Fundos angariados pelos portugueses para Pedrógão ainda não foram utilizados

Paulo Nobre / Lusa

Os fundos Revita angariados pelos portugueses para apoiar as vítimas do incêndio em Pedrógão Grande, em 2017, ainda não foram utilizados, denuncia a presidente da Associação das Vítimas de Pedrógão Grande.

A presidente da Associação das Vítimas de Pedrógão Grande disse à TSF que os fundos Revita angariados pelos portugueses ainda não foram utilizados. Dina Duarte entende que este dinheiro deveria estar a ser usado na prevenção em caso de um novo incêndio.

“Continuam na posse do fundo Revita e é interesse nosso que esse dinheiro seja aplicado em coisas tão simples como mochilas de emergência, kits para as aldeias poderem combater os incêndios”, disse Dina Duarte em declarações à rádio. O corte das árvores também é algo fundamental que ainda não está nas melhores condições.

“Algumas das árvores continuam de pé e são esqueletos que lembram aquele dia”, atira Dina Duarte. Enquanto isso, a reflorestação vai sendo feita aos poucos, embora não com a biodiversidade que a sua associação defende.

O presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, anunciou que a bandeira do parlamento vai estar hoje a meia-haste em memória das vítimas dos incêndios florestais de há três anos em Pedrógão Grande, no distrito de Leiria.

A 17 de junho de 2017, deflagrou em Pedrógão Grande um incêndio florestal, que depois alastrou aos municípios vizinhos de Castanheira de Pera, Figueiró dos Vinhos, Ansião, Sertã, Pampilhosa da Serra e Penela, que fez 66 mortos e 254 feridos.

Na sua mensagem, Ferro Rodrigues salienta que hoje se assinala o Dia Nacional em Memória das Vítimas dos Incêndios Florestais, instituído por resolução do parlamento, e que a bandeira da Assembleia da República encontra-se a meia-haste.

“Foi para nos lembrar que uma tragédia como aquela que se verificou em 17 de junho de 2017 não mais se poderá repetir que a Assembleia da República, órgão de soberania representativo de todas e de todos os portugueses, decidiu, de forma unânime, consagrar este dia à evocação da memória dos homens, das mulheres e das crianças que perderam a vida em 2017, mas, igualmente, de todas e de todos quantos, ao longo da nossa história, sucumbiram ao flagelo dos incêndios florestais em Portugal”, afirma Ferro Rodrigues.

O presidente da Assembleia da República considera depois que 17 de junho de 2017 “ficará na história como o dia em que deflagrou aquele que foi o incêndio florestal mais mortífero de sempre em Portugal”.

“Uma tragédia – cuja dimensão não encontra paralelo na nossa história recente – que o parlamento, desde o primeiro momento, procurou compreender, em todos os seus contornos, obtendo, de forma isenta e credível, os esclarecimentos possíveis. Foi assim com o funcionamento de comissões técnicas independentes, é assim com o funcionamento de uma Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar, que, a seu tempo, obterá as suas conclusões”, aponta.

Na sua mensagem, o presidente da Assembleia da República deixa ainda mais uma nota sobre as vítimas dos incêndios de há três anos: “Homenagear aquelas e aqueles que vimos partir em 2017 é, sobretudo, garantir que não voltamos a assistir a uma tragédia com esta dimensão”.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

7 COMENTÁRIOS

  1. Sr. Presidente da Assembleia da República, devemos de facto homenagear os mortos de tão trágico acontecimento. Mas os vivos? Aqueles que quase deram a vida para que a tragédia não fosse maior, esquecemo-los? Aquele bombeiro de Castanheira de Pera, Rosinha, a quem a família pediu encarecidamente que não os deixasse para ir para aquele inferno, mas que pôs o dever acima do amor aos seus, está numa situação deplorável, após ter sido sujeito a sucessivas intervenções cirúrgicas, a usufruir de uma miserável subvenção!! Este homem deveria ter sido condecorado pelo mesmo estado que condecorou, escandalosamente, o costureiro da Dra. Maria Cavaco Silva! Para terminar não posso deixar de referir a desigualdade com que são tratados cidadãos do mesmo estado. Estou a lembrar-me de que Sérgio Monteiro, para vender mal o Novo Banco, foi pago a peso de ouro. Não era este por certo o país que nós queríamos depois do 25 de Abril!!

  2. Sr. Primeiro Ministro, temos aqui a regionalização no seu melhor!! Vimos, em Pedrogão, armazéns a abarrotar de produtos doados a deteriorarem-se, quando a população se encontrava tão carente, perante a inépcia dos responsáveis. Agora, são os fundos angariados pelos portugueses que ainda não foram utilizados, passados que são dois anos sobre a tragédia!! Mas a quem são pedidas responsabilidades, sr. primeiro ministro, por toda esta incompetência e falta de solidariedade?? Quando defende a regionalização é a este tipo de gente que nos quer entregar? Razão tem o Presidente da República em desconfiar de tais intenções! O que se está a passar com o tratamento dado a tão trágico acontecimento não tem classificação!!A Gulbenkian, e muito bem está a exigir uma indemnização pelos donativos que fez e não foram aplicados!!

