Há dirigentes com “benesses”. CDS mantém críticas ao #EstudoEmCasa

LIVRE / Facebook

O historiador e o fundador do Livre, Rui Tavares, surge num vídeo de uma aula de História e Geografia de Portugal do 5.º e 6º anos de escolaridade.

Telmo Correia, líder parlamentar do CDS-PP, manteve esta quinta-feira as críticas à escolha de um vídeo do historiador e fundador do partido Livre numa aula do @Estudoemcasa e insistiu que o Governo deve responder à pergunta que lhe foi dirigida.

“A pergunta está feita e o Governo terá de responder” porque “é inteiramente legítima”, disse o centrista à Lusa, considerando que a questão que está colocada é “se é normal ou não um líder partidário estar ali” e afirmando que “há alguns líderes partidários que parecem ter benesses junto do Estado que não estão acessíveis a outros”.

No dia 24 de abril, a aula da telescola de História e Geografia de Portugal para os 5.º e 6.º anos de escolaridade foi dedicada ao tema “Da Expansão Marítima do século XV à manutenção do Império Colonial no século XX”.

Nessa aula, lecionada por duas professoras, foi mostrado vídeo sobre a Exposição do Mundo Português, um excerto retirado do projeto “RTP Ensina”. O vídeo intitulado “Retratos da Exposição do Mundo Português”, da série “Memória fotográfica” e datado de 2018, está disponível no site dessa plataforma da televisão pública, e é da autoria de Jorge Nunes, Miguel Montez Leal e Rui Tavares.

É precisamente a voz e imagem do historiador e fundador do partido Livre, Rui Tavares, que aparece naquele conteúdo de seis minutos.

Na pergunta que entregou no parlamento, dirigida ao Ministério da Educação, o CDS-PP referiu que o módulo “foi parcialmente dado pelo historiador e político Rui Tavares, fundador do partido Livre e publicamente reconhecido como seu líder e porta-voz”.

Apontando que os deputados receberam “denúncias de várias pessoas, queixando-se de que o conteúdo foi dado sem isenção, mas sim com análise política e crítica do historiador (e, por isso, deturpada), relativas ao período em causa”, o CDS perguntou ao Governo se considera “aceitável a escolha de um político, independentemente do partido a que pertença, para ministrar aulas neste projeto”.

CDS anda “a brincar com coisas demasiado sérias”

Na sua habitual crónica do Público, publicada na quarta-feira, Rui Tavares acusou o CDS de andar “a brincar com coisas demasiado sérias”.

O político salientou que o episódio em que participa “contextualiza os argumentos do regime do Estado Novo e dos seus críticos e observadores internacionais, que as acusações de denegrir a pátria são absurdas, para além de ofensivas, e que ali o crivo crítico da interpretação historiográfica é igualmente aplicado a todo o tipo de regimes e políticos”.

“Menos do que isso, não é ser historiador, é ser escrivão da propaganda de regimes passados. Pelos vistos, há quem prefira”, acrescenta, acusando o CDS de atacar as duas professoras que “efetivamente deram a aula” e de não querer que os docentes tenham “autonomia pedagógica para escolher os seus conteúdos letivos dentro das linhas globais da Direção-Geral da Educação, como foi o caso”.

Do lado do Governo, numa resposta ao Expresso, o ministério da Educação sublinhou que Rui Tavares não é professor na telescola e que “como em qualquer aula, planificada pelos professores e validada pela Direção-Geral da Educação, os docentes utilizam os recursos pedagógicos que entendem adequar-se às matérias em questão”.

De acordo com o ministério liderado por Tiago Brandão Rodrigues, os docentes “recorrem com regularidade” à plataforma RTP Ensina para usarem conteúdos nas suas aulas, o que acabou por acontecer neste caso, “a utilização de um recurso pedagógico por parte das duas professoras de História e Geografia de Portugal”.

Questionado sobre o facto de Rui Tavares aparecer num vídeo e não a dar parcialmente aquela aula, como argumentavam os democratas-cristãos na pergunta enviada ao Governo, o líder parlamentar do CDS respondeu à Lusa que “se há uma parte que está agora esclarecida, ainda não estava na altura” em que a pergunta foi entregue na Assembleia da República.

