Propinas dividem esquerda e direita. Governo quer eliminá-las até 2030

A redução do valor das propinas dividiu o Parlamento entre o “passo histórico” contra medidas de “caridadezinha” da esquerda e a aposta na ação social da direita, com o Governo, no meio, a defender a eliminação de custos nas licenciaturas até 2030.

Esta quarta-feira, na discussão na especialidade da proposta de Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), a deputada do CDS-PP Ana Rita Bessa confrontou o ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior com declarações numa entrevista no início de mandato, para lembrar que, na altura, Manuel Heitor considerava que a questão de mexer no valor das propinas não se colocava, que não era uma matéria de exclusão do ensino superior, mas de redistribuição de rendimentos e que era mesmo populista.

“Até se pode fazer aqui um silogismo: se mexer nas propinas é populista e o senhor ministro mexeu nas propinas, o senhor ministro é populista. Mas a pergunta fica no ar, não me cabe a mim responder”, disse a deputada, que perguntou ao ministro se “mudou de ideias”, apesar de não ter mudado de programa de Governo.

Se me pergunta se mudei de opinião, mudei, porque o contexto mudou radicalmente”, respondeu Manuel Heitor, referindo um aumento da dotação orçamental para as instituições de ensino superior maior do que o aumento percentual de alunos no ensino superior. Além disso, defendeu uma “visão mais moderna” de financiamento do ensino superior, de partilha de custos entre graduados e empregadores, com o objetivo de libertar os estudantes de licenciaturas de custos até 2030.

“O desafio que Portugal vai ter de enfrentar é entrar num esquema de formação da população que venha a atenuar a partilha dos custos entre os contribuintes e os estudantes. Isso tem de ser feito de forma criativa e inovadora em termos europeus, sobretudo partilhando custos com os empregadores e com os graduados”, disse.

“Requer um processo gradual e a aposta de chegar a 2030 sem custos para estudantes deve ser um esforço coletivo que deve ultrapassar várias legislaturas e que impõe uma visão totalmente distinta do utilizador pagador”, acrescentou Manuel Heitor.

Ana Rita Bessa insistiu que à redução das propinas se devia contrapor uma aposta na ação social escolar, com mais bolsas, mais elevadas e mais soluções de alojamento, numa posição muito parecida à defendida pelo PSD, por Margarida Mano, que considerou que baixar o valor máximo das propinas era “um tiro ao lado”.

 

“O Governo gastará três vezes mais a compensar a redução das propinas do que investirá em alojamento. E isto quando os estudantes deslocados pagam em média três vezes mais pelo alojamento do que pela propina. É o exemplo perfeito de prioridades trocadas”, afirmou Margarida Mano, que criticou ainda que não se optasse por reforçar as bolsas.

O bloquista Luís Monteiro sublinhou o “passo histórico” na redução de um valor “incomportável para muitas famílias”, considerando que “era imperioso que nesta legislatura” se desse esse passo, desferindo depois um ataque às bancadas da direita, ao declarar o que “foram lançadas muitas ideias falsas e desavergonhadas sobre o papel do Estado social”.

O deputado disse que cumprir a Constituição “não passa apenas por dizer que os mais pobrezinhos têm direito a bolsas”, nem por uma “lógica de utilizador pagador” ou por uma dupla taxação sobre as famílias, obrigando-as a pagar o ensino superior pelos impostos e pelas propinas, e enumerou uma série de propostas levadas ao parlamento para reduzir o peso dos custos do ensino superior sobre as famílias, chumbadas pela direita.

“Quando se baixam propinas diz que está muito preocupada com a ação social, mas está há sete anos a chumbar quase todas as propostas nessas matérias. Devíamos estar a discutir problemas de amnésia, mas na comissão de Saúde, porque a direita se esqueceu de tudo o que vetou até ao ano passado”, criticou.

Também a deputada comunista Ana Mesquita atacou os argumentos da direita: “Muitas vezes tiveram oportunidade de aprovar medidas de justiça social e não de caridadezinha”, sublinhou.

A deputada defendeu ser preciso garantir “uma maior responsabilização do Estado e alívio das famílias, porque as propinas são ainda uma grande fatia do financiamento das instituições de ensino superior”, e anunciou a entrega de uma proposta de alteração ao OE2019.

