Marcelo pondera veto à despenalização da eutanásia e envio para Constitucional

António Cotrim / Lusa

O presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, vai optar pelo veto político quando o diploma que prevê a despenalização da eutanásia chegar ao Palácio de Belém, apurou o Jornal Económico (JE) junto de fontes próximas ao chefe de Estado. Vai servir para “ganhar tempo”.

Segundo avançou o JE, essas fontes garantem que o veto presidencial vai servir para “ganhar tempo” e esgotar todas as possibilidades legais. Mesmo que não demova a iniciativa, Marcelo pode pedir a fiscalização sucessiva do diploma pelo Tribunal Constitucional (TC), após a sua promulgação.

Contudo, como lembrou a Rádio Renascença (RR), depois da marcação do debate sobre a eutanásia, Marcelo já havia indicado que tinha “de olhar para a realidade”. “Quer dizer, não é possível ter propriamente uma predeterminação sem saber se há decisão do parlamento e qual é a decisão. E o Presidente não se pronuncia até ao último segundo e no último segundo, naturalmente, decide o que tem de decidir”, disse.

A mesma publicação noticiou que o Presidente já vê esta batalha como perdida. “É uma batalha perdida. Falta saber por quantos”, terá dito Marcelo. A dimensão da derrota, pode retirar margem ao Presidente para o veto político, caso o pretenda.

Sobre o tema, Marcelo disse à RR e ao Público, em 2018: “O veto político não será uma afirmação de posições pessoais, representará a análise que o Presidente da República fará do estado de situação na sociedade portuguesa no momento em for solicitado a ponderar se promulga ou não. Tenho adotado este critério em todas as circunstâncias em que vetei politicamente. Se tiver dúvidas de constitucionalidade suscitarei fiscalização preventiva, se não tiver, nem de constitucionalidade nem de natureza política, promulgarei”.

Havendo uma maioria de dois terços de deputados que confirme a lei, o Presidente terá que “promulgar o diploma no prazo de oito dias a contar da sua receção”. Após a publicação em Diário da República, pode remeter o diploma para fiscalização sucessiva.

Mário Cruz / Lusa

Mas, recordou a RR, o Presidente já teve duas derrotas no TC, com as “barrigas de aluguer” e com os metadados.

Uma sondagem pedida pelo JE à Aximage revela que mais de dois terços dos portugueses concordam com a despenalização da eutanásia, prevista nos projetos de lei do PS, BE, PAN, PEV e Iniciativa Liberal, aprovados na quinta-feira no Parlamento. A eutanásia é permitida na Holanda, na Bélgica, no Luxemburgo, no Canadá e na Colômbia.

Leis não acautelam prémios do seguro de vida

Segundo divulgou o Público, nenhum dos cinco projetos de lei aprovados acautela o pagamento dos prémios do seguro de vida aos beneficiários do doente terminal.

“O procedimento de fim de vida ficará registado como tal, mas, a partir do momento em que é legal, ninguém poderá sair prejudicado”, garantiu ao jornal a deputada Isabel Moreira, acrescentando que a especificação da questão dos seguros de vida “ficará para a fase da regulamentação”.

Ao mesmo jornal, a Associação Portuguesa de Seguros (APS) lamentou que o legislador não tenha, “em articulação com o setor, procurado uma solução que evitasse dúvidas ou incerteza sobre a matéria”.

“Existem apólices que excluem a cobertura de morte que decorra, direta ou indiretamente, do uso de estupefacientes ou medicamentos sem prescrição médica. Ora, uma interpretação a contrário desta norma poderá sustentar a tese de que uma morte com recurso à eutanásia ativa estará coberta, uma vez que os fármacos letais terão sido prescritos por um médico”, afirmou igualmente o jurista Nuno Luís Sapateiro.

Manifestantes recolhem assinaturas para o referendo

Um grupo de manifestantes contra a despenalização da eutanásia concentraram-se na quinta-feira em frente à Assembleia da República, em protesto contra as propostas em discussão e votação do Parlamento. No local, já no fim do protesto, esteve o deputado André Ventura, do Chega.

