Incêndio em Monchique já fez 25 feridos. Chamas continuam por controlar

Filipe Farinha / Lusa

O incêndio deflagrou na sexta-feira e já mobilizou, pelo menos, mil operacionais

Vinte e cinco pessoas ficaram feridas durante a noite deste domingo no incêndio que lavra desde sexta-feira no concelho de Monchique e que já obrigou a evacuar diversas localidades e pelo menos uma unidade hoteleira.

Em declarações à agência Lusa, fonte Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC) disse que um dos feridos, uma senhora de 72 anos, estava em estado grave e teve de ser transportada de helicóptero para o Hospital de Santa Maria, em Lisboa.

Segundo Manuel Cordeiro, adjunto de operações nacional da ANPC, até às 05:45 o Instituto Nacional de Emergência Médica tinha registado 64 ocorrências, com 40 pessoas assistidas – 12 civis e 28 agentes da proteção civil.

O responsável explicou que, ao início da manhã, o incêndio progredia em duas frentes: uma em direção a Caldas de Monchique, Podalgais e Vale do Boi e outra a avançar em direção à freguesia de São Marcos da Serra.

A mesma fonte explicou que o fogo ladeou durante a noite a barragem de Odelouca, que ao início da manhã de hoje progredia em direção à Estrada Nacional 124 (Sul) e que foram colocadas no terreno diversas máquinas de rastro para tentar travar o avanço das chamas.

O responsável da ANPC disse ainda que houve durante a “noite várias projeções” deste incêndio, sobretudo em Caldas de Monchique, e que as chamas obrigaram a evacuar as localidades de Caldas de Monchique, Rasmalho, Monchicão, Barranco do Banho e Montinho.

Manuel Cordeiro sublinhou ainda o “importante papel” do pelotão de militares no apoio à GNR na evacuação destes aglomerados populacionais.

Pelas 07:30, estavam no terreno 1.017 operacionais, apoiados por 307 viaturas e um meio aéreo (kamov) estava já a caminho. Os helicópteros aguardavam para poder levantar voo e ajudar nas operações, uma vez que o intenso fumo do incêndio lhes retirava visibilidade.

Este incêndio deflagrou cerca das 13:30 de sexta-feira, em Perna da Negra, no concelho de Monchique.

A vila de Monchique amanheceu hoje debaixo de uma nuvem de fumo, devido ao fogo que lavra na serra algarvia, não dando tréguas aos moradores e bombeiros, que combatem as chamas.

A circulação dentro da vila de Monchique estava às primeiras horas da manhã condicionada ao trânsito, assim como a estrada nacional 266, proveniente de Portimão.

Proteção Civil admite existência de casas ardidas

O comandante operacional nacional da Proteção Civil, Duarte da Costa, admitiu, na noite de domingo, a possibilidade de haver casas queimadas no fogo que lavra desde sexta-feira no concelho de Monchique, no distrito de Faro.

“Num conjunto de pequenas povoações ao longo de toda a área do incêndio, pode ter havido algumas casas isoladas que terão sofrido as ações das chamas”, disse.

Nas próximas 24 horas “vamos tentar aproveitar aquilo que é uma inversão térmica das condições atmosféricas, muito adversas nas últimas noites, aproveitar o aumento da humidade relativa que esta noite se prevê que chegue aos 50%, e um ligeiro abaixamento de temperatura”.

“Com todos os meios que se estão neste momento a dirigir para sul, nomeadamente cinco grupos de combate, força especial dos bombeiros, Forças Armadas e GNR, para que possamos durante a noite conseguir conter finalmente este incêndio que já dura há tempo demais”, explicou.

Marcelo destaca resposta “brutal”

O Presidente da República disse, no domingo à noite, que está a acompanhar permanentemente a situação em Monchique, sublinhando a capacidade de resposta “brutal” no combate ao fogo, sem colocar em risco o resto do país.

“Estou ao longo do dia em permanente contacto com o senhor ministro da Administração Interna, começa logo às nove da manhã, quando temos o primeiro contacto, dura ao longo do dia e ainda há pouco tempo tive um novo contacto. Estou a acompanhar o que se passa”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, em declarações à RTP3.

Considerando que os 900 operacionais que estão mobilizados para o incêndio em Monchique, que deflagrou na sexta-feira, “é uma coisa brutal em termos de capacidade de resposta”, sem pôr em risco o restante território nacional, o chefe de Estado reconheceu diferenças em relação ao que se passou no ano passado, nos fogos de junho e de outubro.

