EUA deram carta branca a abusos sexuais de crianças no Afeganistão

As forças militares norte-americanas colocadas no Afeganistão fecharam os olhos a casos de abusos sexuais de crianças recorrentes entre elementos das unidades de segurança afegãs. Esta é a conclusão de uma investigação feita por um grupo de fiscalização governamental.

O Inspector Geral Especial para a Reconstrução do Afeganistão (The Special Inspector General for Afghanistan Reconstruction ou SIGAR no original em Inglês) divulgou esta semana, um relatório considerado “tão explosivo” que esteve assinalado como “Secreto”, com a recomendação de que não deveria ser divulgado antes de 9 de Junho de 2042, conforme relata a ABC News.

Este documento analisou a forma como o Departamento de Defesa (DoD na sigla original em Inglês) e o Departamento de Estado dos EUA lidaram com as denúncias de abusos sexuais de menores cometidos por membros das forças militares afegãs.

A investigação foi solicitada em 2015, por elementos do Congresso norte-americano depois de uma notícia do The New York Times sobre o crescente número de casos de abuso sexual de crianças entre militares e polícias afegãos, no âmbito de uma prática conhecida no Afeganistão por bacha bazi” (algo como “rapaz brinquedo”).

Alguns comandantes afegãos mantinham (e provavelmente, ainda mantêm) rapazes menores como escravos sexuais. E o SIGAR conclui que estas situações eram amplamente conhecidas entre os militares norte-americanos colocados no Afeganistão, nomeadamente entre as altas patentes, sem que nada fosse feito.

Superiores encorajavam militares a “ignorar” abusos

O The New York Times avança que os militares que denunciavam os abusos acabavam por ter as suas “carreiras destruídas pelos seus superiores” que os encorajavam a “ignorar a prática”.

O jornal conta o caso de um antigo oficial das Forças Especiais, o Capitão Dan Quinn, que diz que agrediu um comandante afegão por manter um rapaz acorrentado à sua cama, como escravo sexual. Acabou por ser demitido do comando na sequência do episódio.

“Estávamos a pôr pessoas no poder que faziam coisas que eram muito piores do que o que os Talibãs faziam”, refere Quinn, que entretanto deixou as Forças Armadas norte-americanas.

Outro caso apontado pelo The New York Times é o do Sargento de Primeira Classe Charles Martland, “um Boina Verde altamente condecorado”, que terá sido forçado a deixar o Exército depois de ter espancado um oficial da polícia afegã que raptou e violou um rapaz.

A juntar a estes casos há ainda a morte suspeita do marine Gregory Buckley que foi assassinado num posto de segurança, onde estava colocado a par de um comandante que era conhecido por manter “um séquito de rapazes bacha bazi“. Foi morto por “um dos rapazes do comandante” depois de ter apresentado queixa deste, conta o The New York Times.

Cláusula permitiu fazer vista grossa à Lei

O relatório do SIGAR constata que entre 2010 e 2016, houve 5.753 denúncias de “abusos flagrantes dos Direitos Humanos” no Afeganistão, muitas das quais referindo-se ao abuso de menores.

Perante estes casos, o Pentágono teria que cortar os fundos destinados às unidades militares implicadas, mas tal nunca sucedeu, sublinha a ABC News.

O grupo de fiscalização analisa a forma como foi aplicada a chamada Lei Leahy que retém fundos destinados ao Afeganistão, no caso de evidências comprovadas de violação dos Direitos Humanos. Apesar do conhecimento dos abusos sexuais, o Secretário de Estado da Defesa recorreu a uma cláusula que permitiu fazer vista grossa à referida Lei e manter o apoio financeiro às forças de segurança afegãs.

O SIGAR entrevistou 37 pessoas e organizações ao longo da investigação, notando que 24 disseram ter conhecimento do abuso sexual de crianças.

O relatório foi solicitado durante a presidência de Barack Obama e inclui apenas dados até 2016, antes de Donald Trump ter tomado posse como presidente, apesar de ter sido terminado em Junho de 2017.

