Eventual criação do indicador “incidência vizinha” pode influenciar planos do Governo

Homem de Gouveia / Lusa

Esta terça-feira, na reunião no Infarmed, o matemático Óscar Felgueiras defendeu a criação de um novo indicador, “incidência vizinha”, que teria como vantagens sinalizar risco associado à proximidade de zonas mais críticas e evitar a sobrevalorização de surtos em pequenos concelhos.

Na sua intervenção por videoconferência, Óscar Felgueiras adiantou que o indicador de risco local que tem sido privilegiado para adoção de medidas tem sido a incidência concelhia a 14 dias.

Para o professor da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, “um dos problemas da consideração da incidência concelhia como indicador único é por vezes haver pequenos concelhos onde o número de casos não é muito grande, mas é o suficiente para ter a incidência muito alta”.

Analisando um mapa com as incidências concelhias nos vários concelhos, entre 27 de março e 10 de abril, Felgueiras afirmou que há alguns concelhos a vermelho, acima de 240 por 100 mil habitantes e também a laranja, entre os 120 e 240 casos por 100 mil habitantes.

Para explicar a importância do novo indicador, Óscar Felgueiras deu como exemplo o caso de Vimioso (no distrito de Bragança), que tem uma incidência de covid-19 de 249 casos para uma população de quatro mil habitantes.

Mas se tivermos em consideração a sua vizinhança, Vimioso tem quatro concelhos vizinhos {Mirando do Douro, Mogadouro, Macedo de Cavaleiro e Bragança] reparamos que nesta região circundante existem 36 casos para 67 mil habitantes”, adiantou.

O investigador adiantou que se se considerasse “esta região por inteiro” registava-se uma incidência de 53 casos por 100 mil habitante, “significativamente abaixo daquela incidência localizada em Vimioso”.

“Podemos então pensar em definir aqui um indicador que seria incidência vizinha do concelho em questão, tomando exatamente a mesma definição que tomamos para a incidência do concelho, ou seja, os casos em 14 dias por 100 mil habitantes, e neste caso teríamos Vimioso com uma incidência elevada e uma incidência vizinha significativamente mais reduzida”, salientou.

Como vantagens da “incidência vizinha”, apontou “o sinalizar o risco associado à proximidade de zonas mais críticas“, evitar a sobrevalorização de surtos em pequenos concelhos se o contexto circundante não justifica, é o exemplo do Vimioso, e favorecer uma maior continuidade geográfica neste indicador.

No entanto, advertiu, “existe também uma desvantagem que é uma eventual excessiva suavização do risco” que poderá ser evitada com uma média ponderada entre o indicador concelhio e o da vizinhança. “Não tem como objetivo fazer uma previsão pura, mas sinalizar zonas de risco”, explicou.

Segundo o especialista, o indicador “incidência vizinha” pretende ser “uma métrica acessível que traduza o risco de proximidade e mobilidade esperada entre concelhos” e “uma ferramenta para implementar medidas de saúde pública preventivas e servir também como complemento ao indicador mais preciso que tem sido a incidência concelhia que determina zonas de reação”.

“Perante uma subida súbita da incidência, deve-se atuar de forma reativa, testar, rastrear, isolar” e “em concelhos vizinhos que tenham uma incidência ajustada elevada também se justifica provavelmente haver alguma prevenção”, defendeu.

Novo indicador pode influenciar planos

António Costa deixou claro, no início do mês, que caso os concelhos se mantivessem em níveis de risco em duas avaliações consecutivas, o desconfinamento não avançaria, com impactos nos concelhos vizinhos que também poderiam ser alvo da mesma decisão.

No entanto, realça o Público, o indicador da incidência vizinha pode influenciar uma tomada de decisão do Governo.

Ao diário, o especialista explicou que, “ao passo que a incidência é um indicador especifico do concelho, a incidência vizinha é um indicador menos especifico que dá o contexto dos concelhos à volta”.

