Marcelo concorda “totalmente” com fim das propinas

António Pedro Santos / Lusa

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa

O Presidente da República afirmou concordar “totalmente” com a ideia de se caminhar para o fim das propinas no ensino superior e defendeu que a educação é uma matéria de regime e não de legislatura.

Numa intervenção no encerramento de uma convenção sobre este tema, no ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa considerou que a ideia defendida pelo ministro do Ensino Superior, Manuel Heitor, “da extinção das propinas, a concretizar-se, a ser possível concretizar-se, é um passo decisivo”.

À saída desta iniciativa, questionado se é ou não favorável à proposta de se caminhar para o fim das propinas no ensino superior, o chefe de Estado reiterou a sua posição: “Totalmente. Ficou claríssimo. Eu disse que era um passo muito importante no domínio do financiamento do ensino superior”.

“Porque isso significa o dar um passo para terminar o que é um drama, que é o número elevadíssimo de alunos que terminam o ensino secundário e não têm dinheiro para o ensino superior, porque as famílias não têm condições, portanto, têm de trabalhar, não podem permitir-se aceder ao ensino superior”, justificou.

Segundo o Presidente da República, este quadro “é muito negativo em termos do futuro do país” e coloca Portugal numa “posição muito má em termos internacionais“.

Antes, na sua intervenção no encerramento da Convenção Nacional do Ensino Superior 2030, Marcelo sustentou que Portugal tem de fazer “uma opção coletiva” quanto à aposta na educação que, no seu entender, não é encarada como prioridade pela maioria da população.

Por outro lado, apelou para que a educação seja pensada a prazo, “para além das perspetivas estritamente eleitorais ou das divergências partidárias”.

No seu entender, “é de uma perspetiva estrutural que tem de se pensar neste tema”, que é “matéria de regime e não matéria de legislatura, nem de Governo, nem de partidos”. “Eu tenho defendido isto para diversas áreas, aliás, com grande insucesso. Mas continuo a insistir”, observou.

No final, em resposta aos jornalistas, a propósito das propinas, Marcelo Rebelo de Sousa rejeitou que seja eleitoralista colocar esta questão na agenda em ano eleitoral. “Não, porque quem coloca esta questão na agenda é o Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas, logo no início do ano, e eu apoiei.”

Marcelo argumentou que a questão, “em primeiro lugar, não parte dos partidos, não parte do Governo, não parte da oposição – parte das universidades, apoiadas pelos politécnicos”.

“Em segundo lugar, a ideia é, antes de começar a parte mais acesa de campanha, dizer aos partidos: independentemente das posições que venham a tomar, pensem que há uma realidade que deve estar para além das guerras partidárias e sobre a qual nós temos opinião”, completou.

Interrogado se há dinheiro para suportar o fim das propinas, o Presidente respondeu que “é uma questão que tem de ser ponderada ano a ano em termos orçamentais e numa perspetiva global” e que “é uma questão de escolha”.

De acordo com o chefe de Estado, Portugal precisa de “cada vez mais portuguesas e portugueses qualificados para enfrentarem os desafios do futuro”. “O tipo de economia e o tipo de sociedade que temos de construir exige mais gente mais qualificada. Isso quer dizer mais ensino superior“, reforçou.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Tribunais vão vender máscaras a um euro. "É uma margem de lucro de 45 por cento"

Os tribunais vão ter máscaras cirúrgicas à venda para advogados e testemunhas, de modo a garantir que podem entrar nas salas de audiência a partir de quarta-feira, dia em que a Justiça retoma as sessões …

Julgamento BES. Ministério Público acredita que provas da Suíça ainda podem ser utilizadas

O jornal Público escreve este sábado que os procuradores do Ministério Público (MP) acreditam ainda ser possível utilizar os elementos solicitados nas cartas rogatórias enviadas às autoridades suíças no julgamento do caso BES. O Ministério …

Salários mais baixos podem passar a ter lay-off pago a 100%

O Governo está a estudar a possibilidade de o regime de lay-off, desenhado especificamente para o contexto da pandemia de covid-19, passar a ser pago na sua totalidade (100%) para quem tem salários mais baixos. …

Bronca na Liga. Contestação adia 5 substituições e o Marítimo recusa assinar Plano de Retoma

Após dois dias intensos de reuniões, foi aprovado o Plano de Retoma do campeonato nacional para a disputa das últimas 10 jornadas da época 2019/2020. Mas apenas 17 clubes o assinaram. O Marítimo recusou fazê-lo, …

Igreja perdeu 50 milhões de euros com a pandemia (e há dioceses em lay-off)

Ao cabo de dois meses de paragem por causa da pandemia de covid-19, as missas regressam, neste sábado, mas com regras novas para evitar a propagação do coronavírus. Uma paragem que resultou num "prejuízo" de …

Reabertura de ATL adiada para 15 de junho. Creches arrancam segunda-feira (sem apoios para os pais)

As Atividades de Tempos Livres (ATL) não integradas em estabelecimentos escolares só poderão voltar a funcionar a partir de 15 de junho, duas semanas depois daquilo que estava inicialmente previsto. O anúncio foi feito pelo primeiro-ministro, …

Governo britânico vai continuar a pagar 80% dos salários durante mais três meses

O Governo britânico vai continuar a pagar durante mais três meses 80% do salário de trabalhadores em lay-off devido à pandemia de covid-19, e reduzir gradualmente o valor até ao fim do sistema, em outubro. O …

Resgate à TAP deverá ser feito através de empréstimo obrigacionista

A ajuda do Estado à TAP deverá chegar através de um empréstimo obrigacionista convertível em ações, avança o jornal Expresso neste sábado. Este é o cenário mais provável para a TAP, apurou o semanário, que …

Lisboa pode receber a final deste ano da Liga dos Campeões

Istambul não está agradada com a ideia de receber a final da Liga dos Campeões sem adeptos no estádio. Por isso, outras hipóteses estão a ser consideradas, nomeadamente Lisboa. A final da Liga dos Campeões está …

Há mesmo algo de reconfortante quando dizemos palavrões

Um novo estudo sugere que, nas circunstâncias certas, dizer palavrões em voz alta parece fazer as pessoas sentirem menos dor. Exatamente como e porque é que o ato de dizer asneiras consegue fazer com que as …