Está a nascer o primeiro comboio português a hidrogénio (e vai substituir o Vouguinha)

Já arrancou o projecto para o desenvolvimento do primeiro comboio português a hidrogénio. A iniciativa visa transformar as automotoras a gasóleo que circulam na Linha do Vouga – o comboio chamado Vouguinha – por células de combustível a hidrogénio que produzem electricidade.

O projeto H2Rail é liderado pela Comboios de Portugal (CP), mas junta também a Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP), a Associação Portuguesa para a Promoção do Hidrogénio e as empresas CaetanoBus e NomadTech.

Com um investimento inicial de 34,6 milhões de euros, implementar as seis etapas do projecto pode custar, no total, algo como 275,2 milhões de euros. Portanto, a iniciativa só será possível se conseguir financiamento de fundos comunitários.

A candidatura a financiamento europeu já foi apresentada e foi também registada uma proposta no IPCEI – Forum on Important Projects of Common European Interest (Fórum de Projectos Importantes para o Interesse Comum Europeu), para a obtenção do estatuto de projecto de relevância na área do hidrogénio.

Este primeiro comboio português a hidrogénio enquadra-se na estratégia do Governo para a descarbonização dos transportes e pretende transformar o Vouguinha, que circula na Linha ferroviária do Vouga, num veículo a hidrogénio.

“Há uma série de linhas que não estão electrificadas onde existem comboios a diesel, compostos por um motor a diesel que serve para alimentar um gerador eléctrico”, nota o professor Adriano Carvalho, director do Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores da FEUP e responsável pela equipa que lidera o projecto na Faculdade.

Em declarações ao site da Universidade, Adriano Carvalho salienta que “o objectivo é substituir este conjunto por uma célula de combustível a hidrogénio, que produz energia eléctrica”.

“Esta transformação reduzirá custos, uma vez que a electrificação das linhas é algo mais dispendioso”, constata ainda o professor.

O projecto H2Rail implica seis etapas, incluindo estudos de viabilidade técnica e financeira, bem como a criação de pontos de abastecimento e a construção do protótipo.

As estimativas iniciais apontam para que a fase de testes possa arrancar em 2023.

Se tudo correr como esperado e a transformação do Vouguinha em comboio a hidrogénio chegar a bom porto, o próximo passo será “expandir as composições de hidrogénio para as restantes linhas ferroviárias”, como explica Adriano Carvalho.

Hidrogénio ainda é uma alternativa cara

Num artigo intitulado “2035 o fim dos comboios a diesel?”, publicado na newsletter de Junho de 2019 da Associação Portuguesa para a Promoção do Hidrogénio, salienta-se que o comboio eléctrico com célula de combustível a hidrogénio “tem um desempenho semelhante ao do diesel, garantindo uma autonomia de 1000 km e uma velocidade de 140 km/h”, além de ser uma opção “amiga do ambiente, libertando apenas vapor de água”.

“A única desvantagem é ser ainda um pouco mais cara”, nota-se no artigo, sublinhando-se que o “investimento é cerca de 20% mais elevado, enquanto os custos operacionais por passageiro são já equivalentes”.

Prevê-se ainda que, “nos próximos 5 anos, os custos de investimento também possam ser equivalentes”.

Infraestruturas de Portugal colabora noutro comboio a hidrogénio europeu

Além deste projecto liderado pela CP, a Infraestruturas de Portugal (IP), que gere a rede ferroviária nacional, está também envolvida num consórcio europeu para o desenvolvimento de um comboio a hidrogénio.

Baptizado projeto FCH2Rail, o consórcio integrado pela IP “permitirá o desenvolvimento de um veículo protótipo ferroviário movido a hidrogénio, com financiamento significativo de fundos europeus através do programa H2020”, como explica a empresa portuguesa.

A IP vai participar, sobretudo, na fase de testes que deverão ocorrer em 2023 ou em 2024, em linhas ferroviárias transfronteiriças como a do Minho ou no futuro troço Évora-Caia.

