Isabel dos Santos acusa Governo de tomar medida “parcial” no caso BPI

Manuel Araújo / Lusa

A acionista maioritária, Isabel dos Santos, durante a inauguração da Unidade Mobilidade Elétrica EFACEC

Empresária angolana acusa o Governo português de ter favorecido os espanhóis do CaixaBank e de ter tomado uma medida declaradamente parcial.

Depois do CaixaBank, atualmente com 44% do BPI, ter anunciado uma OPA sobre o BPI, a angolana Isabel dos Santos decidiu quebrar o silêncio e não poupou nas críticas ao Governo português.

“Constatamos que, apesar do construtivo envolvimento do Governo português em dada fase da conciliação do processo, foi agora tomada uma medida historicamente sem precedentes e declaradamente parcial com a aprovação do decreto-lei – identificado como ‘o diploma do BPI’ – que favorece, uma das partes, no momento em que estas se encontravam em pleno processo negocial”, refere a Santoro, holding da empresária, no comunicado enviado às redações, citado pelo Público.

Em causa está a aprovação da lei que permitirá a “desblindagem” dos estatutos das instituições financeiras, decreto-lei que o primeiro-ministro António Costa garante não ter sido feito à medida do BPI.

Segundo o diário, a Santoro refere ainda que o acordo, que tinha sido anunciado na semana passada, “nunca foi finalizado” porque ainda não estavam assegurados todos os pontos discutidos, nomeadamente a cotação do BFA em bolsa.

“O spin-off do BFA implicaria necessariamente a admissão à cotação do BFA na Euronext Lisboa ou noutra bolsa, uma vez que todos os acionistas, incluindo os minoritários do BPI, receberiam ações do BFA”.

“Este ponto foi, aliás, por mais que uma vez qualificado pela Santoro como inegociável”, avança a empresária.

Além disso, a empresária angolana revela que surgiram outras questões ligadas com as autorizações do Banco Nacional de Angola para a exportação de divisas e o facto de o grupo espanhol exigir coisas como o pagamento imediato de dividendos de 2014 e 2015 do BFA.

“A Santoro sempre considerou inadmissível o cenário desenhado pelo CaixaBank em que os acionistas minoritários do BPI receberiam ações do BFA sem que lhes fossem dadas garantias de liquidez”.

Uma situação que “criaria uma insustentável posição para todos os acionistas, e em particular para os acionistas minoritários, que se veriam obrigados a gerir uma participação financeira num banco com sede em Angola sem dela poderem dispor”.

Isabel dos Santos relata que “o CaixaBank quis impor nas minutas de contratos essas autorizações do BNA, como se fossem responsabilidades da Santoro, ao mesmo tempo que pretendia incluir cláusulas relacionadas com o pagamento das ações do BFA que seriam alienadas”.

“Exigiu também incluir diversas matérias que nada tinham que ver com as operações em causa como, por exemplo, o pagamento imediato de dividendos de 2014 e 2015 do BFA“, o que, para a empresária, se traduz numa tentativa de assegurar “através dos contratos com a Santoro, a garantia de exportação de capital de Angola no valor de centenas de milhões de dólares”.

A empresária nega ainda “qualquer associação do desfecho das negociações a temas relacionados com o Banco BIC“, sublinhando que este é “um caso de sucesso” e que “nunca teve a idoneidade dos seus administradores posta em causa”.

Apesar desta situação, a Santoro, que atualmente detém 21% do BPI, mantém a “intenção de conduzir este processo de forma a responder aos interesses de todas as partes envolvidas, respeitando sempre os princípios da idoneidade e transparência”.

ZAP

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Pandemia deixa passaporte português mais "forte". É o sexto mais poderoso do mundo

A pandemia desencadeada pelo novo coronavírus oriundo da China (covid-19) tornou o passaporte português mais forte. O documento português subiu uma posição no ranking da Henley Passport Index, estando agora o documento na sexta posição dos …

SAD do Leixões avança para lay-off

A SAD do Leixões propôs ao plantel "que nos próximos três meses, abril incluído, pagaria metade do salário em cada mês, valores que seriam repostos ao longo do trimestre que se seguiria". O plantel do Leixões, …

Rui Pinto colocado em prisão domiciliária

O hacker Rui Pinto, criador do Football Leaks e autor das revelações do caso Luanda Leaks, foi colocado em prisão domiciliária esta quarta-feira. Rui Pinto, que estava em prisão preventiva desde 22 de março de 2019, …

Detidas 33 pessoas desde a renovação do estado de emergência

A PSP e a GNR detiveram, até terça-feira, 33 pessoas pelo crime de desobediência desde 3 de abril, totalizando 141 as detenções feitas desde o início do estado de emergência, indicou o Ministério da Administração …

Bruxelas disponibiliza 300 milhões de euros a pequenas e médias empresas para alavancar investimentos

O programa "Escalar" disponibiliza 300 milhões de euros, através do Fundo Europeu de Investimento, para apoiar investimentos de pequenas e médias empresas "promissoras" que queiram crescer. A Comissão Europeia anunciou que vai disponibilizar 300 milhões de …

Maçonaria cancela eleições e proíbe rituais em sessões virtuais

A pandemia de Covid-19 levou o Grão Mestre do Grande Oriente Lusitano, Fernando Lima, a principal obediência maçónica em Portugal, a cancelar as eleições e a proibir os encontros com rituais maçónicos 'online', visto que …

Mourinho quebra regras e assume que errou ao ir treinar com Ndombele

Fotografias e vídeos divulgados nas redes sociais mostram José Mourinho e os jogadores do Tottenham a treinar juntos e a violar as regras de segurança impostas devido ao surto do novo coronavírus. O Tottenham, treinado por …

Rússia bate recordes de infeções diárias. Em Itália, o número de mortes voltou a diminuir

Há três dias consecutivas que o número de novos casos bate recordes de crescimento na Rússia. Já em Itália, o número de mortes voltou a diminuir esta quarta-feira. Pelo terceiro dia consecutivo, o crescimento de número …

Governo prepara apoios aos media "à medida das televisões"

O Governo está a preparar medidas de apoio aos meios de comunicação social, gravemente afetados pela crise causada pela pandemia de Covid-19. Contudo, como considerou o administrador da Global Media Group, Afonso Camões, citado pelo Dinheiro Vivo, tudo …

Archewell. Harry e Meghan registam a sua nova marca

O príncipe Harry e Meghan Markle registaram a sua nova marca, uma fundação sem fins lucrativos chamada Archewell. De acordo com o jornal britânico The Guardian, que cita registos datados de 3 de março, a marca …