“Ninguém pode forçar ninguém a tomar”. Brasil rejeita vacinação obrigatória contra covid-19

PAHO / WHO

O Governo brasileiro salientou na terça-feira que a vacina contra o novo coronavírus não será obrigatória no segundo país do mundo com mais mortes e casos de covid-19, uma ideia que já foi defendida pelo Presidente Jair Bolsonaro.

O Executivo, através do Secretariado de Comunicação, disse que “investirá na produção da vacina” contra o coronavírus, mas especificou que “impor obrigações não está definitivamente nos planos”. Através de uma mensagem nas redes sociais, a Secretaria de Comunicação (Secom) destacou uma declaração feita na véspera por Bolsonaro, que disse que “ninguém pode forçar ninguém a tomar a vacina”.

O Governo brasileiro investiu vários milhões de dólares nos últimos meses para garantir a compra de 100 milhões de doses da vacina de Oxford contra o novo coronavírus e a sua eventual produção no Brasil.

Ao mesmo tempo, o governo regional de São Paulo, o estado mais rico e populoso do Brasil com 46 milhões de habitantes, assinou uma parceria com o laboratório chinês Sinovac para a importação e produção do antídoto.

Com mais de 200 milhões de habitantes, o Brasil tornou-se uma referência em ensaios clínicos contra a covid-19, com pelo menos quatro vacinas em teste, devido ao elevado número de infeções, bem como à sua capacidade de avaliação científica, regulamentar e clínica.

O Brasil registou 1.215 mortos e 42.659 casos de infeção pelo novo coronavírus nas últimas 24 horas, momento em que a taxa de letalidade da doença está em 3,1%.

De acordo com o Ministério da Saúde, o país sul-americano totaliza agora 122.596 óbitos e 3.950.931 infetados desde o início da pandemia, registada oficialmente no Brasil em 26 de fevereiro. As autoridades de saúde investigam ainda a eventual relação de 2.690 mortes com a covid-19.

A taxa de incidência da doença causada pelo novo coronavírus é de 58,3 óbitos e de 1.880,1 casos por cada 100 mil habitantes.

No país sul-americano, 3.159.096 pessoas já recuperaram da covid-19 e 669.239 estão sob acompanhamento médico.

Geograficamente, o foco da pandemia no Brasil é São Paulo, estado que concentra oficialmente 814.375 diagnósticos confirmados e 30.375 vítimas mortais, sendo seguido pela Bahia, que tem hoje 259.418 infetados e 5.448 óbitos, e pelo Rio de Janeiro, que totaliza 226.800 casos e 16.217 mortos.

O Governo brasileiro informou à Lusa que confirmou à Organização Mundial da Saúde (OMS) a intenção de participar na aliança mundial de vacinas contra a covid-19. Contudo, fontes do Ministério da Saúde indicaram que o acordo não é vinculante, podendo ocorrer alterações nas próximas semanas.

Segundo o portal de notícias UOL, o executivo brasileiro pretende flexibilidade com a OMS, de forma a manter com os acordos bilaterais que já firmou com multinacionais do setor farmacêutico para a produção da vacina.

Com cerca de 212 milhões de habitantes e um elevado número de casos, o país sul-americano é considerado um laboratório ideal para testar várias potenciais vacinas, com farmacêuticas a procurarem agora verificar a sua eficácia e segurança.

Há duas semanas, a Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa), organismo tutelado pelo Ministério da Saúde, aprovou o início dos ensaios clínicos no Brasil de uma nova vacina contra a covid-19, a quarta a ser experimentada no país contra o vírus.

A multinacional Johnson&Johnson recebeu autorização para testar a sua vacina em estudos clínicos na fase três (com milhares de pessoas), o que já está a ser feito no Brasil com imunizantes desenvolvidos pelo Reino Unido (AstraZeneca e Universidade de Oxford), China (Sinovac Biotech), e pelo consórcio BioNTech (Alemanha) e Wyeth/Pfizer (Estados Unidos).

Já na semana passada, o Governo do estado brasileiro do Paraná informou que deve submeter à Anvisa, dentro dos próximos 30 dias, o protocolo de validação para a fase três de estudos clínicos da vacina russa no país.