“Acho que se olhar para os meios que estão a ser utilizados, há aqui uma diferença de meios muito significativa, meios aéreos por um lado, meios no terreno por outro lado, a forma de estrutura e de prevenção”, referiu, ressalvando, contudo, que o mês de agosto ainda está no início.

De qualquer forma, insistiu, “neste momento a situação é uma situação circunscrita e limitada e isso faz diferença indiscutivelmente ao que se viveu antes de junho do ano passado e ao que se viveu entre junho e outubro”.

Marcelo Rebelo de Sousa disse, ainda, que não se irá deslocar a Monchique, recordando as críticas que a Comissão Técnica Independente aos incêndios de Pedrógão Grande fez à sua ida ao terreno em junho de 2017, quando estavam ainda ativos os fogos naquela região.

Situação “mais favorável” mas “continua sensível”

“Neste momento, o Governo espanhol já disponibilizou dois Canadair. Caso haja condições de atuar, hoje mesmo à tarde, provavelmente, já cá teremos os dois”, adiantou Artur Neves aos jornalistas, durante um balanço da situação do incêndio, perto das 10:00.

Durante a manhã, os meios aéreos estiveram impossibilitados de atuar, devido ao intenso fumo originado pelo incêndio, mas prevê-se que comecem a atuar logo que o fumo se dissipe, disse na ocasião o segundo comandante operacional distrital, Abel Gomes.

A falta de visibilidade também dificultou a avaliação das áreas afetadas pelo fogo por parte das autoridades, que ao início da manhã realizaram um voo de reconhecimento sobre a serra de Monchique.

“O reconhecimento aéreo não nos permitiu ver muito aquilo que nós, em pormenor, queríamos ver, porque o fumo não permitia. Fizemos um reconhecimento muito mais alargado do que aquilo que era o objetivo, em termos de distância”, sublinhou.

A situação do fogo que pelo quarto dia lavra na serra de Monchique é hoje de manhã “muito mais favorável”, mas continua “muito sensível”, com vários “pontos quentes” a causar preocupação às forças de socorro e segurança.

De acordo com o segundo comandante operacional distrital de Faro, Abel Gomes, que fazia um balanço perto das 10:00, “neste momento a situação é muito mais favorável do que foi durante a noite”, mas mantêm-se “situações que são sensíveis e merecem preocupação”, havendo uma limitação no que respeita à atuação de meios aéreos, que não conseguem operar devido ao fumo intenso.

No balanço mais recente, o responsável adiantou que, desde o início do incêndio, já houve 44 pessoas assistidas, 31 das quais agentes da Proteção Civil e 13 civis.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Todos os anos é sempre a mesma história.. Aumenta a area ardida de floresta, as temperaturas sobem e a humidade desce secando mais rapidamente toda a vegetação A única hipotese é a reorganização do territorio, uma reflorestação e mobilização a nivel nacional, para além do reforço de meios de combate aos incêndios.

    • A única hipótese é trazer de volta a pena de morte e esta ser aplicada, entre outros, aos incendiários.
      Você pode reorganizar a floresta como quiser, fazer limpeza total, contratar mil meios aéreos e 1 milhão de bombeiros, podia fazer a prevenção que quisesse e não mudava nada.
      90% ou mais dos fogos são de origem criminosa e enquanto a justiça e a política for o que é, vai ser assim até este País ser um deserto.
      Tenho a certeza que com a pena de morte mais nenhum FDP iria arriscar atear fogos.
      Se continuar como é, vamos perdendo vidas, habitações, floresta e gastamos milhões de euros em combate aos incêndios.
      Ás vezes até parece que o fogo é um negócio que dá muito dinheiro a algumas pessoas e empresas.
      Só isto explicaria a ineficácia da política e a justiça que temos em relação aos incêndios.
      Para dar um exemplo, no ano passado um bombeiro e um sapador florestal foram condenados por atearem fogos. Este ano já apanharam mais dois bombeiros. Aposto que nenhum está preso. Se temos bombeiros a atear fogos, então não vale a pena fazer nada. Os criminosos não se sentem ameaçados com estes politicos e justiça e a impunidade reina na nossa sociedade.

