Estados “mal administrados” não vão ter direito a ajuda federal

World Economic Forum / Flickr

O secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Steven Mnuchin

O secretário do Tesouro norte-americano, Steven Mnuchin, disse hoje que os estados que foram “mal administrados” financeiramente no passado não terão direito a ajuda federal para responder à crise económica causada pela pandemia de covid-19.

“Os estados que foram mal administrados no passado não terão direito a resgate federal”, disse Mnuchin, quando interrogado sobre a possibilidade de o Governo federal vir a ajudar o estado de Illinois, no norte do país.

O governo estadual de Illinois pediu cerca de 40 mil milhões de euros de ajuda, incluindo cerca de 10 mil milhões de euros para resolver dívidas que já existiam antes da crise económica provocada pela pandemia de covid-19.

Steven Mnuchin não descartou, pelo contrário, ajudas substanciais aos estados de Nova Iorque e de New Jersey, duas das áreas mais afetadas pela propagação do novo coronavírus.

“Já lhes enviámos dinheiro, o que lhes permitirá financiar especificamente as despesas relacionadas com o combate à pandemia”, explicou o secretário de Tesouro norte-americano.

Mnuchin disse ainda que, em todos os casos de pedidos de ajuda, será necessário um amplo consenso entre republicanos e democratas, no congresso, para conceder fundos federais.

“Os dois recentes projetos de lei (referentes aos pacotes de ajuda financeira no combate à pandemia) foram adotados com consentimento unânime”, concluiu Mnuchin, referindo ainda ser essencial um debate “saudável” sobre as futuras formas de ajuda federal à crise económica que se desenha.

O congresso dos EUA aprovou, nas últimas semanas, dois projetos de lei para concessão de um pacote financeiro de mais de 1,5 biliões de euros em ajuda ao impacto económico da crise sanitária de covid-19 e para ajuda à recuperação dos mercados.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 211 mil mortos e infetou mais de três milhões de pessoas em 193 países e territórios. Mais de 832 mil doentes foram considerados curados.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Para combater a pandemia, os governos mandaram para casa 4,5 mil milhões de pessoas (mais de metade da população do planeta), encerraram o comércio não essencial e reduziram drasticamente o tráfego aéreo, paralisando setores inteiros da economia mundial.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

"Nenhuma era apenas um número". NYT dedica toda a primeira página a mil vítimas da pandemia

Mil nomes de pessoas numa primeira página. O jornal norte-americano The New York Times dedicou a primeira página da edição deste domingo a mil vítimas mortais da pandemia de covid-19, para assinalar a iminente passagem …

A economia é a vítima colateral da estratégia singular da Suécia

A Suécia deixou nas mãos dos cidadãos a responsabilidade pela sua saúde e a abordagem relaxada do país em relação à pandemia de covid-19 trouxe resultados negativos. O Governo sueco não impôs um confinamento à população …

Polícia de Hong Kong detém 180 manifestantes. E elogia lei da segurança nacional

A polícia de Hong Kong elogiou a lei da segurança nacional chinesa, horas depois de ter detido pelo menos 180 manifestantes que protestaram, este domingo, contra a legislação anunciada por Pequim. O comissário da polícia, Tang Ping-keung, …

Pinto da Costa recandidata-se a "pensar nas dificuldades do presente"

Pinto da Costa admitiu, este domingo, no lançamento do site oficial da recandidatura à presidência do FC Porto, que vai a eleições "a pensar nas dificuldades tremendas do presente". No site oficial da sua candidatura, Pinto …

Abraços e apertos de mão. Bolsonaro junta-se a manifestação sem distanciamento social

O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, participou, este domingo, em mais uma manifestação sem respeitar as regras de distanciamento social. A manifestação decorrer na Praça dos Três Poderes, em Brasília. De acordo com o jornal Público, …

"Relativamente rápido". Centeno acredita que países europeus vão recuperar da crise até ao fim de 2022

O ministro das Finanças português e presidente do Eurogrupo, Mário Centeno, acredita que a União Europeia vai conseguir ultrapassar a crise económica provocada pela pandemia de covid-19 de forma "relativamente rápida". Em entrevista ao jornal alemão …

Florentino congelado, Jota (e mais dois) na porta de saída. Mercado já mexe na Luz

Apesar da pandemia, que paralisou quase todas as competições europeias e que deverá atrasar a janela de transferência no futebol, o mercado já mexe na Luz. A imprensa desportiva dá conta nesta segunda-feira que Florentino …

Cova da Piedade abandona direção da Liga e convida Proença a demitir-se

O Cova da Piedade juntou-se ao Benfica na decisão de abandonar a direção da Liga de clubes e convidou Pedro Proença a demitir-se da presidência do organismo. Em comunicado, o Cova da Piedade justifica a decisão …

Milhares foram a banhos este domingo. Só nas praias da Caparica estiveram mais de 180 mil pessoas

As elevadas temperaturas que se fizeram sentir neste domingo levaram milhares de portugueses à praias. Só na Costa da Caparica, no concelho de Almada, mais de 180 mil pessoas foram a banhos. Entre as 9 e …

"Há outras prioridades". Ana Gomes está a refletir sem "pressa" sobre eventual candidatura a Belém

No espaço de comentário da SIC Notícias, a ex-eurodeputada Ana Gomes disse que ainda está a "refletir" sobre uma eventual candidatura à Presidência da República. Ana Gomes ainda não tomou uma decisão sobre uma possível candidatura …