Fim das propinas pode custar pelo menos 330 milhões ao Estado

O ministro do Ensino Superior voltou a propor o fim das propinas. Mas eliminá-las será sempre uma meta exigente, tendo em conta o protagonismo que têm vindo a assumir nas contas das instituições do ensino superior.

Manuel Heitor voltou a pôr a hipótese em cima da mesa e o Presidente da República aplaudiu e apoiou “totalmente”.

Porém, as propinas renderam às universidades e aos politécnicos públicos 330,1 milhões de euros em 2017, o valor mais alto de sempre, de acordo com o Diário de Notícias. A importância desta contribuição dos alunos para as receitas das instituições acentuou-se todos os anos na última década.

Entre 2008 e 2017, de acordo com dados do relatório Estado da Educação 2017, divulgado em dezembro passado pelo Conselho Nacional de Educação (CNE), as receitas anuais com as propinas cresceram quase 72 milhões de euros e a fatia por estas ocupada no bolo orçamental do superior público passou de 13,7% para 23,7%. Ou seja: um aumento de dez pontos percentuais.

É com estes números que terá de lidar o governo que decida eliminar as propinas da equação, sendo que o impacto será naturalmente inferior se a medida acontecer apenas de forma parcial. Por exemplo, abrangendo só os primeiros ciclos e mestrados integrados, ou isentando de custas os alunos nacionais e da União Europeia, bem como outros países com os quais Portugal tenha acordos.

No entanto, a fatura deverá ser sempre da ordem das centenas de milhões de euros anuais. Só a recente decisão de baixar a propina máxima em 20% para 856 euros, a partir de 2019-2020 – atualmente está nos 1068 euros -, terá um impacto previsto de cerca de 65 milhões por ano nas contas públicas.

Pedro Dominguinhos, presidente do Politécnico de Setúbal e do Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos (CCISP), considera que “a proposta do senhor ministro será para as licenciaturas” mas confirma que estas já representam “a grande maioria” das receitas relativas às propinas, avisando estar em causa “um valor importante” que seria “impossível” de cobrir sem um reforço das transferências do Estado.

As instituições não podem viver sem essas receitas das propinas”, afirma. “Deduzo que seja uma medida importante para promover o acesso ao ensino superior mas, do ponto de vista das instituições, isto significa retirar receitas que têm de ser ressarcidas pelo Orçamento do Estado.”

Entre os países com propinas mais altas

De acordo com o relatório O Estado da Educação 2017, citando dados da rede Eurydice da Comissão Europeia: Portugal está entre os países da União Europeia (UE) que cobram propinas mais altas – e a mais alunos – nos primeiros ciclos do ensino superior, com a agravante de se contar também entre os que menos estudantes apoiam através de bolsas ou outro tipo de incentivos.

Numa análise a mais de 40 sistemas educativos do espaço comunitário, a rede Eurydice aponta cerca de duas dezenas de casos em que a propina no 1º ciclo do ensino superior não existe ou, graças ou não aos apoios concedidos, tem um valor médio residual, abaixo dos cem euros.

Portugal está no outro lado da tabela, entre os raros casos que cobram propina a todos os alunos, sendo também daqueles que menos compensam com os apoios sociais.

Mesmo com o corte de 20%, Portugal tem a sexta propina mais elevada entre aqueles que a cobram, sendo apenas superado por Irlanda, Holanda, Hungria, Itália e Espanha. Se for levada em consideração a percentagem dos estudantes que acabam por não pagar graças aos apoios sociais, o país passa a ser o quarto que maior esforço exige às famílias.

ZAP //

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. Acabar c/ propinas?? Eles não investem na saúde o que fara na escolaridade … esta só pode ser p/ rir… Onde andam c/ a cabeça? a começar pelo n/ PR.

  2. Pessoalmente acho que não deviam acabar com as propinas. Considero é que os estudantes deviam ter mais pelo dinheiro que pagam, nomeadamente residências, melhores professores (e sobretudo com alguma ligação à vida real), melhores salas e laboratórios, melhores equipamentos e também canabis gratuito.