“Com ou sem cartazes, o mais importante é estarmos aqui e fazer com que as nossas vozes sejam ouvidas. Talvez mudem alguma coisa”, disse Isabel, uma das jovens presentes. Na concentração, alguns jovens aproveitaram para recolher assinaturas para levar a eutanásia a referendo.

Presente no local, José Maria Seabra Duque, da direção da Federação Portuguesa pela Vida, indicou: “Hoje [quinta-feira] é o princípio deste processo legislativo. Ninguém nos vai travar. Vamos a todos os lados recolher assinaturas. E às igrejas também. Uma assinatura recolhida à porta de uma igreja não vale menos do que uma recolhida à porta do Bloco de Esquerda”.

Outra manifestante, Lurdes Oliveira, referiu que “vale sempre a pena lutar pela vida e defender os cuidados paliativos“. “O PS e o Iniciativa Liberal não escreveram uma linha sobre a Eutanásia nos seus programas eleitorais. Mas apresentaram projetos de lei e estão lá dentro a debatê-los. Isso não é legítimo. Esta é uma matéria para referendo. E se não dão voz ao povo, vou voltar aqui até que a voz me doa”, sublinhou.

Antes de deixar a manifestação, apelou: “Eles [os deputados] que visitem um lar ou uma unidade de cuidados paliativos e falem com quem lá está. Sem câmaras ou jornalistas. Perguntem-lhes se querem morrer. Ou se querem ser tratados com dignidade até ao último suspiro. Matar não é amar. Matar é egoísmo”.

ZAP //

PARTILHAR

7 COMENTÁRIOS

  1. Oh meu Deus! Será que esta gente não entende que só se praticará a eutanásia para quem quiser! Não se vai andar a praticar nas pessoas que não querem!
    Será ignorância ou não querem perceber!

      • ´
        É uma questão de luta pela vida o que há de mais sagrado, É tambem religiao sim senhor! mas nao demasiada! Atençao! Quem tem direito a decidir se vive ou morre? Se nao tenho a noçao do Transcendente, se nao acredito num Deus que tudo iniciou mesmo que nao saibamos bem como, senao acredito em JEsus Cristo seu filho que nos veio revelar o seu Amor de PAi para com a humanidade na sua pessoa tudo faz sentido!!
        Primeiro, quem nao valoriza a vida,segundo, quem nao tem fé, ou seja, apenas acredita na matéria e mais nada, repito, tudo é possível! Tudo se torna claro para nossos queridos deputados..
        Peço minimamente que respeitem a opiniao do povo em materia tao sagrada como é a vida e depois veremos . Sejam mais democratas, senao… lamento que tenham chegado a tao alto pódio!!.. A quem estamos entregues! … Bom, isto para para nao falar na falta de esclarecimento e clareza, sobre as benditas leis aprovadas!…. Quando se nao tem a noçao do Transcendente, da vida para alem da morte , realmente tudo é possivel! Tudo faz sentido! Para que viver? Para que sofrer? E está tudo dito!! É tambem uma questão de fé, queiram ou nao aceitar,. Nao é masoquismo é mesmo fé! Será que ainda sabem o que isso é? Provavelmente… reflete-se na vida e já estamos a ver os efeitos… Será que Jesus se viesse à terra hoje, ainda encontraria alguma fé?! Como explicar que nos países da Asia e Àfrica pessoas morrem hoje, de todas as idades, de morte macabra mas nao renegam a sua fé! E, nós ocidentais? Evoluidos (involuidos)? Damo-nos ao luxo de determinar quando acabar com a vida, a quem quiser, só pelo simples facto de nao querer sofrer ( como se isso nao fizesse parte do ser humano) e a nao querer ver sofrer, sim isso sim é egoismo… Quanto há para fazer no cuidados paliativos!! Diminuição da dor e desconforto até ao ulitmo momento, sagrado e único para todos e cada um!… Ao qual nenhum vivente pode escapar! Claro, entendo perfeitamente, uma sociedade laica, avessa ao sofrimento, um governo laico ou ateu só pensa em dinheiro, despesa e receita: dá muita despesa ao estado, e isso convém evitar! Senhores duputados sem valores humanos, é de arrepiar até à medula!! Senhor aumenta a nossa fé!

