Netflix e Spotify tinham acesso a mensagens privadas dos utilizadores do Facebook

Presidência do Peru

O CEO do Facebook, Mark Zuckerberg

Afinal, as mensagens privadas do Facebook não são assim tão privadas. Várias empresas tiveram acesso a estes e outros dados pessoais dos utilizadores da rede social de Mark Zuckerberg.

Uma investigação do jornal norte-americano New York Times, publicada esta terça-feira e baseada em relatórios e documentos internos da empresa de Zuckerberg, adianta que o Facebook deu, durante anos, acesso às mensagens privadas dos seus utilizadores a empresas como o Netflix e o Spotify – que as podiam ler e até apagar.

Além disso, o Facebook permitiu que o motor de busca da Microsoft, o Bing, visse o nome de todos os amigos de alguém no site. A empresa fundada por Mark Zuckerberg confirma e afirma que tudo foi feito com o consentimento dos utilizadores.

Os acordos terão sido criados para ajudar grandes empresas a integrar melhor os seus serviços com o Facebook, com o objetivo de oferecer uma “personalização instantânea“. Na prática, os utilizadores que associassem o seu perfil de Facebook ao motor de busca da Microsoft passavam a ver resultados sobre as preferências dos amigos – ao mesmo tempo que o Facebook chegava a mais utilizadores e via aumentar as suas receitas com publicidade.

“A maioria destes serviços já não existe”, lê-se na resposta da rede social ao jornal norte-americano, assinada por Konstantinos Papamiltiadis, diretor de desenvolvimento de plataformas e programas.

O Facebook adianta que o processo de “personalização instantânea” terminou em 2014, numa altura em que começavam a emergir as preocupações com o acesso aos dados dos utilizadores por parte das empresas.

“Para ser claro: nenhuma destas parcerias ou funcionalidades dava acesso à informação sem a autorização das pessoas”, refere Papamiltiadis, reiterando que a rede social sempre respeitou as regras da FCT, a autoridade de concorrência nos Estados Unidos.

A rede social defende-se afirmando que o objetivo era “ajudar as pessoas”, dado que estes acordos permitiam aos utilizadores “ter mais experiências sociais – como ver recomendações dos seus amigos do Facebook – em outras aplicações e sites populares”.

No entanto, 2014 não foi o fim: várias componentes do serviço de “personalização instantânea” continuaram a funcionar depois desse ano, denuncia o New York Times. O Facebook falhou em restringir o acesso a algumas interfaces de programação de aplicações, ou desligar mecanismos que os parceiros tinham para chegar aos dados dos seus utilizadores.

Mas este assunto não é novo. No início do mês, foram tornados públicos, no âmbito de uma investigação do Parlamento britânico, emails privados trocados entre Mark Zuckerberg e os seus trabalhadores, que davam conta da existência de acordos especiais entre o Facebook e várias empresas. Na altura, contudo, não havia detalhes.

A empresa tem vindo a assegurar que nunca vendeu dados pessoais de utilizadores. No entanto, estas parcerias demonstram que, indiretamente, os dados das contas eram muito importantes para manter vivas estas parcerias – como é o caso das pesquisas no Yelp, através da informação partilhada pelos amigos.

O New York Times põe a descoberto o facto de o Facebook não ter garantido a proteção dos dados dos seus utilizadores. Ainda assim, a empresa de Zuckerberg afirma que “não há provas nem informação” que os dados pessoais tenham sido violados.

“Não há quaisquer provas de que os dados tenham sido mal utilizados ou abusados desde que o programa de personalização fechou”, garante a rede social.

“Não somos do tipo de nos metermos em mensagens diretas”

O Netflix desmarca-se desta situação, dizendo que nunca utilizou estas funcionalidades. “O Netflix nunca pediu, usou, ou acedeu a mensagens privadas de ninguém. Não somos do tipo de nos metermos em mensagens diretas.”

Através de um e-mail enviado à redação do ZAP, a Netflix reitera esta posição. “Ao longo dos anos, procurámos diversas formas de tornar a Netflix mais social. Um exemplo disto foi uma funcionalidade que lançámos em 2014, que permitia aos subscritores recomendar séries e filmes aos seus amigos do Facebook através do Messenger ou da Netflix”, explica.

“Nunca foi muito popular pelo que descontinuámos essa funcionalidade em 2015. Em nenhum momento acedemos às mensagens privadas das pessoas no Facebook, nem pedimos permissão para tal”, refere a Netflix.