  3. ah o colectivismo.

    então e que tal o valor das propinas tal como o valor de uma consulta deveria estar, ser associado ao valor de IRS dos paizinhos ou dos próprios.

    parece-me bem mais justo.

  4. Pois deviam mesmo acabar com as propinas, o ensino não ser gratuito é um disparate! Ao não acabar com as propinas estamos a retirar potenciais mentes brilhantes do nosso mercado de trabalho e estamos a empenhar o futuro do nosso País. Acabar com as propinas é uma aposta no futuro da juventude portuguesa.

  5. Mesmo pagando propinas é o que se vê! Acabar com elas seria o fim da macacada.
    Acabar com as propinas para o contribuinte ter de arcar com mais esse encargo? A ser assim, por que hei de eu contribuir para quem vive melhor do que eu?
    Que paguem, que paguem, para saberem o que custa a vida. Também as paguei quando foi a minha vez e a vez do meu filho e vivia com mais dificuldades do que os meninos de hoje.

RESPONDER

Macron convoca reforços após novos confrontos de coletes amarelos

A nova manifestação de "coletes amarelos", no sábado, registou distúrbios violentos na capital francesa. Como resposta, o presidente francês Emmanuel Macron convocou um reforço das forças de segurança. O dia de sábado marcou mais um protesto …

Pedidos de nacionalidade portuguesa aumentaram 50% em dois anos

Nos últimos dois anos, o número de pedidos de nacionalidade portuguesa aumentou cerca de 50%, avança o jornal Público esta segunda-feira. Se em 2016 foram 117.629 os cidadãos estrangeiros que pediram a nacionalidade portuguesa, em 2018 …

Não há democracia na Coreia do Norte? "É uma opinião", diz Jerónimo

Jerónimo de Sousa evitou classificar o regime de Kim Jong-un em termos "de ser ou não ser" uma democracia. A Coreia do Norte é ou não uma democracia? "É uma opinião", respondeu Jerónimo de Sousa. Numa …

Afinal, o esparguete à bolonhesa não existe

Quando se trata de refeições italianas clássicas, a maioria das pessoas pensa em pratos simples como uma pizza Margherita, lasanha e esparguete à bolonhesa. Contudo, segundo Virginio Merola, presidente de Bolonha, em Itália, o esparguete à bolonhesa …

Javalis tomaram o lugar dos coelhos. "Muitos animais estão doentes"

Para já, não há perigo de saúde pública, mas os javalis carregam doenças que podem passar a outros animais. Se antes se matavam mil coelhos, abatem-se agora 10 javalis. Jacinto Amaro, presidente da Fencaça - Federação …

Maduro prepara reestruturação do Governo venezuelano

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, pediu aos ministros do seu Governo que ponham os seus cargos à disposição, a fim de impulsionar uma "reestruturação profunda" do Executivo. O anúncio foi feito este domingo através do …

"Cojones" de Ronaldo valem-lhe processo disciplinar da UEFA

A UEFA abriu um processo disciplinar a Cristiano Ronaldo pelo seu festejo na vitória por 3-0 frente ao Atlético Madrid. O gesto ousado do português após marcar o terceiro golo na partida foi uma resposta …

Olimpíadas de Tóquio terão robôs a ajudar pessoas em cadeira de rodas

As Olimpíadas de Tóquio, que decorrem em 2020, podem vir a ficar conhecidas como os "Jogos dos Robôs", devido aos robôs que serão usados ​​no novo Estádio Nacional para ajudar os apoiantes em cadeiras de …

Banco de Portugal quer obrigar bancos a reduzir custos de transferências imediatas

O Banco de Portugal quer que a banca implemente práticas que reduzam o preço das transferências imediatas, de forma a aumentar a sua adoção. Estas são transações monetárias de uma conta para outra, efetuadas num …

Holanda investiga morte de milhares de doentes mentais na II Guerra Mundial

A Holanda vai investigar as circunstâncias em que milhares de pessoas com incapacidades e doenças mentais morreram nos hospitais psiquiátricos do país na II Guerra Mundial, um número que é desconhecido, divulgou a imprensa local. "Não …