Netflix e Spotify tinham acesso a mensagens privadas dos utilizadores do Facebook

Presidência do Peru

O CEO do Facebook, Mark Zuckerberg

Afinal, as mensagens privadas do Facebook não são assim tão privadas. Várias empresas tiveram acesso a estes e outros dados pessoais dos utilizadores da rede social de Mark Zuckerberg.

Uma investigação do jornal norte-americano New York Times, publicada esta terça-feira e baseada em relatórios e documentos internos da empresa de Zuckerberg, adianta que o Facebook deu, durante anos, acesso às mensagens privadas dos seus utilizadores a empresas como o Netflix e o Spotify – que as podiam ler e até apagar.

Além disso, o Facebook permitiu que o motor de busca da Microsoft, o Bing, visse o nome de todos os amigos de alguém no site. A empresa fundada por Mark Zuckerberg confirma e afirma que tudo foi feito com o consentimento dos utilizadores.

Os acordos terão sido criados para ajudar grandes empresas a integrar melhor os seus serviços com o Facebook, com o objetivo de oferecer uma “personalização instantânea“. Na prática, os utilizadores que associassem o seu perfil de Facebook ao motor de busca da Microsoft passavam a ver resultados sobre as preferências dos amigos – ao mesmo tempo que o Facebook chegava a mais utilizadores e via aumentar as suas receitas com publicidade.

“A maioria destes serviços já não existe”, lê-se na resposta da rede social ao jornal norte-americano, assinada por Konstantinos Papamiltiadis, diretor de desenvolvimento de plataformas e programas.

O Facebook adianta que o processo de “personalização instantânea” terminou em 2014, numa altura em que começavam a emergir as preocupações com o acesso aos dados dos utilizadores por parte das empresas.

“Para ser claro: nenhuma destas parcerias ou funcionalidades dava acesso à informação sem a autorização das pessoas”, refere Papamiltiadis, reiterando que a rede social sempre respeitou as regras da FCT, a autoridade de concorrência nos Estados Unidos.

A rede social defende-se afirmando que o objetivo era “ajudar as pessoas”, dado que estes acordos permitiam aos utilizadores “ter mais experiências sociais – como ver recomendações dos seus amigos do Facebook – em outras aplicações e sites populares”.

No entanto, 2014 não foi o fim: várias componentes do serviço de “personalização instantânea” continuaram a funcionar depois desse ano, denuncia o New York Times. O Facebook falhou em restringir o acesso a algumas interfaces de programação de aplicações, ou desligar mecanismos que os parceiros tinham para chegar aos dados dos seus utilizadores.

Mas este assunto não é novo. No início do mês, foram tornados públicos, no âmbito de uma investigação do Parlamento britânico, emails privados trocados entre Mark Zuckerberg e os seus trabalhadores, que davam conta da existência de acordos especiais entre o Facebook e várias empresas. Na altura, contudo, não havia detalhes.

A empresa tem vindo a assegurar que nunca vendeu dados pessoais de utilizadores. No entanto, estas parcerias demonstram que, indiretamente, os dados das contas eram muito importantes para manter vivas estas parcerias – como é o caso das pesquisas no Yelp, através da informação partilhada pelos amigos.

O New York Times põe a descoberto o facto de o Facebook não ter garantido a proteção dos dados dos seus utilizadores. Ainda assim, a empresa de Zuckerberg afirma que “não há provas nem informação” que os dados pessoais tenham sido violados.

“Não há quaisquer provas de que os dados tenham sido mal utilizados ou abusados desde que o programa de personalização fechou”, garante a rede social.

“Não somos do tipo de nos metermos em mensagens diretas”

O Netflix desmarca-se desta situação, dizendo que nunca utilizou estas funcionalidades. “O Netflix nunca pediu, usou, ou acedeu a mensagens privadas de ninguém. Não somos do tipo de nos metermos em mensagens diretas.”

Através de um e-mail enviado à redação do ZAP, a Netflix reitera esta posição. “Ao longo dos anos, procurámos diversas formas de tornar a Netflix mais social. Um exemplo disto foi uma funcionalidade que lançámos em 2014, que permitia aos subscritores recomendar séries e filmes aos seus amigos do Facebook através do Messenger ou da Netflix”, explica.

“Nunca foi muito popular pelo que descontinuámos essa funcionalidade em 2015. Em nenhum momento acedemos às mensagens privadas das pessoas no Facebook, nem pedimos permissão para tal”, refere a Netflix.