SV, ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. A humanidade não tem limites e a porcaria do mal sobrepõe-se ao bem! O mais grave nisto tudo é, de que as pessoas sabendo desta crueldade e monstruosidade, ficaram em silêncio e compactuaram com estes actos! Não entendo o que é que os estados unidos foram lá fazer? Foram combater a merda que lá existe e no entanto, outra merda para lá foi! Porque os americanos não pegam nesta corja humana e os fuzilam?! Isso não são pessoas, são lixo humano..Comandantes de policia e oficiais afegãos??!? E ainda castigam os soldados que os denunciam?! É nojento demais..nem sei o que escrever, sinceramente!

    • Se os EUA se metem nos assuntos dos outros é porque se metem, se não se metem, é porque não se metem. Preso por ter cão e por não ter. A verdade é que isto é um assunto para ser resolvido pelas autoridades locais, não por uma força estrangeira. Os EUA foram para lá para resolver o problema Al Qaeda e encontrar o Bin Laden, não para resolver os problemas que o país já tinha. Por muito atroz que isso seja.

Responder a Pedro Cancelar resposta

Alverca 2-0 Sporting | Leões desinspirados afastados da Taça pelo Alverca

O Alverca surpreendeu hoje o Sporting com uma vitória por 2-0, na terceira eliminatória da Taça de Portugal, tornando-se no primeiro grande «tomba-gigantes» da competição ao afastar o atual detentor do troféu. Alex Apolinário, aos 10 …

A Barbie também arrenda casa no Airbnb

A boneca mais famosa do mundo celebra 60 anos. Agora, a empresa que produz a Barbie, a Matel, tornou a boneca uma anfitriã no Airbnb e vai arrendar uma mansão à beira-mar em Malibu, na …

Os primeiros bebés podem nascer no Espaço daqui a 12 anos

A empresa SpaceBorn United pretende realizar missões espaciais entre 24 e 36 horas para que algumas mulheres dêem à luz em órbita dentro de 12 anos. A notícia é avançada pelo fundador e CEO da empresa, …

Japão importou cinco vírus mortais, incluindo Ebola, por causa de Tóquio 2020

Com os Jogos Olímpicos à porta, um laboratório japonês decidiu importar cinco vírus mortais, nomeadamente Ebola, para fazer frente a um eventual surto durante a competição que vai levar ao país mais de 600 mil …

Empresa anónima quer os direitos do seu rosto para construir robôs (e paga 115 mil euros)

Uma empresa privada anónima está a oferecer 115 mil euros pelos direitos de usar o seu rosto numa nova linha de robôs humanóides. A empresa quer usar a imagem para dar uma cara a um robô …

Empresa está a vender vinho (com flocos de ouro) para celebrar o Brexit

Quando o Reino Unido abandonar a União Europeia, uma saída programada para 31 de outubro, é provável que as pessoas celebrem com um vinho especial com flocos de ouro. Para aqueles que querem celebrar a saída …

Neandertais ocuparam ilhas do Mediterrâneo dezenas de milhares de anos antes do que se pensava

Cientistas descobriram provas de que a ilha de Naxos, na Grécia, já era habitada por neandertais há 200.000 anos, dezenas de milhares de anos antes do que se pensava até agora. Um estudo publicado esta quinta-feira …

Testes "bárbaros" em macacos levam ativistas a pedir encerramento de laboratório alemão

Durante meses, um ativista pelos direitos dos animais trabalhou no Laboratório de Farmacologia e Toxicologia (LPT, na sigla inglesa), em Hamburgo, na Alemanha, onde testemunhou situações de violência contra os animais utilizados em testes e …

Próxima cimeira do G7 vai ser num resort de Donald Trump

A próxima cimeira do G7 será realizada num dos clubes de golfe do Presidente norte-americano, Donald Trump, na Florida, e o clima não constará da agenda de trabalhos, disse esta quinta-feira o chefe de gabinete …

Russos e ucranianos estão em guerra por causa de sopa

A sopa de beterraba é russa ou ucraniana? Um tweet do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Federação Russa veio falar em prato nacional e a reação na Ucrânia não tardou a chegar. O tweet é de …