Chefia da Inspeção-Geral de Finanças travou pedido para Cruz Vermelha repor 8,7 milhões

O inspetor-geral de Finanças, Vítor Braz, e a subinspetora-geral, Isabel Castelão Silva, travaram um pedido para a Cruz Vermelha Portuguesa devolver 8,7 milhões de euros pagos pelo Ministério da Defesa Nacional a título de subvenções entre 2011 e 2016.

O pedido de reposição das verbas, que nunca chegou à Cruz Vermelha, foi proposto no início de dezembro de 2016 pelo responsável da equipa da Inspeção-Geral de Finanças (IGF) que há vários meses estava a realizar uma auditoria à associação humanitária, na “tutela inspetiva” do Ministério da Defesa Nacional.

A equipa de auditores considerou não haver qualquer base legal para as verbas serem pagas pela secretaria-geral do ministério à Cruz Vermelha, por não existir uma norma – legal ou regulamentar – que preveja essa subvenção. Mas quando o diretor responsável da auditoria propôs que a instituição humanitária fosse notificada para devolver ao Estado as alegadas verbas, este passo foi travado pelos superiores hierárquicos.

O inspetor-geral, Vítor Braz, disse ao Público que o projeto do relatório “não cumpria as normas técnicas e legais” e que “retirava conclusões erradas”.

De acordo com o mesmo jornal, a primeira a colocar entraves ao pedido de devolução foi Isabel Castelão Silva, subinspetora-geral, que argumentou que o projeto de relatório ainda estava em apreciação e que nele não era referida a necessidade da Cruz Vermelha devolver as verbas.

Cerca de 20 minutos mais tarde, o inspetor-geral concordou com o parecer de Castelão Silva. “Determino a suspensão dos procedimentos relativos à presente auditoria”.

Mas não foi só essa ação que ficou na gaveta. Também acabou suspensa a auditoria mais abrangente que detetou graves deficiências no funcionamento e organização da Cruz Vermelha, a começar pelo facto de não estar a apresentar declarações ao fisco.

Quanto às subvenções, embora os auditores tenham concluído que a ausência de regime legal existia desde pelo menos 2007, o Estado já só poderia pedir em 2016 a devolução aos cofres públicos de valores referentes até 2011. Por isso, o diretor da equipa de inspetores pediu a reposição dos montantes pagos nos cinco anos.

O travão imposto pela chefia da IGF deixou na gaveta o pedido de devolução dos 8,7 milhões de euros e a própria auditoria que nunca foi enviada à Cruz Vermelha, ao Tribunal de Contas ou ao Ministério da Defesa Nacional.

Vítor Braz alega que o montante que o responsável da auditoria propunha que fosse devolvido aos cofres do Estado continha “informação avulsa” para pedir a reposição. Semanas depois, Braz decidiu exonerar esse diretor.

Outra recomendação da equipa de auditores, que ia no sentido de a secretaria-geral do ministério deixar de pagar as subvenções enquanto não existisse um regime legal que o permitisse, também acabou por não avançar. Os apoios continuaram a ser atribuídos. Já em 2017, a Cruz Vermelha voltou a receber 1,4 milhões de euros de subvenções.

Buscas em casa

As casas de Vítor Braz e de Isabel Castelão Silva e os gabinetes na IGF foram alvo de buscas na terça-feira no âmbito de uma investigação a crimes de corrupção passiva, peculato e abuso de poder, num inquérito onde os procuradores tentam apurar a forma como ações de fiscalização “lesaram gravemente o Estado nos seus interesses financeiros”.

A investigação passa por saber como os dois responsáveis terão impedido uma fiscalização mais profunda à Cruz Vermelha, que foi alvo de buscas pelo Ministério da Defesa Nacional.

A Cruz Vermelha recebeu da Secretaria-Geral do Ministério da Defesa 15,9 milhões de euros entre 2007 e 2016. Em alguns anos foram pagos 1,4 milhões, noutros 1,5 milhões, ou num deles dois milhões – diferenças que não tinham uma justificação coerente.

