Governo admite “descoordenação” em Pedrógão e abre guerra ao SIRESP

João Relvas / Lusa

A Ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa

Constança Urbano de Sousa chamou, esta quarta-feira, os jornalistas ao Ministério da Administração Interna para fazer um ponto de situação sobre os nove inquéritos, estudos, relatórios e pareceres pedidos pelo Governo depois do incêndio em Pedrógão Grande, no qual morreram 64 pessoas.

A ministra concluiu que se verificou uma “descoordenação no posto de comando da ANPC” do teatro de operações, “em especial com os outros agentes de Proteção Civil”. Também as falhas de comunicações do Sistema Integrado das Redes de Emergência e Segurança de Portugal (SIRESP) “dificultaram as operações de controlo e comando”.

Segundo a governante, houve também uma “falta de articulação entre a Secretaria-Geral da Administração Interna, PSP, ANPC e GNR no que diz respeito à deteção dos problemas nas comunicações e no acionamento e mobilização da Estação Móvel, que se refletiu numa excessiva morosidade da sua disponibilização”.

Estes constrangimentos “foram potenciados pela escolha do local para a instalação do posto de comando e controlo da ANPC em Pedrógão Grande”, considerou a ministra num despacho hoje emitido.

Os relatórios e inquéritos agora divulgados permitiram ainda concluir que o “SIRESP revelou-se pouco resiliente em virtude de a interligação das estações base e a restante rede SIRESP ser feita com cabos de fibra ótica, maioritariamente suportados por postes”, vulneráveis em caso de incêndio.

Por isso, Constança Urbano de Sousa anunciou ter determinado à Secretaria-Geral da Administração Interna, entidade gestora do SIRESP, que inicie os procedimentos para a aplicação de penalidades ao consórcio e anunciou um novo inquérito, agora para apurar responsabilidades disciplinares na Secretaria-geral do Ministério da Administração Interna (SGMAI).

Faltas graves no SIRESP

O MAI pediu ao Instituto de Telecomunicações (que junta nove instituições com experiência em investigação e desenvolvimento no domínio das telecomunicações) um estudo sobre o funcionamento do SIRESP em situações de acidente grave ou catástrofe.

No relatório, afirma-se que existiram faltas graves na rede, com cortes prolongados no funcionamento normal do sistema nas áreas cobertas pelas estações base de Pedrógão Grande (39 horas de corte), Figueiró dos Vinhos (41 horas), Serra da Lousã (67 horas), Malhadas (66 horas) e Pampilhosa da Serra (70 horas).

“Durante estes períodos estas estações base funcionaram em modo local, o que restringiu as comunicações a terminais da mesma estação base, ou a comunicações diretas (de curto alcance) entre terminais”, sendo que as falhas se deveram à destruição, pelo incêndio, das ligações por cabo de fibra ótica das estações base referidas ao comutador de Coimbra.

O Instituto nota que a solução cabo de fibra ótica “não cumpre as exigências do Caderno de Encargos nem se configura como uma solução técnica adequada para usar numa floresta numa rede de segurança e emergência”.

Depois, mesmo após as ligações terem sido restabelecidas, houve situações em que não foi possível dar vazão às chamadas em espera, superior ao estabelecido em contrato, nota também o Instituto, que também chama a atenção para que nem todos os utilizadores do SIRESP têm conhecimento e prática suficiente da mesma.

No documento recomenda-se formação para esses utilizadores e a implementação “o mais rapidamente possível” de uma solução de redundância para as ligações entre as estações base e o comutador.

“Deve ser também analisada a possibilidade de aumentar o número de estações base móveis, para reforçar pontualmente tanto a cobertura como a capacidade de tráfego, em situações graves”, que devem ser colocadas no país de acordo com o risco de incêndio.

Ainda assim o Instituto salienta que não existem razões técnicas para abandonar a rede SIRESP, existindo antes “recomendações que devem ser seguidas urgentemente para que esta rede cumpra os objetivos para que foi concebida”.

O Instituto diz no relatório que “a análise foi condicionada pela dificuldade em obter das entidades externas relacionadas com o SIRESP toda a informação necessária para emitir conclusões fundamentadas dentro do prazo”.

Miguel A. Lopes / Lusa

Pelo menos 30 pessoas morreram no interior dos carros no IC8 durante o incêndio em Pedrógão Grande

GNR não encaminhou automobilistas para EN 236-1

Na resposta a várias perguntas enviadas pela ministra, enviadas a 8 de agosto, a GNR refere que o processo de inquérito elaborado por esta força militar “centrou-se no apuramento das circunstâncias em que se desenvolveu a ação das suas forças no dia 17 de junho de 2017, no cenário trágico das mortes ocorridos na EN 236-1 e em itinerários confinantes e localidades próximas”.

Ou seja, prossegue a GNR, “procurou-se elencar todas as ações de controlo do tráfego rodoviário e do movimento de pessoas, tendo-se particularmente em conta a afirmação de uma sobrevivente que passou na EN 236-1 no sentido Figueiró dos Vinhos – Castanheira de Pera, que afirmou ter sido encaminhada por militares da Guarda para essa estrada”.

Este é um “facto que acabou por não ser confirmado”, salienta a GNR.