Sobre o financiamento do ensino superior, foram referidos por vários deputados os pedidos do conselho de reitores para que haja uma estratégia clara. Na discussão foi mesmo recuperada a fórmula de financiamento do ensino superior que chegou a ser delineada no mandato do ex-ministro Nuno Crato, mas abandonada por este Governo.

Nilza de Sena, do PSD, pediu uma fórmula de financiamento que seja “transparente e auditável” e Ana Rita Bessa disse que ao desaproveitar o modelo do Governo anterior, o ministério de Manuel Heitor perdeu a oportunidade de ter um financiamento com “um padrão mais lógico”.

Em resposta, Manuel Heitor recusou recuperar esse modelo da fórmula de financiamento, defendendo que era uma “forma de dividir para reinar” e um “processo completamente obsoleto”.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. eu tambem posso dizer que em 2030 tambem vou oferecer reforma de 1400 euros para todos os portugueses … e relativamente facil falar o problema e fazer ate porque um governo so dura 4 a 8 anos no maximo

RESPONDER

Sair das redes sociais não garante privacidade

Uma pessoa que saia das redes sociais não tem garantia de privacidade porque os amigos que lá deixou continuam a permitir prever com alguma certeza as suas atividades, segundo um estudo científico. A investigação da equipa …

Hotel condenado a pagar 19 milhões por discriminação religiosa a funcionária despedida

Quando foi contratada pelo hotel Conrad, Marie Jean fez um acordo: não trabalharia ao domingo, para cumprir os seus compromissos religiosos na igreja Bethel Baptist. Marie Jean Pierre era uma imigrante a tentar ganhar a vida …

"Alpinista de biquiní' morre de hipotermia após queda em desfiladeiro

Famosa pelos seus passeios em biquíni pelas montanhas, Gigi Wu caiu de um desfiladeiro e morreu de hipotermia no Parque Nacional Yu Shan, em Taiwan. Gigi Wu, de 36 anos, apelidada de "alpinista de biquíni" pelos …

Crimes de Vale e Azevedo no Benfica prescreveram

O Tribunal da Relação de Lisboa considerou prescritos os crimes de que o ex-presidente do Benfica João Vale e Azevedo estava acusado, relativos ao desvio de dinheiro dos direitos televisivos do clube, disse esta terça-feira …

Suspensão de voos em Gatwick devido aos drones custou quase 17 milhões à easyJet

A transportadora aérea easyJet informou que os custos devido à suspensão da operação em Gatwick, um dos aeroportos que serve Londres, devido à presença de drones, chegou quase aos 17 milhões de euros. Em comunicado enviado …

Passageiro alcoolizado desviou um avião na Rússia

Um avião de passageiros que voava da Sibéria para Moscovo foi desviado por um passageiro que alterou a rota prevista, obrigando-o a aterrar no Afeganistão. O homem estaria alcoolizado e já foi detido. A Associated Press, …

Santana desafia partidos a falar sobre coligações antes das legislativas

O presidente do partido Aliança, Pedro Santana Lopes, desafiou os líderes partidários a dizerem antes das eleições legislativas deste ano se querem alguma coligação pós-eleitoral e com que partidos. Uma coligação pré-eleitoral dos partidos do centro-direita …

Polícia prende cinco suspeitos da morte de Marielle

A operação Os Intocáveis, desencadeada nesta manhã em áreas controladas por milícias do Rio de Janeiro, prendeu cinco suspeitos do envolvimento nos assassinatos da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes. São integrantes de uma …

Centeno não estará no próximo Governo "para não ter de gerir as consequências" das políticas adotadas

Daniel Bessa, antigo ministro da Economia de António Guterres, alerta que as contas públicas estão "por arames", considerando que Mário Centeno, que lidera a pasta das Finanças no atual Executivo socialista, não fará parte de …

Cientista que criou bebés geneticamente modificados foi despedido

O cientista chinês He Jiankui, que anunciou a criação da primeira modificação genética de bebés, foi acusado pelo Governo chinês de driblar a fiscalização e de quebrar as diretrizes em busca de fama e fortuna. Esta …