Em 2016, o ministério suspendeu o pagamento de alguns apoios à instituição. “As transferências dos meses de outubro, novembro e dezembro foram suspensas por não terem sido entregues as contas referentes ao ano de 2015″, informou o ministério.

A investigação do Ministério Público e da PJ prossegue. Está de pé há vários meses e as buscas desta semana com 50 inspetores serviram para recolher prova de forma a apurar “responsabilidades individuais de dirigentes da administração pública da área de serviços com a missão designadamente do controlo financeiro e fiscal do Estado”. O comunicado refere também “indícios da prática de atos ilícitos em procedimentos concursais”.

Depois de se saber das buscas na terça-feira, o Ministério Público recebeu um ofício do gabinete do ministro das Finanças, Mário Centeno, pedindo informação sobre o envolvimento de dirigentes da administração pública nos factos investigados. Na quarta-feira não havia arguidos constituídos.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Ministro holandês faz mea culpa. "Não fomos suficientemente empáticos" com o sul da Europa

O ministro das Finanças holandês reconheceu que foi infeliz nas posições que assumiu sobre a resposta económica à pandemia de covid-19, assumindo que mostrou pouca “empatia” com os países do sul da Europa. Em declarações à …

Estados Unidos admitem possibilidade de novo surto no outono

O diretor do Instituto Nacional de Alergias e Doenças Infecciosas dos Estados Unidos disse haver a possibilidade de o país enfrentar um novo surto depois do verão, mas lembrou que nessa altura "várias coisas vão …

Mortes em Portugal estão a aumentar desde o início do mês (sem contar com a Covid-19)

Já morreram mais pessoas em Portugal, neste ano, do que em igual período do ano passado, com especial destaque para o  mês de Março, onde a taxa de mortalidade aumentou, mesmo sem contar com as vítimas de …

PCP quer reabrir camas e decretar preços máximos nos combustíveis para enfrentar pandemia

O PCP apresentou um pacote extenso de propostas para fazer face aos impactos do surto de covid-19. Entre elas está a reabertura do Hospital Militar. O PCP apresentou um conjunto de medidas para fazer face ao …

Houseparty nega pirataria e oferece recompensa milionária a quem provar "campanha difamatória"

A aplicação favorita de quem está em quarentena está sob acusação de piratear contas de outras apps. A Houseparty nega e oferece uma recompensa de 1 milhão de dólares a quem provar a "campanha de …

"Agricultura não pára". Há trabalho no campo para os trabalhadores em lay-off

Com a época das colheitas à porta e a falta de braços no campo, a Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) vai propor ao Governo a criação de plataformas de emprego temporário para permitir aos …

Covid-19. Cerimónias fúnebres proibidas em Espanha

As cerimónias fúnebres foram hoje proibidas em Espanha, o segundo país mais afetado pela covid-19 no mundo, e os funerais não podem ter mais do que três pessoas presentes, para impedir a propagação da pandemia …

Falta de meios dificulta marcação de testes à Covid-19

Os utentes do Norte referenciados pelas autoridades de saúde para fazerem o teste à Covid-19 estão a ter grandes dificuldades na marcação nos laboratórios recomendados, devido ao disparo na procura e ao facto de a …

"Impõe-se manter as medidas de contenção", diz Marcelo

O Presidente da República afirmou esta terça-feira que se impõe manter as medidas de contenção que vigoram em Portugal, referindo que essa foi uma opinião unânime na segunda reunião técnica sobre a situação da covid-19 …

Crise poderá levar a Juve a vender Ronaldo por 70 milhões

A crise financeira causada pela pandemia de covid-19 poderá "obrigar" a Juventus a vender Cristiano Ronaldo por 70 milhões de euros, avança a imprensa italiana, frisando que existem mais dois cenários em cima da mesa. O …