Governo paga mais juros ao FMI com o adiamento da venda do Novo Banco

André Kosters / Lusa

-

O adiamento da venda do Novo Banco vai acarretar vários custos, nomeadamente devido aos juros da dívida ao Fundo Monetário Internacional: ao não pagar antecipadamente 2,2 mil milhões de euros ao FMI, o Estado endivida-se em mais 1,7 mil milhões.

Diário de Notícias recorda que o Governo contava receber até o fim deste ano a totalidade do dinheiro que emprestou ao Novo Banco, através do Fundo de Resolução – o atual dono do banco. O adiamento da venda acabou por gerar um buraco de 3,9 mil milhões de euros no financiamento neste ano.

Para resolver o problema, as soluções encontradas foram, de acordo com a Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP) numa nota enviada aos investidores: pagar antecipadamente os 2,2 mil milhões de euros que faltavam, este ano, ao FMI, transferindo o encargo para o próximo ano (e para o próximo governo); emitir mais 500 milhões de euros em obrigações do Tesouro (OT) ainda em 2015; lançar um novo produto de poupança para as famílias baseado em OT, que deve gerar um encaixe de 800 milhões já este ano no conjunto da dívida de retalho (compra pelos particulares); e ainda usar 400 milhões de euros de dinheiro dos depósitos.

No entanto, para acomodar a falta desses 3,9 mil milhões, o IGCP “irá revisitar a estratégia de reembolso antecipado do empréstimo do FMI” e “em particular, reavaliar a intenção de reembolsar a terceira tranche do empréstimo até final do ano”, cita o DN.

Assim, o compromisso de pagar mais 2,2 mil milhões de euros em 2015 – o Estado já pagou 8,4 mil milhões este ano e contava chegar aos 10,6 mil milhões – passa para 2016.

Contudo, um problema se impõe: não trocar esta dívida ao FMI, com uma taxa de juro média que ronda os 4,8%, por dívida mais barata – o Estado já se conseguiu financiar a 2,2% no último leilão – é pior para o défice deste ano, pois implica não poupar tanto em juros.

A ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, admitiu que “obviamente que contávamos com o reembolso do empréstimo” ao Fundo de Resolução mas disse ao Dinheiro Vivo que o pagamento antecipado ou não ao FMI “é uma matéria que será ponderada a cada momento em função das condições de mercado” e que o novo produto de poupança para as famílias “não decorre de nenhuma dificuldade de financiamento nos mercados”.

No entanto, a ministra insiste que “a nossa almofada financeira continua a ser mais do que suficiente para termos tranquilidade quanto ao acesso ao mercado.”

ZAP

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Será que eu não entendi bem? Diziam (e continuam a dizer) que os contribuintes não vão ser afectados mas os juros ao FMI, com esta história, já aumentaram. Mas afinal onde é que eles vão buscar o dinheiro para pagar juros?

  2. …3,9 Mil Milhões emprestados ao Fundo de Resolução(sistema fi9nanceiro nacional) com J U R O S.
    Dos custos são mais os custos de manter a “aalmofada” que nos protege de eventuais imponderáveis. O que é cautela e as pessoas percebem!

  3. Há que separar ‘juros’ da amortização da dívida e juros da dívida do sistema financeiro (bancos) resultantes do “montante do empréstimo” das contas públicas ao Fundo de Resolução dos quais (empréstimo e juros) só os bancos são responsáveis… Entretanto deixou de se falar da CGD, e ninguém fala do tal fundo de resolução! Tenhamos em conta o que a Europa disse sobre a inocuidade dos efeitos nas contas de 2014!
    Outra coisa foi até recentemente a oposição gritar aos 4 ventos “a pressa” do governo em vender o Novo Banco… Está ali património que deve ser valorizado ao máximo e uma vez mais, o governo e o Banco de Portugal decidem não vender não comprometendo financeiramente os bancos – Fundo de Resolução em processo de capitalização – a pagar juros do total emprestado e a diferença apurada da venda – não lhes pertence 4,9kMilhões – pelo que se o dito banco tivesse sido vendido pelos 2,7KMilhões quão gravoso teria sido para o Sistema Financeiro? As eleições não entraram no processo.

RESPONDER

Mais cinco mortes e 713 casos confirmados em Portugal

Portugal registou, este sábado, mais cinco mortes e 713 casos confirmados de covid-19, de acordo com o mais recente boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Este sábado registaram-se mais cinco mortes e 713 novos casos …

Dirigente da Huawei detida no Canadá pode voltar à China após acordo com EUA

A justiça dos EUA aceitou hoje o acordo entre o Departamento da Justiça e a Huawei, que vai permitir à filha do fundador e diretora financeira do conglomerado chinês de telecomunicações regressar à China. Uma juíza …

Depois do coro de críticas, brasões da Praça do Império passam do jardim para a calçada

Os brasões florais que representam as capitais de distrito e as ex-colónias portuguesas vão mesmo ser retirados da Praça do Império, em Lisboa, mas passarão a estar representados em pedra da calçada. É a solução …

Vulcão, La Palma

Aeroporto de Las Palmas inoperacional devido à acumulação de cinzas

O aeroporto de La Palma, na Ilha de Tenerife, nas Canárias, está inoperacional por acumulação de cinzas, resultante da erupção do vulcão Cumbre Vieja, informou hoje a empresa gestora dos aeroportos e do tráfego aéreo …

Siza Vieira reforça que é "trabalho" dos Bancos discutir com os clientes o reembolso das moratórias

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, reforça que cabe aos Bancos "discutir com os seus clientes que têm moratórias nos sectores mais afectados" pela pandemia o reembolso das dívidas após o fim destes mecanismos …

Domingos Soares de Oliveira de saída do Benfica

Além de João Varandas Fernandes e José Eduardo Moniz, o administrador Domingos Soares de Oliveira também não vai integrar a lista de Rui Costa para as próximas eleições. Rui Costa confirmou na terça-feira que é candidato …

Depois do Bayern, Barcelona também está atento a Luis Díaz

Luis Díaz continua a somar boas exibições e clubes interessados na sua contratação. Agora fala-se do desejo do Barcelona em contratar o colombiano em janeiro. Luis Díaz atravessa um momento de forma excecional ao serviço do …

Fuse Valley, Matosinhos

Está a nascer em Matosinhos a Silicon Valley portuguesa (e até Siza Vieira está "espantado")

O "Fuse Valley" promete ser a Silicon Valley portuguesa, em Matosinhos, num empreendimento inovador da Farfetch e da Castro Group que até deixa o ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, "espantado". A abertura está prevista …

Portugal aguarda "luz verde" da EMA para avançar com terceira dose aos idosos

Portugal aguarda a autorização da Agência Europeia de Medicamentos para avançar com a administração da terceira dose da vacina contra a covid-19 a maiores de 65 anos. Com base nos resultados de dois grandes estudos científicos …

E depois de Merkel? Alemanha já sente falta da Chanceler que saiu da sombra para salvar o seu "delfim"

Angela Merkel tinha prometido ficar afastada das eleições legislativas deste domingo, na Alemanha, mas saiu da sombra para apoiar o seu "delfim", o candidato da CDU, Armin Laschet, que deverá disputar a vitória com o …