Em declarações ao Público, um porta-voz da Microsoft nota que “no decorrer da nossa relação com o Facebook, respeitámos sempre as opções dos utilizadores relativamente a definições de privacidade”.

O Spotify não respondeu às perguntas do diário até à hora de publicação do artigo, mas a investigação do New York Times frisa que o acesso às mensagens privadas foi também dado a esta empresa: o objetivo era permitir enviar mensagens do Messenger a partir do Spotify, sem ter de abrir o Facebook.

O nível de monitorização que o Facebook fazia das empresas com quem tinha acordos não é conhecido. Todavia, a rede social sublinha que “os parceiros de integração [como o Netflix e o Spotify] tiveram de ter autorização das pessoas” para aceder aos dados”.

Ainda assim, o Facebook baixa os braços e admite que não devia “ter deixado as interfaces de programação de aplicações a funcionar depois de encerrar a funcionalidade de personalização instantânea”. A empresa está agora a tentar resolver este problema, passando a pente fino todos os parceiros e a informação a que podem ter acesso.

LM, ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Tânia já pode abraçar os filhos. Livrou-se do coronaírus ao 16º teste após 4 meses isolada

A algarvia Tânia Poço foi, finalmente, dada como "curada" de covid-19 após quatro meses de confinamento. Aquele que terá sido o caso mais prolongado da infecção em Portugal, chegou ao fim com o 16º teste …

Exame de Matemática A criticado. Prova "infeliz" não permite "distinguir" alunos

A Sociedade Portuguesa de Matemática (SPM) criticou esta quinta-feira a elaboração do exame nacional de Matemática A, prova realizada por mais de 38.699 alunos que pretendem concorrer ao Ensino Superior. No entender da SPM, "o …

Ninguém quer o novo aeroporto do Montijo. Medina apela a "avanço" na decisão

Autarcas e ambientalistas foram ouvidos, esta quarta-feira, no Parlamento, onde se discutiu o projeto do novo Aeroporto do Montijo. A posição de ambos parece clara: ninguém quer avançar com a ideia. A construção do aeroporto …

Pandemia acelera nos Estados Unidos. Uso de máscara pode salvar 40 mil vidas

Os Estados Unidos ultrapassaram pela primeira vez a barreira dos 70 mil casos de covid-19, nas últimas 24 horas, elevando para mais de 3,49 milhões o total de contágios no país, indicou a Universidade Johns …

Presidente polaco falou ao telefone com Guterres sobre a comunidade LGBT e a 2.ª Guerra (mas não era Guterres)

O recém-eleito Presidente da Polónia, Andrzej Duda, julgava que estava a conversar por telefone com António Guterres, secretário-geral das Nações Unidas. Falou-se da pandemia, da comunidade LGBT e da II Guerra Mundial. Porém, do outro …

Itália pediu ajuda, Europa ficou em silêncio e o vírus cavalgou por todo o continente

A lenta resposta a um inimigo invisível, a falta de stock de equipamentos de proteção, um Ocidente a festejar o Ano Novo e uma Europa com as atenções centradas no Brexit. Um cocktail desastroso que …

Empresas vão poder pedir lay-off em meses interpolados. Trabalhadores recebem subsídio de Natal a 100%

O novo apoio de lay-off que vai substituir o atual regime de lay-off simplificado a partir de agosto vai poder ser pedido pelas empresas em "meses interpolados", podendo desistir do regime e retomá-lo mais tarde. De …

Rombo na economia deixa orçamento retificativo à vista

O ministro das Finanças, João Leão, admitiu alterar as projeções de crescimento económico para 2020 com um orçamento retificativo. Em causa está uma queda mais acentuada da economia. A pandemia obrigou a um orçamento suplementar, onde …

Ricardo Salgado suspeito de corromper altos quadros do BES em milhões de euros

O antigo banqueiro Ricardo Salgado é suspeito de ter usado duas empresas que funcionavam como um saco azul do Grupo Espírito Santo (GES) para corromper 12 pessoas, a maioria altos quadros do Banco Espírito Santo …

Costa navega à esquerda com PSD debaixo de olho. Arrancaram as negociações para o OE2021

António Costa afastou a ideia de bloco central e tem pela frente, esta semana, uma ronda de negociações sobre o próximo Orçamento do Estado com os partidos à esquerda. Esta quarta-feira, deu-se o pontapé de saída …