Governo autoriza venda de livros (mas ignora recomendação de Marcelo sobre ruído)

Mário Cruz / Lusa

O decreto que regulamenta o novo estado de emergência confirma a autorização de venda de livros em espaços que podem estar abertos, mas não segue a recomendação de Marcelo Rebelo de Sousa sobre o ruído.

O decreto, assinado pelo primeiro-ministro e pelo Presidente da República, e divulgado esta manhã, estabelece que o ministro da Economia pode interditar os espaços que permanecem abertos de vender “bens tipicamente comercializados” em estabelecimentos forçados a encerrar, “com exclusão designadamente de livros e materiais escolares, que devem continuar disponíveis para estudantes e cidadãos em geral”, segundo citado pelo jornal Público.

“O Sr. Presidente da República proibiu-nos de proibir” a venda de livros, disse o primeiro-ministro na quinta-feira aos jornalistas

Porém, as livrarias não deverão abrir tão cedo, uma vez que o decreto afirma que “não é (…) recomendável que se reduzam as medidas que têm vindo a ser adotadas”.

O projeto presidencial que renova o estado de emergência incluia uma ressalva a permitir a venda de livros e materiais escolares, estabelecendo que estes produtos “devem continuar disponíveis para estudantes e cidadãos em geral”.

“Podem ser estabelecidas limitações à venda de certos produtos nos estabelecimentos que continuem abertos, com exclusão designadamente de livros e materiais escolares, que devem continuar disponíveis para estudantes e cidadãos em geral”, lê-se no projeto de decreto que o chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa, enviou para a Assembleia da República.

Governo ignora recomendação sobre ruído

No mesmo decreto presidencial, Marcelo adicionou um ponto que permite que passe a ser possível haver novos níveis de ruído, mais baixos do que atualmente é permitido. Esta alteração tem como objetivo salvaguardar que os trabalhadores em teletrabalho não sejam perturbados.

“Podem ser determinados níveis de ruído mais reduzidos em decibéis ou em certos períodos horários, nos edifícios habitacionais, de modo a não perturbar os trabalhadores em teletrabalho”, lê-se no decreto presidencial.

Porém, segundo o Público, o decreto regulamentar do próximo estado de emergência ignora essa recomendação.

O atual Regulamento Geral do Ruído define ruído de vizinhança como todo o som associado ao uso habitacional e às atividades que lhe são inerentes, produzido diretamente por alguém ou por intermédio de outrem, e inclui também o barulho de animais, quando a sua duração, repetição ou intensidade afeta a saúde pública ou a tranquilidade da vizinhança.

A lei estipula ainda que entre as 23h e as 7h, (os vizinhos e) as autoridades policiais podem exigir o fim imediato do ruído.

No caso das obras, apesar de não ser necessária uma licença especial de ruído, as obras de recuperação, remodelação ou conservação realizadas no interior de edifícios destinados a habitação e que sejam uma fonte de ruído apenas podem ser realizadas nos dias úteis, entre as 8h e as 20h.

​O decreto do próximo estado de emergência foi aprovado com os votos a favor do PS, PSD, CDS, PAN e da deputada não-inscrita Cristina Rodrigues. Já o PCP, PEV, IL, Chega e a deputada Joacine Katar Moreira repetiram o voto contra. O BE voltou a abster-se.

Maria Campos Maria Campos, ZAP //

 

 

PARTILHAR

RESPONDER

"Parece-me uma coisa feita à pressa". Críticas aos Censos continuam

Os Censos 2021 têm sido alvo de críticas relativamente aos critérios para identificação de pessoas em situação de sem-abrigo, à ausência de questões sobre identidade de género e orientação sexual, bem como sobre a lista …

Cápsula Crew Dragon já está a caminho da Estação Espacial Internacional

A cápsula espacial da empresa SpaceX foi lançada, esta sexta-feira, por um foguetão Falcon 9 com destino à Estação Espacial Internacional (EEI), levando a bordo quatro astronautas. O Falcon 9 descolou do centro espacial Kennedy, na …

Football Leaks. Rui Pinto ficou no estabelecimento prisional da PJ por indicação da ministra

A ministra da Justiça e o diretor-geral dos Serviços Prisionais determinaram a permanência em prisão preventiva de Rui Pinto no estabelecimento prisional da Polícia Judiciária (PJ), revelou um dos guardas ouvido esta quinta-feira no julgamento …

Incêndios. Tribunal de Contas diz que faltam concretizar medidas aprovadas em 2017

As medidas de prevenção e combate aos incêndios rurais decididas após os grandes fogos de 2017 "ainda não foram completamente concretizadas", existindo várias áreas que carecem "de aperfeiçoamento", revela uma auditoria do Tribunal de Contas …

Pessoas com mais de 65 anos já podem agendar vacina contra a covid-19

As pessoas com mais de 65 anos já podem escolher a data e o local para serem vacinadas através do Portal do Auto-agendamento para Vacinação contra a covid-19, que entrou esta sexta-feira em funcionamento. Os Serviços …

Eventos-teste para retoma dos espetáculos acontecem este mês em Braga. Vão ter 400 espectadores

Os primeiros dois eventos-teste para preparar o regresso dos espetáculos ao vivo com um grande número de espectadores vão decorrer em Braga nos dias 29 e 30 de abril com cerca de 400 pessoas em …

De boas intenções está o inferno cheio. Acabar com voos até 600 km é "proibição cega"

O fim das viagens de avião com menos de 600 quilómetros, um desejo manifestado pelo ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, é uma intenção "louvável". Ambientalistas e especialistas concordam, mas falam em "areia para os …

PSD deverá anunciar apoio a Isaltino Morais nos próximos dias

Depois de ter anunciado quase todos os candidatos autárquicos, o PSD deverá anunciar que se associa ao movimento independente "Isaltino Inovar Oeiras de Volta" liderado pelo ex-militante social-democrata. Contudo, este apoio não é consensual dividiu …

"Ela fez-nos a vida negra". Sobrinha de Sócrates exige parte da herança da avó

"Vou lutar por aquilo que é da minha filha por direito." As palavras são da viúva do irmão de José Sócrates, António Pinto de Sousa, que faleceu em 2011 depois de o ex-primeiro-ministro ter assumido, …

Portugal com mais uma morte e 506 novos casos de covid-19

Portugal registou, esta sexta-feira, mais uma morte e 506 novos casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o último boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da DGS, dos 506 …