“Na prática, se tiver um concelho pequeno com um surto isso não vai à partida, por si, fazer o risco aumentar demasiado, caso não haja contexto circundante que o justifique”, completou.

Isto significa que, se a taxa de incidência vizinha for baixa, provavelmente não se justificará que as medidas a tomar sejam excessivamente restritivas quer para o concelho em causa como para os circundantes.

Este novo indicador, proposto na reunião que se realizou no Infarmed, pode ajudar a evitar a sobrevalorização de surtos em concelhos com pouca população e funcionar como indicador preventivo ao sinalizar a proximidade a zonas de risco por terem mais casos de covid-19.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Sondas espaciais com "cunho" português vão passar perto de Vénus

As sondas espaciais europeias Solar Orbiter e BepiColombo, ambas com tecnologia e ciência portuguesas, vão passar perto de Vénus a 9 e 10 de agosto, respetivamente, anunciou esta segunda-feira a Agência Espacial Europeia (ESA). A passagem …

Elvis Presley terá morrido de doenças genéticas (e não por overdose de medicamentos)

Segundo um novo livro de Sally Hoedel, a morte de Elvis Presley estará, afinal, relacionada com o tratamento para doenças congénitas das quais sofria. O cantor norte-americano, que morreu há quase 44 anos, estava fortemente medicado …

A cidade mais populosa de África está a viver em contra-relógio

Os habitantes da Nigéria, o país mais populoso de África, já estão habituados a contornar as inundações anuais que invadem o país. No entanto, este ano a situação saiu fora do controlo, com o principal …

"Pensávamos que a Casa Branca mandava". Biden sob fogo devido ao fim da proibição dos despejos

A inacção de Joe Biden perante o fim das moratórias que proíbem os despejos durante a pandemia está a ser criticada até dentro do próprio Partido Democrata. A moratória federal aos despejos acabou este sábado, para …

Na ausência de Biles, Sunisa Lee coroou-se rainha da ginástica. É a primeira hmong a ganhar ouro

Sunisa Lee chegou a Tóquio com a missão de ajudar os Estados Unidos a garantir o ouro e de garantir a presença em finais individuais de aparelhos. Com o abandono de Biles, tornou-se a estrela …

Presidente afegão culpa retirada “abrupta” dos EUA pelo rápido avanço dos talibãs

O chefe de Estado afegão prometeu vencer o conflito com as milícias talibãs e os Estados Unidos dizem-se prontos a receber mais milhares de refugiados. O Presidente do Afeganistão, Ashraf Ghani, prometeu esta segunda-feira vencer o …

42% das pessoas em enfermaria no Hospital de são João têm vacinação completa

No Centro Hospitalar de São João (CHSJ), 42% das pessoas internadas em enfermaria e 15% das internadas em unidades de cuidados intensivos tinham a vacinação completa. Segundo os últimos dados da Direção-Geral da Saúde (DGS), apenas …

António Oliveira e uma arbitragem "conveniente"

Athletico Paranaense perdeu novamente no Brasileirão e a equipa de arbitragem ajudou os vencedores, queixou-se o treinador português. O Athletico Paranaense, líder do Brasileirão nas primeiras jornadas, está numa fase negativa: apenas uma vitória nas últimas …

André Ventura - Chega

Autárquicas. Chega concorre sozinho a 220 municípios para avaliar o seu "impacto"

André Ventura anunciou esta segunda-feira que o Chega irá concorrer nas eleições autárquicas a “cerca de 220 municípios” do país, sublinhando que o partido vai a votos sozinho para avaliar o seu “impacto”, mas sem …

Ex-guarda nazi julgado aos 100 anos por cumplicidade em assassinatos

Um homem de 100 anos que supostamente serviu como guarda num campo de concentração nazi será julgado em outubro por cumplicidade no assassinato de mais de 3.500 pessoas durante a Segunda Guerra Mundial, informou a …