EUA deram carta branca a abusos sexuais de crianças no Afeganistão

As forças militares norte-americanas colocadas no Afeganistão fecharam os olhos a casos de abusos sexuais de crianças recorrentes entre elementos das unidades de segurança afegãs. Esta é a conclusão de uma investigação feita por um grupo de fiscalização governamental.

O Inspector Geral Especial para a Reconstrução do Afeganistão (The Special Inspector General for Afghanistan Reconstruction ou SIGAR no original em Inglês) divulgou esta semana, um relatório considerado “tão explosivo” que esteve assinalado como “Secreto”, com a recomendação de que não deveria ser divulgado antes de 9 de Junho de 2042, conforme relata a ABC News.

Este documento analisou a forma como o Departamento de Defesa (DoD na sigla original em Inglês) e o Departamento de Estado dos EUA lidaram com as denúncias de abusos sexuais de menores cometidos por membros das forças militares afegãs.

A investigação foi solicitada em 2015, por elementos do Congresso norte-americano depois de uma notícia do The New York Times sobre o crescente número de casos de abuso sexual de crianças entre militares e polícias afegãos, no âmbito de uma prática conhecida no Afeganistão por bacha bazi” (algo como “rapaz brinquedo”).

Alguns comandantes afegãos mantinham (e provavelmente, ainda mantêm) rapazes menores como escravos sexuais. E o SIGAR conclui que estas situações eram amplamente conhecidas entre os militares norte-americanos colocados no Afeganistão, nomeadamente entre as altas patentes, sem que nada fosse feito.

Superiores encorajavam militares a “ignorar” abusos

O The New York Times avança que os militares que denunciavam os abusos acabavam por ter as suas “carreiras destruídas pelos seus superiores” que os encorajavam a “ignorar a prática”.

O jornal conta o caso de um antigo oficial das Forças Especiais, o Capitão Dan Quinn, que diz que agrediu um comandante afegão por manter um rapaz acorrentado à sua cama, como escravo sexual. Acabou por ser demitido do comando na sequência do episódio.

“Estávamos a pôr pessoas no poder que faziam coisas que eram muito piores do que o que os Talibãs faziam”, refere Quinn, que entretanto deixou as Forças Armadas norte-americanas.

Outro caso apontado pelo The New York Times é o do Sargento de Primeira Classe Charles Martland, “um Boina Verde altamente condecorado”, que terá sido forçado a deixar o Exército depois de ter espancado um oficial da polícia afegã que raptou e violou um rapaz.

A juntar a estes casos há ainda a morte suspeita do marine Gregory Buckley que foi assassinado num posto de segurança, onde estava colocado a par de um comandante que era conhecido por manter “um séquito de rapazes bacha bazi“. Foi morto por “um dos rapazes do comandante” depois de ter apresentado queixa deste, conta o The New York Times.

Cláusula permitiu fazer vista grossa à Lei

O relatório do SIGAR constata que entre 2010 e 2016, houve 5.753 denúncias de “abusos flagrantes dos Direitos Humanos” no Afeganistão, muitas das quais referindo-se ao abuso de menores.

Perante estes casos, o Pentágono teria que cortar os fundos destinados às unidades militares implicadas, mas tal nunca sucedeu, sublinha a ABC News.

O grupo de fiscalização analisa a forma como foi aplicada a chamada Lei Leahy que retém fundos destinados ao Afeganistão, no caso de evidências comprovadas de violação dos Direitos Humanos. Apesar do conhecimento dos abusos sexuais, o Secretário de Estado da Defesa recorreu a uma cláusula que permitiu fazer vista grossa à referida Lei e manter o apoio financeiro às forças de segurança afegãs.

O SIGAR entrevistou 37 pessoas e organizações ao longo da investigação, notando que 24 disseram ter conhecimento do abuso sexual de crianças.

O relatório foi solicitado durante a presidência de Barack Obama e inclui apenas dados até 2016, antes de Donald Trump ter tomado posse como presidente, apesar de ter sido terminado em Junho de 2017.

