Ferro Rodrigues está “perfeitamente de acordo” com Marcelo sobre enriquecimento ilícito

Tiago Petinga / Lusa

O Presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues

O presidente da Assembleia da República (AR) concorda com o Presidente quanto à urgência de melhorar a lei contra o enriquecimento ilícito e diz que isso pode ser feito sem pôr em causa princípios constitucionais.

Numa entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Eduardo Ferro Rodrigues defende que a lei que existe pode ser melhorada e que tal é possível sem colocar em causa os princípios da presunção da inocência e da inversão do ónus da prova.

O presidente da AR diz também que a proposta da Associação Sindical dos Juízes Portugueses (ASJP) sobre o assunto “é perfeitamente complementar” e pode melhorar a verdadeira ação contra o que apelida de “vigarices”.

“Com o que o senhor Presidente da República diz sobre essa matéria eu estou perfeitamente de acordo. Há condições para melhorar e fazer leis mais ativas e mais capazes de acabar com todas as vigarices em todos os planos da vida pública e que isso pode ser feito sem pôr em causa os princípios constitucionais da presunção da inocência e da inversão do ónus da prova.

“Com a atual lei já é obrigatório que os titulares de cargos que referi [deputados, membros do Governo, autarcas juízes e procuradores] façam as declarações de rendimento e património. Acontece que há uma Entidade da Transparência que ainda não foi instalada e que depende do Tribunal Constitucional”, afirma Ferro Rodrigues, acrescentando que “não faz sentido” esta entidade não ter sido ainda instalada.

Contudo, o presidente do Parlamento sublinha o relatório do grupo internacional que estuda a evolução da corrupção nos diversos países (Greco), que considera positiva a evolução de Portugal no que diz respeito ao cumprimento das recomendações sobre o tema da prevenção da corrupção.

“O que quer dizer que há quem, sem querer, faça o jogo de todos os populismos, sobretudo os do nacionalismo de extrema-direita, ao estar a gritar ‘corrupção, corrupção, corrupção’ quando os organismos internacionais que fiscalizam o Estado e o funcionamento da sociedade portuguesa não provam nada disso“, afirma.

Sobre as declarações do presidente da Câmara de Lisboa, que afirmou que o comportamento do antigo primeiro-ministro José Sócrates corrói o sistema democrático, Ferro Rodrigues recusa comentar, diz que não é comentador político e que seria “impróprio” que o presidente da AR se manifestasse “fosse a que nível fosse” sobre um processo que ainda está a decorrer.

“Mesmo em termos políticos ou morais, só me pronunciarei quando ele tiver transitado em julgado”, afirma.

Ferro Rodrigues diz ainda que a atitude do primeiro-ministro sobre este assunto “foi uma atitude de defesa do PS, como lhe competia”.

Sobre o próximo Orçamento do Estado, Ferro Rodrigues defende que o Governo deve ser “mais pró-ativo” a negociar com os partidos de esquerda, mas também a dialogar com o PSD e que quem tiver responsabilidade por qualquer crise política “vai pagar severamente nas urnas”.

“Quem tiver responsabilidade por uma crise política vai pagar severamente nas urnas essa responsabilidade. O país está numa situação muito grave, não só por causa da pandemia, mas devido à crise económica. Estamos a viver um período em que o que era desejável era que a base de apoio das decisões fosse mais alargada e não menos alargada”, afirmou.

O presidente da AR defende igualmente que a pandemia “devia ter levado os partidos a entenderem-se mais” e a “terem uma base mais forte de convergência”, dizendo ainda que “quanto mais cedo se desdramatizar a viabilidade do próximo Orçamento melhor para o país”.

“Conviver com a pandemia, a crise económica, a crise social e um ponto de interrogação sobre como vai passar o próximo Orçamento seria uma coisa de evitar o mais cedo possível”, afirma.

Sobre o comportamento dos diversos grupos parlamentares nas negociações e votações do Orçamento do Estado, Ferro afirma: “Há sempre uma coisa que é perigosa: um ou dois grupos parlamentares votarem de determinada maneira porque estão convencidos de que outro grupo parlamentar impedirá uma crise grave de governação”.

E isso é um jogo perigoso. É um jogo em que às vezes se erra e pode conduzir a uma situação grave para o país e para a democracia nesta fase”, insiste.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Autoagendamento a partir dos 60 anos deve arrancar no final da próxima semana

O autoagendamento para a vacinação contra a covid-19 deverá passar a contemplar as pessoas a partir dos 60 anos, em vez dos atuais 65, já no final da próxima semana, adiantou hoje à Lusa fonte …

Emprego, formação e pobreza. Cimeira Social arranca com apelos a mudança para recuperar da crise

A Cimeira Social arrancou, nesta sexta-feira, no Porto, com a presença de 24 dos 27 chefes de Estado e de Governo da UE, num evento que pretende definir a agenda social da Europa para a …

Comandos. MP pede condenação de cinco arguidos a penas entre dois e 10 anos de prisão

O Ministério Público (MP) pediu hoje a condenação de cinco dos 19 arguidos no processo relativo à morte de dois recrutas dos Comandos, em 2016, a penas de prisão entre dois e 10 anos. Nas alegações …

Juventus quer Zidane para o lugar de Pirlo

O insucesso desportivo da Juventus esta temporada deve fazer com que Pirlo saia do clube. Zidane, que também estará de saída do Real Madrid, é o favorito da vecchia signora. Zinédine Zidane estará a pensar seriamente …

“Incompetência e arrogância”. Cabrita está (novamente) debaixo de fogo. Partidos pedem a sua demissão

Eduardo Cabrita, ministro da Administração Interna, está mais uma vez no centro da polémica. Depois de ter avançado com uma requisição civil para que mais de 20 imigrantes fossem transportados para o Zmar, durante a …

Fernando José é o candidato do PS a Setúbal. Ana Catarina Mendes concorre à Assembleia Municipal

O deputado e vereador socialista Fernando José é o cabeça de lista do PS às próximas eleições autárquicas para a Câmara de Setúbal e Ana Catarina Mendes à Assembleia Municipal, revelou fonte oficial do Partido …

Portugal na zona de queda dos restos do foguetão chinês

O foguete de Longa Marcha chinês que foi lançado a 29 de abril, e agora está a preocupar o mundo. As previsões é que a reentrada na atmosfera se dê até ao próximo dia 9 …

CIP propõe "almofada" pública de 8.000 milhões para resolver moratórias

A Confederação Empresarial de Portugal (CIP) propôs ao Governo criar uma "almofada" de garantias públicas no valor de oito mil milhões de euros para dar poder às empresas e levar a banca a renegociar os …

Reino Unido. Variante indiana é “preocupante“ e já infetou idosos vacinados

No Reino Unido, já foram encontradas 48 cadeias de transmissão da variante indiana e sabe-se que há transmissão comunitária. A Public Health England classifica esta variante como “preocupante”. A direção geral de saúde de Inglaterra (PHE …

Petição para cancelar Jogos Olímpicos conta já com 200 mil assinaturas

Uma petição 'online' a pedir o cancelamento dos Jogos Olímpicos Tóquio2020 devido à pandemia da covid-19 ultrapassou esta sexta-feira as 200 mil assinaturas, avançou a agência Lusa. A campanha, lançada na quarta-feira pelo advogado e ativista …