Incêndio descontrolado alastra a Silves e Portimão. Monchique à espera de plano de limpeza há 7 meses

Filipe Farinha / Lusa

A zona onde se iniciou o incêndio que lavra há vários dias na serra de Monchique, no distrito de Faro, está há sete meses à espera da aprovação de um plano de intervenção, que prevê a abertura de caminhos e de pontos de água para os bombeiros. Um dado que surge quando os bombeiros profissionais criticam o Governo pelas medidas implementadas.

Os representantes dos bombeiros profissionais pediram uma audiência “muito urgente” com o ministro da Administração Interna para “saber porque voltamos a ter fogos com uma duração de mais de três dias, tanto mais que era conhecido há meses que a Serra de Monchique constitui uma zona de alto risco“.

Uma posição que surge depois da reunião entre a Direcção Nacional da Associação Nacional de Bombeiros Profissionais (ANBP) e o Sindicato Nacional de Bombeiros Profissionais (SNBP), onde se avaliou a situação dos incêndios rurais, especialmente o incêndio na serra de Monchique, no Algarve, que lavra há vários dias.

Os bombeiros profissionais contestam as medidas tomadas pelo Governo para o combate aos incêndios, bem como as medidas de prevenção, criticando o facto de o fogo de Monchique ainda não estar controlado, apesar de envolver “mais de um milhar de operacionais, duas centenas de veículos, 13 meios aéreos e um número considerável de máquinas de arrasto”.

As duas entidades de bombeiros consideram “lamentável que voltem a ser destruídas habitações e que o perímetro urbano do concelho de Monchique esteja a viver dias de terror”. Por isso, apelam ao Governo para “repensar a estratégia de combate” aos incêndios, desafiando as autoridades a apurarem se “não haverá falhas técnicas e operacionais que se repetem de ano para ano”.

“Um processo burocrático estúpido e sem fim”

Críticas chegam também da Associação dos Produtores Florestais do Barlavento Algarvio (ASPAFLOBAL) que lamenta que o Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) mantém na gaveta um plano para a Zona de Intervenção Florestal (ZIF) da Perna da Negra, onde se iniciou o incêndio de Monchique, e que prevê a abertura de caminhos, aceiros e pontos de água.

Há cerca de sete meses que enviámos para o ICNF um plano estruturante para a ZIF de Perna da Negra [gerida pela ASPAFLOBAL] e nada foi feito”, queixa-se o presidente desta Associação, Emílio Vidigal, em declarações ao Público. “Está tudo embrulhado na burocracia, só nos fazem perguntas de lana caprina e nada avança”, acrescenta.

“Há mais de um ano que todos sabem que Monchique estava no topo da lista das zonas com maior risco de incêndios florestais. Há mais de um ano que todos sabem que a serra de Monchique era a próxima a arder“, diz ainda Emílio Vidigal.

Um dos principais problemas que os bombeiros têm enfrentado no combate ao incêndio de Monchique é precisamente a falta de caminhos de acesso e de pontos de água. Uma situação que deixa Emílio Vidigal “revoltado” porque “toda a gente sabe que esse era um dos problemas que era preciso resolver”, diz. “O ICNF há muito tempo que sabe que isso precisava de ser feito com urgência. Está tudo identificado e explicado no nosso plano“.

Emílio Vidigal revela ainda que, “dois dias antes destes incêndios”, o ICNF enviou à ASPAFLOBAL “um conjunto de 30 perguntas” em que pediam dados como “os estatutos da associação” ou comprovativos de que não têm “dívidas à segurança social”. “Um processo burocrático estúpido e sem fim”, critica.

O presidente da ASPAFLOBAL tem também a “certeza” de que se o plano da Associação tivesse sido implementado, o combate ao incêndio no terreno “teria sido mais efectivo”, porque “os bombeiros, em vez de estarem a olhar para os helicópteros a despejarem água, tinham podido combater as chamas do terreno e isso podia ter mudado muita coisa”.

Fortes reactivações complicam combate

As chamas continuam a lavrar em Monchique, com mais de mil operacionais a fazerem o combate no terreno, apoiados por 341 veículos e um total de 24 máquinas de rasto.

Nesta altura, o fogo já se estendeu também aos concelhos de Portimão e Silves. Durante a noite, foi necessário evacuar mais de 250 pessoas das suas casas, por precaução, e todos os acessos a Monchique estão cortados, conforme apurou o jornal i.