  2. É apenas a minha opinião e vale o que vale.
    O nosso presidente “considera que os 900 operacionais que estão mobilizados para o incêndio em Monchique é uma coisa brutal em termos de capacidade de resposta”, esqueceu-se de acrescentar que é também “é também uma coisa brutal em termos de incapacidade de solucionar o problema”.
    A protecção civil destaca que a condição climatérica, hoje de manhã (ontem), é “muito mais favorável”, mas continua “muito sensível”, com vários “pontos quentes”… Se é um incêndio tem certamente “pontos quentes”. O grande problema, na minha opinião, é que são demasiados a dar ordens e com demasiada ineficácia, até parece que estão à espera que o fogo se extinga por obra e graça de alguma entidade celestial.
    Já era tempo de ter no comando gente séria e com capacidades para resolver esta e outras questões, que deixe os operacionais fazerem o seu serviço eficazmente, que não evacue à força aqueles que querem proteger os seus bens para depois deixarem tudo arder. Já era tempo de responsabilizar os ineficazes que levam os moradores ao desespero e deixam perder os seus bens.
    Critique-me quem quiser, é apenas a minha opinião e aquilo que eu sinto.

RESPONDER

Tweet de Elon Musk afunda Bitcoins (e dá força à criptomoeda que nasceu como meme)

A Tesla vai deixar de aceitar Bitcoins como forma de pagamento. A revelação foi feita por Elon Musk numa publicação no Twitter e levou à queda do valor da criptomoeda no mercado. A par disso, …

Investigadores criam nova solução para óculos de realidade virtual e aumentada

Uma equipa de investigadores criou uma nova tecnologia para fornecer óculos de realidade virtual que não parecem "olhos de inseto". Num novo artigo publicado na Science Advances, os especialistas descrevem a impressão de ótica de forma …

Genética da população portuguesa pode explicar deficiência de vitamina D

Investigadores portugueses concluíram que a população portuguesa tem uma prevalência superior à média europeia de algumas alterações genéticas que levam a uma predisposição para o défice de vitamina D. Este estudo, coordenado pelo Centro Cardiovascular da …

Polónia quer comprar casa de campo francesa (para recuperar o legado de Marie Curie)

A Polónia quer comprar e renovar a casa de campo francesa de Marie Curie e transformá-la num museu, naquele que é um esforço para reivindicá-la como génio científico e pioneira polaca. Embora tenha nascido na Polónia, …

Min Nyo é jornalista, cobriu os protestos em Myanmar e foi condenado a 3 anos de prisão

Min Nyo, um jornalista birmanês de 51 anos, foi condenado a três anos de prisão pela sua cobertura dos protestos na sequência do golpe de Estado em Myanmar. Min Nyo, que trabalhava para a DVB (Voz …

McDonald's e Casa Branca unem-se para sensibilizar população a ser vacinada

Numa parceria com a Casa Branca, a cadeia de fast food norte-americana também está a dar o seu contributo para sensibilizar a população para a vacinação contra a covid-19. A ideia é promover informações relevantes sobre …

Voo "para lado nenhum" esgota em tempo recorde. Bastaram 2,5 minutos

A companhia aérea australiana Qantas vendeu os bilhetes para o próximo "voo para lugar nenhum" em tempo recorde: 2,5 minutos. A Qantas está a promover um novo "voo para lugar nenhum" que dará aos famintos por …

Todos queriam "O Senhor dos Anéis". Mas cinemas chineses foram obrigados a exibir filmes de propaganda

Pequim ordenou que os cinemas chineses divulgassem propaganda em homenagem ao Partido Comunista. Os cinéfilos do país, que clamam pelos filmes de Hollywood, revoltaram-se. A 1 de abril, no dia em que entrou em vigor um …

Presidente da República condecorou Jorge Coelho a título póstumo

Marcelo Rebelo de Sousa condecorou, a título póstumo, o antigo ministro e dirigente socialista Jorge Coelho com a grã-cruz da Ordem do Infante D. Henrique. O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, condecorou esta quinta-feira, …

Comer caladas, autocarro sem parque, pavilhão sujo: assim foi uma final europeia

Episódios quase inacreditáveis rodearam a final feminina da Taça EHF. O diretor da equipa vencedora conta tudo o que aconteceu (e há muito para contar). O Rincón Fertilidad Málaga conquistou a Taça EHF feminina desta época. …