Mais 818 mortos, 15 mil novos infetados, e um general como ministro da Saúde do Brasil

José Dias / PR

O novo ministro da Saude interino do Brasil, Eduardo Pazuello (esq). À direita, Nelson Teich

O Brasil totaliza 15.633 óbitos e 233.142 pessoas diagnosticados com covid-19 desde o início da pandemia, tendo registado nas últimas 24 horas 816 mortos e 14.919 novos infetados, informou no sábado o executivo.

O Ministério da Saúde brasileiro indicou ainda que está a ser investigada uma eventual relação de 2.304 óbitos com a doença provocada pelo novo coronavírus. No total, o país sul-americano já registou a recuperação de 89.672 pacientes de covid-19, sendo que 127.837 continuam sob acompanhamento.

O aumento no número de mortes no Brasil foi de 5,5%, passando de 14.817 na sexta-feira para 15.633 mortes este sábado. Quanto ao número de infetados, o crescimento foi de 6,8%, passando de 218.223 para 233.142 casos confirmados de infeção.

O estado de São Paulo, epicentro da doença no país, contabiliza 61.183 pessoas diagnosticadas com covid-19 e 4.688 mortes, seguido pelo Ceará, que conta com 23.795 casos confirmados e 1.614 óbitos.

O Rio de Janeiro, terceiro estado com maior número de casos confirmados, tem 21.601 casos de infeção e 2.614 vítimas mortais. Apenas duas das 27 unidades federativas do Brasil ainda não ultrapassaram os mil casos da covid-19: Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.

Após o oncologista Nelson Teich ter pedido demissão na sexta-feira do cargo de ministro da Saúde, o Governo liderado pelo Presidente Jair Bolsonaro anunciou este sábado que o secretário executivo da pasta, general Eduardo Pazuello, assumirá interinamente o comando do ministério.

José Dias / PR

O novo ministro da Saúde interino do Brasil, Eduardo Pazuello

General do Exército, Pazuello foi nomeado para o segundo cargo mais alto da hierarquia ministerial no passado dia 22, depois de Teich ter assumido o ministério, em substituição de Luiz Henrique Mandetta, exonerado após ter discordado publicamente de Bolsonaro na condução das medidas de combate ao novo coronavírus.

Especialista em logística, o agora ministro da Saúde interino foi coordenador logístico das tropas do Exército brasileiro durante os Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2016 no país sul-americano.

Pazuello coordenou também as ações da Operação Acolhida, que presta assistência aos migrantes venezuelanos que chegam ao brasil em fuga da crise política e económica. Tal como Bolsonaro, formou-se na Academia Militar das Agulhas Negras, no Rio de Janeiro.

Eduardo Pazuello é o nono ministro de origem militar no Governo de Bolsonaro, mas o primeiro que se encontrava ainda em funções militares – o general de três estrelas comandava a 12ª Região Militar da Amazónia, em Manaus. Os militares representam agora quase metade dos 22 ministros do governo Bolsonaro.

Segundo a Época, quando chegou a Brasília, Pazuello dizia que sua missão no ministério era “temporária” — apenas organizar a transição entre Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich. Em entrevista, Pazuello admitiu que não tinha qualquer afinidade com a área médica — que o seu conhecimento sobre o assunto é de “leigo”. Pazuello defende, porém, que o país tenha mais “cuidado com os dados utilizados no combate à pandemia”.

Desde que chegou ao ministério, é visto uma espécie de “eminência parda”. Apesar de ser o número 2 na hierarquia da Saúde, Eduardo Pazuello era considerado como sendo mais poderoso do que o ex-ministro Nelson Teich —  mas nega que fosse esse o caso.

O desgaste de Nelson Teich em menos de um mês no Governo ficou evidente esta semana, quando foi informado por jornalistas sobre um aumento na lista de atividades essenciais, decretado por Jair Bolsonaro, que incluiu barbeiros, cabeleireiros e ginásios, entre atividades que poderiam funcionar durante o isolamento social decretado por prefeitos e governadores em todo o país.

