EUA deram carta branca a abusos sexuais de crianças no Afeganistão

As forças militares norte-americanas colocadas no Afeganistão fecharam os olhos a casos de abusos sexuais de crianças recorrentes entre elementos das unidades de segurança afegãs. Esta é a conclusão de uma investigação feita por um grupo de fiscalização governamental.

O Inspector Geral Especial para a Reconstrução do Afeganistão (The Special Inspector General for Afghanistan Reconstruction ou SIGAR no original em Inglês) divulgou esta semana, um relatório considerado “tão explosivo” que esteve assinalado como “Secreto”, com a recomendação de que não deveria ser divulgado antes de 9 de Junho de 2042, conforme relata a ABC News.

Este documento analisou a forma como o Departamento de Defesa (DoD na sigla original em Inglês) e o Departamento de Estado dos EUA lidaram com as denúncias de abusos sexuais de menores cometidos por membros das forças militares afegãs.

A investigação foi solicitada em 2015, por elementos do Congresso norte-americano depois de uma notícia do The New York Times sobre o crescente número de casos de abuso sexual de crianças entre militares e polícias afegãos, no âmbito de uma prática conhecida no Afeganistão por bacha bazi” (algo como “rapaz brinquedo”).

Alguns comandantes afegãos mantinham (e provavelmente, ainda mantêm) rapazes menores como escravos sexuais. E o SIGAR conclui que estas situações eram amplamente conhecidas entre os militares norte-americanos colocados no Afeganistão, nomeadamente entre as altas patentes, sem que nada fosse feito.

Superiores encorajavam militares a “ignorar” abusos

O The New York Times avança que os militares que denunciavam os abusos acabavam por ter as suas “carreiras destruídas pelos seus superiores” que os encorajavam a “ignorar a prática”.

O jornal conta o caso de um antigo oficial das Forças Especiais, o Capitão Dan Quinn, que diz que agrediu um comandante afegão por manter um rapaz acorrentado à sua cama, como escravo sexual. Acabou por ser demitido do comando na sequência do episódio.

“Estávamos a pôr pessoas no poder que faziam coisas que eram muito piores do que o que os Talibãs faziam”, refere Quinn, que entretanto deixou as Forças Armadas norte-americanas.

Outro caso apontado pelo The New York Times é o do Sargento de Primeira Classe Charles Martland, “um Boina Verde altamente condecorado”, que terá sido forçado a deixar o Exército depois de ter espancado um oficial da polícia afegã que raptou e violou um rapaz.

A juntar a estes casos há ainda a morte suspeita do marine Gregory Buckley que foi assassinado num posto de segurança, onde estava colocado a par de um comandante que era conhecido por manter “um séquito de rapazes bacha bazi“. Foi morto por “um dos rapazes do comandante” depois de ter apresentado queixa deste, conta o The New York Times.

Cláusula permitiu fazer vista grossa à Lei

O relatório do SIGAR constata que entre 2010 e 2016, houve 5.753 denúncias de “abusos flagrantes dos Direitos Humanos” no Afeganistão, muitas das quais referindo-se ao abuso de menores.

Perante estes casos, o Pentágono teria que cortar os fundos destinados às unidades militares implicadas, mas tal nunca sucedeu, sublinha a ABC News.

O grupo de fiscalização analisa a forma como foi aplicada a chamada Lei Leahy que retém fundos destinados ao Afeganistão, no caso de evidências comprovadas de violação dos Direitos Humanos. Apesar do conhecimento dos abusos sexuais, o Secretário de Estado da Defesa recorreu a uma cláusula que permitiu fazer vista grossa à referida Lei e manter o apoio financeiro às forças de segurança afegãs.

O SIGAR entrevistou 37 pessoas e organizações ao longo da investigação, notando que 24 disseram ter conhecimento do abuso sexual de crianças.

O relatório foi solicitado durante a presidência de Barack Obama e inclui apenas dados até 2016, antes de Donald Trump ter tomado posse como presidente, apesar de ter sido terminado em Junho de 2017.