Telmo Correia argumentou ainda que a questão em causa tem a ver “com a escolha dos conteúdos” lecionados. “A questão, ao contrário do que o próprio [Rui Tavares] tenta vir dizer, não tem a ver nem com o facto de ser ou não um historiador, tem a ver com o facto de ser um político com posição comprometida e extremista“, salientou, considerando que “não seria normal escolher aquele líder ou outros”.

A polémica teve origem na segunda-feira, quando o eurodeputado do CDS, Nuno Melo recorreu ao Twitter para criticar a escolha de Rui Tavares, referindo igualmente que tinha sido o historiador a lecionar aquela aula, e acusou-o de querer transformar os alunos “em cobaias do socialismo” e falando em “política travestida de educação, miséria”.

Entrando na discussão naquela rede social, o vice-presidente do PSD David Justino escreveu que “basta rever a ‘aula’ para perceber que o alarido é desonesto, manipulador e próprio de uma direita trauliteira sem escrúpulos”, dando “toda a razão” a Rui Tavares.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

CDS quer forçar reestruturação do SEF a passar pelo Parlamento

O CDS-PP defende que a reestruturação dos Serviços de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) tem de passar pela Assembleia da República e não pode ser concretizada através de legislação aprovada pelo Governo. Em causa está a extinção …

Portugal avança para 3.ª fase do desconfinamento. Todos os alunos regressam ao regime presencial

Esta segunda-feira, a generalidade do país avança para a terceira fase do processo de desconfinamento. A última fase acontece daqui a duas semanas, a 3 de maio. Na generalidade do território nacional vai ser possível, a …

Tal como os humanos, leões também são contagiados pelos bocejos

Uma equipa de cientistas descobriu que tal como nós, humanos, os leões também são sensíveis ao contágio dos bocejos. Tal como explica a revista Newsweek, a ciência tem várias explicações para o porquê de bocejarmos, podendo …

Joana Mortágua volta a ser candidata do Bloco de Esquerda à Câmara de Almada

A deputada Joana Mortágua é a candidata do Bloco de Esquerda (BE) à presidência da Câmara Municipal de Almada nas próximas eleições autárquicas, onde é vereadora desde 2017, adiantou este domingo à Lusa fonte do …

Foram administradas 183 mil vacinas durante o fim de semana

O primeiro-ministro anunciou, no Twitter, que foram administradas 183 mil vacinas este fim de semana. António Costa acredita que, até ao final deste mês, toda a população com mais de 70 anos pode estar vacinada. Este …

Cientistas criam ondas de luz que atravessam materiais opacos

Uma equipa de cientistas descobriu que é possível criar feixes de luz "indestrutíveis" que praticamente não se alteram quando atravessam um meio. Só se tornam fracos. Cientistas da Universidade de Utrecht, nos Países Baixos, e da …

Se o Planeta 9 existir, pode não estar onde pensamos

Uma equipa de astrónomos conseguiu obter novas informações sobre o Planeta 9 que podem significar que a sua órbita é muito mais elíptica do que o previsto. Konstantin Batygin e Michael Brown, do California Institute of …

As mudanças climáticas estão a contribuir para a alteração do sabor do café

Há muito tempo que se tem conhecimento que as mudanças climáticas têm tido um impacto negativo no ambiente e na população, o que não se sabia é que este fenómeno também está a afetar o …

Químicos encontrados na comida e no ar ameaçam a fertilidade dos homens

Em apenas algumas gerações, a contagem de espermatozoides humanos pode diminuir para níveis abaixo daqueles considerados adequados para a fertilidade. Esta é a afirmação alarmante feita no novo livro da epidemiologista Shanna Swan, "Countdown", que reúne …

"Nomadland" é aposta na reabertura das salas de cinema

As salas de cinema reabrem já na segunda-feira e a grande aposta é Nomadland – Sobreviver na América, da realizadora Chloé Zhao. O premiado filme Nomadland – Sobreviver na América, da realizadora Chloé Zhao, é a …