Em declarações ao Público, um porta-voz da Microsoft nota que “no decorrer da nossa relação com o Facebook, respeitámos sempre as opções dos utilizadores relativamente a definições de privacidade”.

O Spotify não respondeu às perguntas do diário até à hora de publicação do artigo, mas a investigação do New York Times frisa que o acesso às mensagens privadas foi também dado a esta empresa: o objetivo era permitir enviar mensagens do Messenger a partir do Spotify, sem ter de abrir o Facebook.

O nível de monitorização que o Facebook fazia das empresas com quem tinha acordos não é conhecido. Todavia, a rede social sublinha que “os parceiros de integração [como o Netflix e o Spotify] tiveram de ter autorização das pessoas” para aceder aos dados”.

Ainda assim, o Facebook baixa os braços e admite que não devia “ter deixado as interfaces de programação de aplicações a funcionar depois de encerrar a funcionalidade de personalização instantânea”. A empresa está agora a tentar resolver este problema, passando a pente fino todos os parceiros e a informação a que podem ter acesso.

LM, ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

Responder a Eu! Cancelar resposta

Um "palhaço" que vai apunhalar os iranianos nas costas. Líder supremo do Irão arrasa Trump

O líder supremo do Irão classificou esta sexta-feira o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, como "um palhaço" que finge querer ajudar os iranianos, mas vai atacá-los pelas costas com "um punhal envenenado". As declarações do …

"Lava que se farta". Justiça dá razão a Ana Gomes no processo movido por Isabel dos Santos

A ex-eurodeputada Ana Gomes venceu um dos processos que foi movido contra ela por Isabel dos Santos. Em causa estão publicações no Twitter, onde a diplomata acusava a empresária angolana de estar a usar Portugal …

Secretário da Cultura brasileiro vai ser demitido depois de se inspirar em discurso nazi de Goebbels

Roberto Alvim, secretário da Cultura brasileiro, fez um discurso esta quinta-feira copiando um discurso muito conhecido do ministro da propaganda de Adolf Hitler, Joseph Goebbels. O secretário da Cultura do Brasil, Roberto Alvim, divulgou um vídeo …

Presidente da Guatemala anuncia corte de relações com Venezuela

O novo Presidente da Guatemala, Alejandro Giammattei, anunciou na quinta-feira que ordenou o corte de relações com a Venezuela e o encerramento da embaixada neste país. Alejandro Giammattei, médico e ex-diretor do Sistema Penitenciário da Guatemala, …

Bolsonaro vai manter secretário acusado de irregularidades no Governo

O Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, defendeu hoje o titular da Secretaria Especial da Comunicação Social (Secom, órgão da Presidência), Fabio Wajngarten, acusado de alegadas irregularidades em contratos, garantindo que o manterá no cargo. “Pelo que eu …

FC Porto empresta Waris ao Estrasburgo com opção de compra obrigatória

O avançado ganês foi emprestado pelo FC Porto ao Estrasburgo até ao final da temporada, num negócio que inclui uma cláusula de opção de compra obrigatória. No final do empréstimo, o Estrasburgo fica obrigado a contratar …

Miguel Guimarães reeleito bastonário da Ordem dos Médicos

O bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, foi eleito esta quinta-feira para um segundo mandato, com 93% dos votos. De acordo com os resultados provisórios avançados pela Ordem, estando contados 16.723 votos, Miguel Guimarães foi …

Governante sugere "chazinhos e bolos" para acabar com agressões nas salas de espera dos hospitais

"Salas de espera com bom aspecto, com televisão, revistas" e com "chazinhos e bolos" podem ajudar a reduzir o "clima de tensão" que se vive em alguns hospitais, contribuindo para acabar com as agressões a …

Detidos cinco suspeitos da morte de jovem cabo-verdiano em Bragança

A Polícia Judiciária anunciou, esta sexta-feira, que foram detidos cinco homens, suspeitos de estarem envolvidos na morte do estudante cabo-verdiano, em Bragança. A Polícia Judiciária (PJ) anunciou, em comunicado, que procedeu, esta quinta-feira, a "buscas domiciliárias, …

Cláudio Monteiro renuncia a cargo de juiz do Tribunal Constitucional

O juiz renunciou ao mandato do Tribunal Constitucional por ter sido, entretanto, nomeado Juiz Conselheiro do Supremo Tribunal. O juiz Cláudio Monteiro renunciou, esta quinta-feira, ao mandato de juiz do Tribunal Constitucional (TC), de acordo com …