SV, ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. A humanidade não tem limites e a porcaria do mal sobrepõe-se ao bem! O mais grave nisto tudo é, de que as pessoas sabendo desta crueldade e monstruosidade, ficaram em silêncio e compactuaram com estes actos! Não entendo o que é que os estados unidos foram lá fazer? Foram combater a merda que lá existe e no entanto, outra merda para lá foi! Porque os americanos não pegam nesta corja humana e os fuzilam?! Isso não são pessoas, são lixo humano..Comandantes de policia e oficiais afegãos??!? E ainda castigam os soldados que os denunciam?! É nojento demais..nem sei o que escrever, sinceramente!

    • Se os EUA se metem nos assuntos dos outros é porque se metem, se não se metem, é porque não se metem. Preso por ter cão e por não ter. A verdade é que isto é um assunto para ser resolvido pelas autoridades locais, não por uma força estrangeira. Os EUA foram para lá para resolver o problema Al Qaeda e encontrar o Bin Laden, não para resolver os problemas que o país já tinha. Por muito atroz que isso seja.

Panama Papers. Mossack Fonseca não gostou do filme e processou Netflix por difamação

A dupla de sócios do escritório de advogados Mossack Fonseca, envolvido no caso “Panama Papers”, moveu um processo em tribunal por difamação contra a Netflix. A plataforma anuncia a estreia, para esta sexta-feira, do filme “Laundromat: …

Porsche e Boeing unem-se em projeto de táxi aéreo premium

A Porsche e a Boeing estão a unir esforços para explorar o mercado de mobilidade área urbana. Aproveitando os seus pontos fortes, as duas empresas prometem desenvolver um táxi aéreo para o futuro. Numa verdadeira fusão …

Fotografia com pombos? Na Tailândia, há "profissionais" contratados para assustá-los

A área de uma das portas da cidade, Tha Pae, parte do que resta da muralha vermelha que protegia a cidade antiga em Chiang Mai, na Tailândia, é uma das maiores atrações turísticas locais. Os turistas …

Sky News lança canal sem qualquer notícia sobre o Brexit

O canal Sky News Brexit-Free foi esta quarta-feira para o ar às 17h horas, sendo que os seus programas serão transmitidos até às 22h, de segunda a sexta-feira. O grupo de televisão britânico Sky vai lançou …

Vacina contra o cancro da mama pode estar disponível dentro de 8 anos

Investigadores da Clínica Mayo desenvolveram uma vacina contra o cancro ovário e da mama que poderá estar disponível comercialmente dentro de apenas oito anos. A ideia da vacina é estimular o próprio sistema imunológico dos pacientes …

Busca pelo avião de Amelia Earhart só encontrou chapéus, detritos de um naufrágio e uma lata de refrigerante

A mais recente busca pelos restos do avião de Amelia Earhart, a famosa aviadora americana que desapareceu sobre o Pacífico em 1937, terminou sem resultados. De acordo com o jornal norte-americano The New York Times, a investigação …

Protestos em Hong Kong. LeBron acusado de apoiar regime chinês

A super estrela do basquetebol LeBron James juntou-se à polémica entre a NBA e a China, após apelidar de “mal-informado” o treinador dos Houston Rockets, Daryl Morey, que expressou apoio aos manifestantes em Hong Kong …

Acordo para o Brexit está "prestes a ficar fechado"

A chanceler alemã, Angela Merkel, e o Presidente francês, Emmanuel Macron, disseram esta quarta-feira que um acordo para o Brexit está em finalização e poderá ser apresentado quinta-feira para aprovação no Conselho Europeu. "Quero acreditar que …

Em Chernobyl, estão a desaparecer "as memórias que as pessoas deixaram para trás"

Chernobyl é, atualmente, a maior atração internacional da Ucrânia e o novo presidente, Volodymyr Zelenski, já apresentou um projeto para trazer ainda mais turistas. No entanto, estão a desaparecer "as memórias que as pessoas deixaram …

Huawei afirma que a tecnologia 6G vai estar disponível daqui a 10 anos

O CEO da Huawei, Ren Zhengfei, assinalou, durante uma entrevista à CNBC, que a sua empresa está a trabalhar em redes móveis 6G, que estarão completamente desenvolvidas daqui a 10 anos.   "Trabalhámos em 5G e 6G …