Os meios aéreos – um helicóptero bombardeiro pesado, cinco helicópteros bombardeiros ligeiros, seis aviões bombardeiros médios, cinco aviões bombardeiros pesados e dois aviões de avaliação e coordenação para apoio à decisão – recomeçaram, nesta terça-feira de manhã, o combate ao incêndio que começou na sexta-feira, pelas 13 horas, tendo provocado até ao momento 29 feridos ligeiros e um grave.

A Protecção Civil salienta que se registam “em todo o perímetro do incêndio fortes reactivações que, associadas à intensidade do vento, tomam de imediato grandes proporções”.

A previsão meteorológica permanece desfavorável, com ventos moderados com rajadas fortes e temperatura a rondar os 35 graus. Todavia, a humidade relativa vai aumentar para 35% a 40%, o que pode ajudar no combate.

A Protecção Civil apela às populações para que cumpram “escrupulosamente” as indicações das autoridades.

Entretanto, o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, anunciou, em conferência de imprensa, que a direcção de operações vai agora passar para o Comando Nacional da Protecção Civil, falando de “uma grande operação em condições adversas”.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

7 COMENTÁRIOS

  1. Toda a gente sabia que isto iria acontecer mas os governantes não querem saber do povo para NADA. O povo só serve p/ votar p/ eles continuarem a ROUBAR e pôr-nos a pagar impostos e mais impostos, p/ eles se encherem. Data de CORRUPTOS. O outro como no ano passado está de FERIAS e deixa-se estar, Não é NADA com ele. Este Povo é muito pacifico se fosse outro já tinham tomado outras atitudes…

  2. estas situações acontecem porque a irresponsabilidade dos nossos governantes só serve para eles se servirem, caso eles tivessem que pagar coimas pelos erros e promessas que fazem creio que a situação económica se resolvia no primeiro mês de governação, vejam só quanto já arrecadaram pelas multas passadas aqueles que na maior parte dos casos nem dinheiro tem para comprar uma garrafa de agua a quem poderia limpar os seus terrenos, triste miséria de PAÍS

    • E quem iria aplicar ou passar multas ou contra-ordenações a esta cambada de aproveitadores do povo? Comilões já temos que chegue. Alterem os estatutos do deputados e que passem a ter as “mordomias” e vencimentos iguais aos dos funcionários públicos. Deputado ou qualquer outro cargo político não são profissão. Alterem as regras de funcionamento, estatutos e outras virgulas da AR e veremos se temos tantos candidatos aos lugares de mamões!
      Queixavamo-nos do PSD e kompanhia e afinal estes tretas são ainda piores!

  3. Incêndio descontrolado ?!? Não !
    Governo descontrolado… e de férias !
    Incêndio de Monchique podia ter sido evitado.
    A ignorância aos avisos, e a lentidão e falta de meios nos primeiros momentos da ignição colocaram em perigo aquela zona do país.
    Para já, rolou a cabeça do comandante que liderava o ataque. Mas se não mudarem a atitude tudo ficará em cinzas.

  4. com os mafarricos a governar(em) se a nossa custa… com o vermelho do sangue , sugado ao povo aos velhos despejados das suas casas, aos pobres por quem nem seqer sentem compaixao, com as foices e martelos em punho contra deus e contra a partia e contra a familia… so podiam chamar o fogo e a desgarça à nossa querida terra….mas infelizmente nem o rolha dos beijinhos nem o bon senso de muitos abstencionistas impede que as chamas do inferno se propague e se instale.

  5. O problema é estrutural e de base.
    Trata-se de uma cambada de burocratas que empancam tudo para justificar comissões, analistas, estudos e mais estudos… Andamos governados por parasitas incompetentes e idiotas que defendem, estupidamente, romantismos e ideologias poéticas enquanto o povo morre queimado, massacrado e explorado.
    Recentemente passei na estrada Alcanede – Monsanto – Alcanena e é revoltante ver como é que uma canalhada a que chamam Parque Natural e afins compromete e condiciona todo o bem estar e desenvolvimento de um povo, bloqueando as obras de recuperação de uma estrada que é a principal via de comunicação e transportes de um sector fundamental para a Indústria do Calçado e para a Economia Portuguesa. Há pelo menos 20 anos que esta estrada principal precisa de uma intervenção de fundo, sendo que, neste momento mais parece um caminho de cabras, frequentado diariamente por camiões e carrinhas de transportes, sem vestígios de escrúpulos ou ações dos iluminados de secretária, nem tão pouco de quem devia dar uns murros na mesa e rifar os pelouros e interesses desses parasitas.
    É exatamente o mesmo que acontece com as medidas de prevenção dos incêndios florestais…
    Estupidez demagógica de quem mata a função em detrimento da (má)forma.
    E é pago por isso!!!