“Em suma, o inquérito da GNR foi orientado para factos ocorridos do dia 17 de junho e, essencialmente, relacionados com a situação que originou as mortes – em especial entre as 20h00 e as 22h00 desse dia – e não para a discriminação sistemática de todas as ações desenvolvidas pelas forças da Guarda no teatro de operações em causa”.

Segundo o relatório do inquérito interno da GNR, “as primeiras instruções de coordenação recebidas pela Guarda” do Posto de Comando da Autoridade Nacional de Proteção Civil “para a regularização e corte de trânsito no teatro de operações, designadamente na EN 236-1, foram emitidas pelas 22h00“.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. A SIRESP é uma parceria público-privada, cujo objectivo é de alimentar os accionistas. Quanto custará esta brincadeira a todos nós?

  2. Uma rede para permitir comunicações de emergência (principalmente) em caso di incendio nas florestas… interligada por cabos – e logo de fibra óptica – espalhados pelas florestas…

    Faz sentido, não faz?

  3. De há quarenta anos para cá que suportamos a tragédia dos incêndios. O povo mal reage, já está anestesiado, não tem havido outra reacção que a consternação, mas actos fortes, nenhuns. Quanto aos dirigentes, entidades públicas, institutos etc, todos têm mostrado a sua incapacidade em por fim aos incêndios, porque não é fatalidade. As leis feitas nestes anos para promover a floresta e proteger as matas nacionais e outras zonas de interesse ecológico, são borrões mal feitos…. Com as alterações climáticas já há vista, qual será o futuro da floresta portuguesa, aquela que que ainda não foi substituida por eucaliptos? Ver este artigo que é uma boa síntese sobre os fogos em Portugal: https://www.sapo.pt/noticias/economia/estatisticas-negras-dos-fogos-em-portugal_59467ba3e0aeff873df429aa

  4. A senhora ministra vem agora com ar um pouco arrogante dar algumas explicações e em forma de sacudir a água do capote no entanto tem as suas culpas porque foi mais uma a deixar andar tudo à bandalheira como já vem sendo habitual de há 43 anos para cá, ninguém é responsável por nada a não ser para receberem os largos milhões que os governantes acordam em lhes passar para as mãos, mas se ao menos agora tiver a coragem o que duvido completamente, de abrir a tal guerra ao SIRESP e não só e meter tudo nos carris então já será um bom serviço prestado ao país embora tardio.

RESPONDER

Relatório dos Sistemas de Saúde arrasa gestão da pandemia

O Relatório de Primavera 2021, do Observatório Português dos Sistemas de Saúde, critica a gestão da pandemia em Portugal, salientando que "não estamos a aprender ainda, com a experiência da pandemia, aquilo que seria necessário …

Líderes independentistas catalães já começaram a sair da prisão

Os nove líderes independentistas catalães que receberam o indulto do Governo espanhol começaram, esta quarta-feira, a sair das prisões onde se encontravam. A ex-presidente do parlamento regional Carme Forcadell foi a primeira a abandonar o estabelecimento …

Afinal, Bruxelas não vai restringir conteúdos britânicos na TV e no streaming

A Comissão Europeia desmentiu o facto de estar a ser preparada uma alteração legislativa para restringir a difusão de conteúdos audiovisuais produzidos no Reino Unido na programação das estações televisivas ou nas plataformas de streaming …

Altice culpa ANACOM e Governo por despedimento colectivo (e ameaça deixar Portugal)

A Altice anunciou o despedimento colectivo de quase 300 trabalhadores depois das saídas de cerca de mil funcionários por mútuo acordo. Mas admite que continua a ter colaboradores "dispensáveis" e deixa o alerta de que …

PCP encerra jornadas parlamentares com sete páginas de críticas ao Governo

Sete páginas do discurso de encerramento das jornadas parlamentares do líder parlamentar do Partido Comunista Português (PCP), João Oliveira, foram dedicadas às queixas contra o Governo e o PS. As jornadas parlamentares do PCP terminaram com …

Um terço dos internados em UCI em Lisboa estava vacinado com a primeira dose

Cerca de um terço dos doentes com covid-19 internados em unidades de cuidados intensivos (UCI) na região de Lisboa e Vale do Tejo (LVT) já estava vacinado com a primeira dose quando deu entrada no …

Fernando Santos admitiu mudanças. Eis as mexidas que podem acontecer no "onze"

Fernando Santos admitiu promover alterações no onze inicial de Portugal frente à França. Eis a equipa que pode entrar em campo logo à noite. A derrota por 2-4 frente à Alemanha, no segundo jogo da fase …

MP pede pena de prisão efetiva entre dois e três anos para Armando Vara

O Ministério Público (MP) pediu, esta quarta-feira, a condenação de Armando Vara a uma pena efetiva próxima dos três anos de prisão por um crime de branqueamento de capitais, do qual foi pronunciado em processo …

Imunidade de grupo poderá ser atrasada. Jovens com mais de 18 anos vacinados a partir de 4 de julho

Henrique Gouveia e Melo, coordenador da task force para o Plano de Vacinação contra a covid-19, admitiu um atraso de até 15 dias na meta de 70% de população vacinada com a primeira dose, devido …

Supremo espanhol ordena libertação imediata dos nove políticos catalães

O Supremo Tribunal espanhol ordenou, esta quarta-feira, a libertação imediata dos nove líderes independentistas catalães condenados pela tentativa separatista de 2017, depois de o Governo ter concedido um indulto por "razões de utilidade pública". Segundo a …