A pandemia do coronavírus que provoca a covid-19 já provocou pelo menos 851.071 mortos e infetou mais de 25,5 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Lusa // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Olá Amigos que acompanham o ZAP, a esquerda faz de tudo para prejudicar nosso presidente Jair Bolsonaro, estamos a 20 meses sem corrupção no governo federal, o governo deu total condições para os Estados combater a epidemia ( poucos estados fizeram o uso correto da verba destinada, a maioria desviou o dinheiro), câmara federal, Senado e STF trava as ações lícitas do governo federal, as ONGs pouco ajudam somente atrapalha, aqui sem saudades alguma da esquerda usurpadora. Grande abraço a todos e trás a urna que voto novamente em Bolsonaro

RESPONDER

Sonda passa ao lado de Vénus, tira-lhe uma fotografia e surpreende cientistas da NASA

A imagem obtida pelo Wide-field Imager (WISPR) da Parker Solar Probe foi capturada a 12.380 quilómetros de Vénus. A Parker Solar Probe, da NASA, capturou vistas deslumbrantes de Vénus em julho de 2020. O alvo da …

Cientista descobre espécie extinta de ganso através de uma pintura egípcia

Uma famosa pintura que estava originalmente no túmulo do príncipe egípcio Nefermaat levou um cientista a descobrir uma espécie de ganso já extinta. A cena "gansos de Meidum", originalmente pintada no túmulo do príncipe Nefermaat, encontra-se …

Físico cria algoritmo de IA que pode provar que a realidade é uma simulação

Hong Qin, do Laboratório de Física de Plasma de Princeton (PPPL) do Departamento de Energia dos EUA, criou um algoritmo de Inteligência Artificial que pode provar que a realidade é, na verdade, uma simulação. O algoritmo …

Quase 10 anos depois, avião de Gaddafi continua parado num aeródromo em França

Quase uma década depois de ter aterrado em solo francês, o avião presidencial do ex-ditador líbio continua parado num aeródromo no sul do país, estando no meio de vários processos judiciais que parecem não ter …

Governo recebeu 1.600 ideias para a bazuca. Costa agradece mobilização

Durante a fase de discussão pública, o Plano de Recuperação e Resiliência recebeu mais de 1.600 contribuições e mais de 65 mil consultas. O primeiro-ministro António Costa disse que, durante a fase de discussão pública, …

"Honjok" é o nome do movimento sul-coreano que reivindica a solidão

A solidão tornou-se um tema recorrente devido à pandemia de covid-19. Na Coreia do Sul, existe um movimento chamado "honjok", que promove um estilo de vida solitário. O isolamento imposto pela pandemia de covid-19 está a …

Do subsolo sírio à nomeação ao Óscar: hospitais em tempos de guerra numa "era de impunidade"

The Cave é o nome de uma produção que esteve nomeada para o Óscar de Melhor Documentário de 2020. É também o lugar onde hospitais sírios se escondem para salvar vidas longe de bombardeamentos e …

Patrícia Mamona sagra-se campeã no triplo salto em pista coberta

Esta tarde, Patrícia Mamona tornou-se a terceira atleta portuguesa a garantir a medalha de ouro para Portugal no Campeonato da Europa em pista coberta. A portuguesa Patrícia Mamona conquistou, este domingo, a medalha de ouro na …

Dias de aulas mais longos, férias mais curtas e cinco períodos. Em Inglaterra, já se equacionam formas de recuperar o tempo perdido

Há três medidas em cima de mesa que podem vir a ser adotadas para combater os atrasos na aprendizagem dos alunos. Na Inglaterra, as escolas reabrem para aulas presenciais esta segunda-feira, mas já se pensa …

Índia abre centro de bem-estar para hóspedes abraçarem vacas e "esquecerem todos os problemas"

Animais de conforto e apoio emocional são cada vez mais populares em todo o mundo. Embora a maioria das pessoas use cães ou gatos, há também algumas escolhas mais bizarras, incluindo pavões, macacos e cobras. Os …