  6. O que é verdade é que os incêndios dão pão a muita gente, os bombeiros quanto mais horas tiverem mais ganham, os madeireiros lucram, os pilotos dos aviões e helicópteros lucram, as empresas que gerem as manutenções dos meios aéreos lucram, os jornalistas/jornais e TVs lucram, as empresas que vendem o material de combate a incêndios lucram, os funcionários da proteção civil lucram…
    O único que fica a ver os carros eléctricos a passar é o Zé povinho!
    Até à oposição lucra com os incêndios, mas quando lá estavam faziam exatamente o mesmo!
    Em relação às férias do Costa Xamussas, não vejo questão, desde que esteja contactável!

Responder a JR Cancelar resposta

João Ferreira desafia Marcelo a assumir candidatura "o quanto antes"

  João Ferreira, candidato comunista às presidenciais, acredita, como os "todos" os portugueses, que Marcelo Rebelo de Sousa será recandidato, mas desafiou-o esta segunda-feira a dizê-lo "quanto antes", por "uma questão de transparência". “Já todos perceberam o …

Irão. Líder Supremo pede punição pela morte de cientista que liderou programa nuclear

O líder supremo do Irão, o Ayatollah Ali Khamenei, exigiu no sábado punição pela morte do cientista Mohsen Fakhrizadeh, que liderou o programa nuclear de Teerão, enquanto a República Islâmica culpa Israel pelo assassinato. Israel, há muito …

Portugal é o país da UE mais próximo de atingir metas climáticas para 2030

Portugal é o país da União Europeia (UE) mais perto de atingir as suas metas climáticas de redução de emissões até 2030, relativamente aos níveis de 2005, segundo um relatório esta segunda-feira publicado pela Comissão …

Novos casos aumentam mais de 50% em oito concelhos do Norte

O número de novos casos de infeção no Norte aumentou mais de 50% em oito concelhos da região, seis dos quais no distrito de Vila Real e dois em Bragança, segundo o relatório da Administração …

União Europeia convida Joe Biden para cimeira presencial durante presidência portuguesa em 2021

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, convidou o Presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, para uma cimeira presencial no primeiro semestre de 2021, durante a presidência portuguesa da União Europeia. Fontes europeias informaram que …

Maior controlo nas fronteiras não foi eficaz para conter o vírus, diz Cabrita

O ministro da Administração Interna considerou esta segunda-feira que o maior controlo nas fronteiras internas do espaço Schengen, durante os primeiros meses da pandemia, não foi eficaz para conter o novo coronavírus. “Ao nível das fronteiras …

Hospitais de Coimbra estão "muito próximos" do limite de capacidade

O Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) está "muito próximo do limite de capacidade" de resposta à covid-19, devido à falta de recursos humanos, disse esta segunda-feira o presidente do conselho de administração da …

Médico de Maradona apresenta-se voluntariamente às autoridades judiciais

O médico Leopoldo Luque apresentou-se esta segunda-feira voluntariamente às autoridades judiciais para explicar as circunstâncias em que ocorreu a morte do ex-futebolista Diego Maradona, depois de a sua casa e o seu consultório terem sido …

Itália mantém recolher obrigatório no Natal e Ano Novo

O ministro dos Assuntos Regionais italiano anunciou esta segunda-feira que o recolher obrigatório se vai manter durante o Natal e Ano Novo, no mesmo dia em que o Governo aprovou um novo plano de apoio …

Papa Francisco defende distanciamento social e é criticado por radicais de direita

Num artigo no New York Times sobre o Dia de Ação de Graças, o Papa Francisco defendeu as restrições levantadas para combater a pandemia covid-19, acabando por ser criticado por alguns radicais de direita, que …