O agora ex-ministro também divergia do presidente Bolsonaro sobre a indicação do uso da cloroquina e da hidroxicloroquina em pacientes com covid-19.

Teich tornou-se assim no terceiro ministro a sair do Governo de Bolsonaro durante a pandemia no novo coronavírus, a seguir a Luiz Henrique Mandetta, o primeiro ministro da saúde do governo Bolsonaro, e Sergio Moro, ex-ministro da Justiça.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. queria saber qual o problema do ministro da saúde ser militar? eu prefiro militar do que comunista, pois sei que o tratamento não será saquear os cofres publicos.

  2. O problema do Brasil é que tem uns dentro por ladroagem e outros que deviam ir dentro por demência.

RESPONDER

13 de Outubro em Fátima "sim, mas sem peregrinos". Delegada de Saúde espera que a Igreja se "porte bem"

A delegada de Saúde Pública do Médio Tejo defende que as cerimónias religiosas do 13 de Outubro no Santuário de Fátima decorram "sem peregrinos", esperando que a Igreja se porte "tão bem" como aquando do …

Espanha acusa hackers chineses de roubarem informações de vacina contra coronavírus

O Centro Nacional de Inteligência (CNI) espanhol argumenta que hackers chineses terão, alegadamente, acedido a informações confidenciais sobre o desenvolvimento de uma vacina contra o novo coronavírus. A diretora do CNI, Paz Esteban, alerta para um aumento …

Tribunal de Loures. António Joaquim vai manter-se em liberdade

O Tribunal de Loures decidiu esta sexta-feira manter a medida de coação de termo de identidade e residência a António Joaquim, condenado pelo Tribunal da Relação pelo homicídio do triatleta Luís Grilo, após um pedido …

Mesmo com o aumento de infetados, diminuir a quarentena para 10 dias é uma hipótese

A DGS deverá decidir em breve se o período de quarentena pode ser reduzido de 14 dias para apenas 10 dias, mas não para todos os casos. Para ficar menos tempo isolado é necessário cumprir …

Porfírio Silva vê “papel positivo” na candidatura de Ana Gomes, mas critica farpas a Costa

O dirigente socialista Porfírio Silva considera que a candidatura presidencial de Ana Gomes pode ser positiva se não cair na "armadilha" de se centrar no ataque a António Costa e se não "atropelar" o Estado …

Operação Lex. Três juízes acusados de corrupção. Luís Filipe Vieira vai ser julgado por um crime

Os juízes Rui Rangel, Fátima Galante e Vaz das Neves e o presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, estão entre os 17 acusados da Operação Lex. Em causa estão crimes de corrupção, abuso de poder, …

Em tempos difíceis, Von der Leyen diz que “sempre vi em Portugal um forte aliado"

Numa entrevista, Ursula von der Leyen disse que Portugal terá “a tarefa de liderar” com a recuperação da pandemia quando chegar à presidência do Conselho da UE em 2021. E promete uma proposta “mais humana …

Caso Eurofin. Salgado recebe coima de 4 milhões de euros do Banco de Portugal

Ricardo Salgado, ex-presidente do BES, foi condenado pelo Banco de Portugal a pagar mais uma coima, no valor de quatro milhões de euros, no processo sobre o veículo suíço Eurofin e por operações que lesaram …

"Último recurso". Governo britânico admite novo confinamento no Reino Unido

O ministro da Saúde britânico, Matt Hancock, admitiu esta sexta-feira que o Governo conservador não descarta decretar um segundo confinamento nacional para conter a pandemia de covid-19, embora considere esta opção um "último recurso" “Faremos …

Pais deixaram aluno com covid-19 na escola. Denúncia já chegou à PSP

Um aluno de uma escola de Leiria que está infectado com o coronavírus foi à apresentação do ano lectivo, nesta quarta-feira, quando já havia suspeitas de que teria covid-19, uma vez que o pai também …