  3. De tudo o que já vimos e ouvimos falar e não têm sido boas provas, só comprova que uma vez mais o interior caiu no esquecimento, muito mais grave ainda perante uma tragédia desta natureza, hoje as televisões e políticos uma vez mais com ar de paternalismo trouxeram o assunto à baila, no entanto tudo irá ficar na mesma ou pior ainda, melhor que todo este palavreado de políticos, seria intervir a fundo nestas regiões com ordenamento do território feito a sério e por gente competente, recuperar todas as casas dos afectados e não as dos amigos de família ou partido, encaminhar todos os donativos para os necessitados sem desvios de trajectória. Haja vergonha e patriotismo que parece estarem em vias de extinção.

  4. Portugal tem que deixar de se comportar como um país da América Latina onde, para os poderosos, reina a impunidade.
    Neste caso, dada a extensão daquela calamidade, os responsáveis devem ser EXEMPLARMENTE PUNIDOS!

  5. Estes fundos deveriam ser aplicados de facto na prevenção de novos incêndios, já que a floresta é a mesma uma vez que os eucaliptos estão todos a rebentar e prontos a arder dentro de pouco tempo.É quase impossível
    acabar com esta terrível praga! O que há a fazer é tentar proteger-se o mais possível. Seria importante que as aldeias mais expostas a esta calamidade tivessem todas um tanque grande e kits de mangueiras, com tamanho e diâmetro adequados para não voltarmos a ver as pobres das pessoas a combater as chamas com simples baldes de água. Sabemos que muitos se salvaram metendo-se nos seus tanques. Porque esperam as entidades responsáveis para fazer qualquer coisa com os fundos acumulados, há já três anos? Depois de casa roubada trancas à porta!!

RESPONDER

Sonda passa ao lado de Vénus, tira-lhe uma fotografia e surpreende cientistas da NASA

A imagem obtida pelo Wide-field Imager (WISPR) da Parker Solar Probe foi capturada a 12.380 quilómetros de Vénus. A Parker Solar Probe, da NASA, capturou vistas deslumbrantes de Vénus em julho de 2020. O alvo da …

Cientista descobre espécie extinta de ganso através de uma pintura egípcia

Uma famosa pintura que estava originalmente no túmulo do príncipe egípcio Nefermaat levou um cientista a descobrir uma espécie de ganso já extinta. A cena "gansos de Meidum", originalmente pintada no túmulo do príncipe Nefermaat, encontra-se …

Físico cria algoritmo de IA que pode provar que a realidade é uma simulação

Hong Qin, do Laboratório de Física de Plasma de Princeton (PPPL) do Departamento de Energia dos EUA, criou um algoritmo de Inteligência Artificial que pode provar que a realidade é, na verdade, uma simulação. O algoritmo …

Quase 10 anos depois, avião de Gaddafi continua parado num aeródromo em França

Quase uma década depois de ter aterrado em solo francês, o avião presidencial do ex-ditador líbio continua parado num aeródromo no sul do país, estando no meio de vários processos judiciais que parecem não ter …

Governo recebeu 1.600 ideias para a bazuca. Costa agradece mobilização

Durante a fase de discussão pública, o Plano de Recuperação e Resiliência recebeu mais de 1.600 contribuições e mais de 65 mil consultas. O primeiro-ministro António Costa disse que, durante a fase de discussão pública, …

"Honjok" é o nome do movimento sul-coreano que reivindica a solidão

A solidão tornou-se um tema recorrente devido à pandemia de covid-19. Na Coreia do Sul, existe um movimento chamado "honjok", que promove um estilo de vida solitário. O isolamento imposto pela pandemia de covid-19 está a …

Do subsolo sírio à nomeação ao Óscar: hospitais em tempos de guerra numa "era de impunidade"

The Cave é o nome de uma produção que esteve nomeada para o Óscar de Melhor Documentário de 2020. É também o lugar onde hospitais sírios se escondem para salvar vidas longe de bombardeamentos e …

Patrícia Mamona sagra-se campeã no triplo salto em pista coberta

Esta tarde, Patrícia Mamona tornou-se a terceira atleta portuguesa a garantir a medalha de ouro para Portugal no Campeonato da Europa em pista coberta. A portuguesa Patrícia Mamona conquistou, este domingo, a medalha de ouro na …

Dias de aulas mais longos, férias mais curtas e cinco períodos. Em Inglaterra, já se equacionam formas de recuperar o tempo perdido

Há três medidas em cima de mesa que podem vir a ser adotadas para combater os atrasos na aprendizagem dos alunos. Na Inglaterra, as escolas reabrem para aulas presenciais esta segunda-feira, mas já se pensa …

Índia abre centro de bem-estar para hóspedes abraçarem vacas e "esquecerem todos os problemas"

Animais de conforto e apoio emocional são cada vez mais populares em todo o mundo. Embora a maioria das pessoas use cães ou gatos, há também algumas escolhas mais bizarras, incluindo pavões, macacos e cobras. Os …