões de anos

A temperatura no planeta pode estabilizar nos valores de há três milhões a cinco milhões de anos, caso a humanidade consiga estancar as emissões de gases com efeito de estufa até 2030, diz a especialista …

Operação Lex. Juiz Vaz das Neves arguido por corrupção e abuso de poder

O ex-presidente do Tribunal da Relação de Lisboa Vaz das Neves é arguido na Operação Lex por suspeitas de corrupção e abuso de poder relacionadas com a distribuição eletrónica de processos, disse à Lusa fonte …