SV, ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. A humanidade não tem limites e a porcaria do mal sobrepõe-se ao bem! O mais grave nisto tudo é, de que as pessoas sabendo desta crueldade e monstruosidade, ficaram em silêncio e compactuaram com estes actos! Não entendo o que é que os estados unidos foram lá fazer? Foram combater a merda que lá existe e no entanto, outra merda para lá foi! Porque os americanos não pegam nesta corja humana e os fuzilam?! Isso não são pessoas, são lixo humano..Comandantes de policia e oficiais afegãos??!? E ainda castigam os soldados que os denunciam?! É nojento demais..nem sei o que escrever, sinceramente!

    • Se os EUA se metem nos assuntos dos outros é porque se metem, se não se metem, é porque não se metem. Preso por ter cão e por não ter. A verdade é que isto é um assunto para ser resolvido pelas autoridades locais, não por uma força estrangeira. Os EUA foram para lá para resolver o problema Al Qaeda e encontrar o Bin Laden, não para resolver os problemas que o país já tinha. Por muito atroz que isso seja.

RESPONDER

Funcionários públicos passam a receber hoje 75% do valor das progressões

Os funcionários públicos que reuniram dez pontos na avaliação de desempenho nos últimos anos começam hoje a receber com o salário 75% da progressão que esteve congelada, que passará a ser paga na totalidade em …

Pasta de dentes de carvão não branqueia os dentes (e faz muito mal)

O carvão ativado, como uma moda de saúde, começou a ficar popular em 2016. Hoje, podemos encontrá-lo em bebidas, gelados e pizza, por exemplo. Não há dúvida de que parte da atração está na estética das …

O exoplaneta mais tórrido já descoberto tem valiosas terras raras

A 650 anos-luz da Terra, o KELT-9 b, o exoplaneta mais quente até agora descoberto, tem assinaturas de alguns dos cobiçados minerais de terras-raras.  Além das assinaturas de ferro gasoso e titânio encontradas na sua atmosfera, …

Conseguirá a Terra sair ilesa se o Sol ficar sem combustível?

Planetas rochosos formados por elementos densos serão, muito provavelmente, os únicos sobreviventes da morte explosiva de uma estrela. Esta descoberta dá-nos pistas preciosas sobre o futuro da Terra. Quando uma estrela morre destrói tudo o que …

As colónias espaciais de Bezos flutuam, são auto-sustentáveis e até se podem parecer com Florença

O CEO da Amazon e fundador da empresa de transporte aeroespacial Blue Origin levantou o véu sobre os seus planos futuros, detalhando as suas ideias para a colonização do Espaço. Jeff Bezos sonha com "cápsulas" …

Descoberta nova espécie de rã de cristal na Colômbia

Uma rã de cristal com um coaxar peculiar foi descoberta na Sierra Nevada de Santa Marta, uma cordilheira localizada na Colômbia. "Foi um golpe de sorte", revelou o cientista que encontrou o novo espécime. Segundo …

O café mais caro do mundo vende-se na California. Custa 66 euros

Um café na California, nos EUA, prepara o que apresenta como o café mais caro do mundo. Chama-se Elida Natural Geisha 803 e custa 75 dólares (66 euros) por chávena. A rede Klatch Coffee Roasters, que …

Inglês pagou 265 euros por um Picasso falso. Afinal, era verdadeiro

Um residente da cidade de Crawley, na Inglaterra, comprou por 292 dólares (cerca de 261 euros) uma pintura que achava ser uma boa farsa de um conhecido trabalho de Pablo Picasso. Porém, seis meses depois, soube …

China cria aplicação de reconhecimento facial para distinguir pandas

Investigadores do Centro de Pesquisa e Conservação da China para Pandas Gigantes, juntamente com a Universidade de Tecnologia de Nanyang, em Singapura, e a Universidade Normal de Sichuan desenvolveram uma aplicação com um software de …

Corvos da Torre de Londres "salvaram" o país. Tiveram crias pela primeira vez em 30 anos

Os icónicos corvos negros da Torre de Londres "salvaram" o Reino Unido das consequências fatídicas de uma antiga profecia ao ter descendentes pela primeira vez desde 1989. O casal formado por Huginn (o pai) e Muninn …