  2. Cada parvoice que até doi… Lá está o lado de beato de sacristia do MArtelo a entrar em acção. Deve ter medo de ir parar ao inferno se promulgar o mais elementar direito, que qualquer ser humano deve ter, de pedir para acabar com a agonia interminável de um sofrimento de uma doença terminal e lenta.

    Mas há por aí muito pertenso liberal que se acha no pleno direito de impedir os outros de decidir sobre a sua própria vida.

  3. O Presidente Marcelo, quando lhe chegar as mãos a batata quente, chuta-a para o Constitucional instantaneamente. Aprovar ou vetar, custava-lhe uma percentagem de votos nas Presidenciais. Duvido que seja aprovado no Constitucional, Portugal continuara na mesma, sem Cuidados de fim de vida acessíveis a todos se bem entendi só 25% de pessoas com posses são devidamente acompanhadas; e sem a liberdade de cada um, individualmente optar por un fim de sofrimento em conformidade com o seu conceito de dignidade. Entretanto o tema, vai ser un grande bónus para os media !…au menos este caso dá lucro a alguns, sendo ele un dos casos mais fracturantes da Sociedade !

Mais de 500 detidos nos protestos contra Lukashenko. Segue-se a greve geral

A greve geral anunciada pela líder da oposição bielorrussa no exílio para exigir a saída do Presidente começou, esta segunda-feira, com protestos tímidos e detenções em todo o país. "O prazo para cumprir as exigências do …

Polacos protestam contra acórdão que torna o aborto quase impossível

Milhares de polacos têm-se manifestado, nos últimos dias, contra a proibição quase total do aborto, quando as leis do país estavam já entre as mais restritivas da União Europeia. Na última quinta-feira, o Tribunal Constitucional polaco …

Japão promete "uma sociedade neutra em termos de carbono" até 2050

O Japão quer alcançar a neutralidade de carbono até 2050, disse hoje o primeiro-ministro japonês Yoshihide Suga, um caminho que se afigura complicado, devido à dependência do país do carvão. Numa altura em que cada vez …

"Nada nos vai fazer recuar". Macron desperta a raiva do mundo muçulmano (e enfurece Erdogan)

Emmanuel Macron, presidente de França, assumiu posições muito claras na defesa da liberdade de exibir as caricaturas de Maomé, no âmbito da homenagem ao professor decapitado na semana passada, suscitando protestos em vários países muçulmanos. "Nada …

Merkel avisa Alemanha que os próximos meses vão ser “muito difíceis”

A chanceler alemã, Angela Merkel, avisou a Alemanha de que os próximos meses vão ser "muito difíceis", já que o número de infeções por covid-19 continua a crescer diariamente, tendo-se registado 8.685 nas últimas …

Portugal acusado de bloquear lei europeia contra evasão fiscal pelas multinacionais

Os governos português e sueco estão a ser acusados de bloquear, no Conselho da União Europeia (UE), a deliberação de uma lei contra a evasão fiscal por parte de grandes empresas multinacionais digitais. Segundo anunciou esta …

Consumo de antibióticos desce 22% durante a pandemia. Menos 1,1 milhões de embalagens vendidas

O consumo de antibióticos registou uma descida na ordem dos 22% nos primeiros oito meses deste ano. Venderam-se menos 1,1 milhões de embalagens, quando comparado com igual período do ano passado. Entre janeiro e agosto deste …

Portugal regista mais 2.447 casos e 27 mortes por covid-19

Nas últimas 24 horas, Portugal registou mais 2.447 casos positivos e 27 mortes por covid-19. A informação foi divulgada, esta segunda-feira, no boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). O boletim epidemiológico divulgado hoje revela que …

Testes rápidos devem ser aplicados em surtos em escolas ou lares

A Estratégia Nacional de Testes para SARS-CoV-2, hoje publicada, determina que em situações de surto em escolas, lares ou outras instituições devem ser utilizados preferencialmente testes rápidos no sentido de aplicar "rapidamente as medidas adequadas …

Em Berlim, Marta Temido defende reforma e reforço de poder da OMS

A Organização Mundial de Saúde (OMS) deve ser alvo de uma reforma substancial que leve ao reforço do seu poder internacional na sequência da pandemia de Covid-19, defendeu esta segunda-feira a ministra da Saúde, Marta …