EUA e China ganham 90 dias para evitar guerra comercial

Thomas Peter / EPA

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, com o presidente da China, Xi Jinping

Donald Trump e Xi Jinping conseguiram, no sábado à noite em Buenos Aires, sair do encontro com o melhor resultado possível na presente conjuntura: uma trégua que dá tempo às duas partes para negociar um acordo comercial.

O jantar entre os dois presidentes, apesar de não fazer parte do programa oficial do G20, era um dos momentos mais esperados do encontro de líderes mundiais que decorreu este fim-de-semana em Buenos Aires.

Os EUA e a China, os dois países com as maiores economias do planeta, têm estado envolvidos numa guerra comercial que tem assustado os mercados e que, a agravar-se, poderia ter consequências para todo o mundo, recorda o Público.

Os EUA aumentaram as taxas alfandegárias de importações provenientes da China no valor de 250 mil milhões de dólares. Primeiro, aplicaram uma taxa de 25% em 50 mil milhões de dólares de produtos e, depois, uma taxa de 10% em 200 mil milhões de dólares, agendando uma subida para 25% nestes produtos no início do próximo ano.

A China retaliou com subidas de taxas nos produtos norte-americanos, o que levou a que Donald Trump ameaçasse com a possibilidade de alargar as suas medidas a todos os produtos importados da China.

Este sábado, depois de horas intensas de negociações entre os dois países, o jantar acabou por resultar numa pausa no cenário de ataque e contra-ataque ao nível das taxas alfandegárias. Os EUA já não vão subir de 10% para 25% as taxas aplicadas a 200 mil milhões de dólares dos produtos chineses.

Em contrapartida, a China comprometeu-se a aumentar o volume de compras de produtos agrícolas, industriais e energéticos norte-americanos, embora não tenham sido tornados públicos os montantes em causa nem o prazo em que tal deverá acontecer.

Os EUA e a China irão, nos próximos 90 dias, reunir as suas equipas com o objetivo de definir taxas alfandegárias estáveis e de aplicação de regras menos apertadas para os fluxos de investimento entre os dois países.

Contudo, não há sinais neste momento de avanços significativos entre os dois países em direção a um entendimento final. A Casa Branca deixou claro que, não havendo um acordo ao fim destes 90 dias de negociação, o agravamento das taxas alfandegárias para 25% irá mesmo concretizar-se.

Como é normal nestes casos, a forma como os dois lados descreveram o acordo foi bastante diferente. Os responsáveis norte-americanos destacaram sobretudo o compromisso chinês de realizar mais compras de produtos norte-americanos e assim reduzir o seu excedente comercial com os EUA.

Pequim preferiu salientar o facto de Washington ter aceite não subir mais a taxas, com o ministro dos Negócios Estrangeiros a descrever a promessa de mais compras por parte da China apenas como “uma expansão das importações de acordo com as necessidades do mercado doméstico e da população”, que irá “gradualmente aliviar o problema do desequilíbrio comercial”.

Donald Trump centro o seu discurso na sua relação com o presidente chinês. “A relação é muito especial. Penso que esta vai ser a razão principal para que nós, provavelmente, consigamos alguma coisa boa para a China e para os EUA”, afirmou. Já Xi Jinping afirmou que “apenas a cooperação pode servir os objetivos da paz mundial e da prosperidade”.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Profissionais do SNS já trabalharam oito milhões de horas extra no primeiro semestre

No primeiro semestre de 2020, contam-se mais 1,2 milhões de horas suplementares trabalhadas, sendo que só em maio a subida foi superior a 471 mil. Segundo o Jornal de Notícias, nos primeiros seis meses deste ano, …

Rui Moreira diz que não é possível prevenir festejos de adeptos do FC Porto

O presidente da Câmara Municipal do Porto disse, esta terça-feira, não ser possível tomar medidas de prevenção em relação a possíveis festejos de adeptos do FC Porto pela conquista do título, pedindo apenas que se …

Mulher assintomática provoca surto de 71 infetados na China. Bastou entrar sozinha num elevador

A passagem de uma mulher infetada com covid-19, mas assintomática, por um elevador de um edifício habitacional na China deu origem a um surto de 71 contagiados. De acordo com o estudo publicado pelo Centro de …

Detido em França um dos pedófilos da "darknet" mais procurados do mundo

A polícia francesa prendeu um suspeito de gerir portais na "darknet" que permitiram a "milhares de internautas de todo o mundo ter acesso a fotografias ou vídeos de caráter pedopornográfico", anunciou, esta segunda-feira, o Ministério …

Mais seis mortes e 233 novos casos de covid-19 em Portugal

Portugal regista, esta terça-feira, mais seis mortes e 233 novos casos de infeção por covid-19 em relação a segunda-feira. Segundo o boletim diário da Direção-Geral de Saúde (DGS), dos 233 novos casos, 143 são na região …

Itália restitui a França obra de Banksy roubada do Bataclan

Itália anunciou, esta terça-feira, que vai devolver a França uma obra atribuída a Banksy, uma homenagem às vítimas dos ataques terroristas em Paris, em 2015, roubada em 2019 e encontrada numa quinta perto de Roma. Antes, …

Há corais vermelhos na costa algarvia (e vai haver multas para quem os apanhar)

Os corais vermelhos da costa portuguesa vão passar a estar protegidos por legislação pesqueira e ambiental que está a ser preparada pelo governo e coimas elevadas, anunciou o ministro do Mar. O ministro do Mar, Ricardo …

Vieira e SAD arguidos. CMVM suspende ações do Benfica

A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) suspendeu, esta terça-feira, as negociações de ações da Benfica SAD, pouco tempo depois de ter sido confirmada a existência de três arguidos por fraude fiscal, na sequência …

Comissão Europeia planeia reduzir capacidade das multinacionais em explorar sistemas fiscais

A Comissão Europeia está a estudar formas de acionar partes de tratados europeus para reduzir a capacidade das multinacionais em explorar os sistemas fiscais de alguns países da União Europeia (UE), identificando-os como distorções do …

Governo britânico decide banir Huawei da rede de telemóvel 5G

As operadoras de telemóvel britânicas vão ter de remover todo o equipamento da empresa chinesa Huawei usado na infraestrutura de telecomunicações 5G até ao final de 2027. A decisão foi tomada, esta terça-feira, numa reunião do …