O “objectivo é alcançar um veículo com zero emissões e desempenho operacional competitivo com os actuais comboios movidos a diesel, tanto em veículos novos como em reabilitados”, refere a IP em comunicado.

Este projecto prevê um investimento de 14 milhões de euros e também inclui a RENFE, a operadora ferroviária pública espanhola, além de parceiros da Bélgica e da Alemanha.

Susana Valente Susana Valente, ZAP //

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. …adoro ver o Vouguinha quase diáriamente, ainda me recordo da versão a vapor, mas a verdade é que hoje em dia raramente circula com meia dúzia de pessoas, na maioria das vezes passa por mim com apenas um ou dois passageiros. Mesmo considerando a hipótese que tenha mais alguma afluência fora da área que vulgarmente o vejo dificilmente pagará o combustível, a manutenção e o pessoal necessário.
    Mesmo que pessoalmente eu nutra uma grande estima pela tecnologia do hidrogénio e pelo Vouguinha, tenho de questionar qual é a lógica de investir tantos milhões num meio de transporte que tão pouca gente usa? Tachos? Nesta altura? Poramordedeus…

  2. O problema do hidrogénio é que devolve à volta de 70% da energia gasta pra o produzir, seja fóssil ou renovável. É uma espécie de negócio em que, por cada 100 euros que metes, só tiras 70. Fora o custo do motor de fuel cell. Melhor fora que electrificassem a linha e a abastecessem com renováveis.

  3. é so negocios para os amigos
    pelo que dizem fica mais caro produzir hidrogenio do que andar com os combustiveis fosseis (gasolina e gasoleo)
    porque é que nao a transformam em electrica? fica mais barata do que o hidrogenio
    ha muitos interesses por tras da produçao do hidrogenio e o povo é que vai pagar esses custos

  4. O projeto europeu custa 14 milhões de euros o nosso 275,2 milhões de euros!!!
    Algo está errado.
    “A electrificação das linhas é algo mais dispendioso” ??? Estranho.

RESPONDER

Invasão ao Capitólio recriada através de vídeos divulgados nas redes sociais

A VICE recriou a invasão ao capitólio, no dia 6 de janeiro de 2021, através de vídeos divulgados pelos manifestantes nas redes sociais. Os resultados das eleições presidenciais norte-americanas não convenceram toda a gente. Uma parcela …

França cria delito de "ecocídio" para punir poluição ambiental

A lei resulta de uma recomendação da Convenção de Cidadãos pelo Clima e visa penalizar casos de poluição ambiental com crime específico. A câmara baixa francesa aprovou, este sábado, a criação do delito de “ecocídio” para …

Estação de metro abandonada em NY é o set de filmagens secreto mais bem guardado de Hollywood

A Bowery Station, uma estação de metro em Nova Iorque, permaneceu abandonada durante cerca de 20 anos, mas desfruta agora de uma nova vida. Tudo começou em 2016, quando Sam Hutchins, um veterano da indústria cinematográfica, procurava …

Nacional 0-1 FC Porto | Dragão cansado não facilita

O FC Porto foi à Madeira vencer o Nacional por 1-0. Quem pensou que seria jogo de goleada para os “azuis-e-brancos” enganou-se por completo. Os insulares deram luta, só permitiram um golo, por parte de Mehdi …

João Leão aposta num OE de "expansão" (e mantém a fé num acordo à esquerda)

O ministro das Finanças, João Leão, acredita que o sétimo Orçamento do Estado será aprovado com os partidos à sua esquerda. Ao semanário Expresso, João leão explicou que os próximos Orçamentos do Estado não serão de …

Português investigou histórias por detrás das dedicatórias de Beethoven

A dedicatória do compositor Beethoven da famosa "Sonata ao Luar" a uma alegada musa foi, afinal, uma forma sarcástica de se vingar pela forma como se sentiu desrespeitado, descobriu o musicólogo e pianista português Artur …

Nos canais de Utrecht, os peixes têm uma "campainha" para passar pela barreira

Quando os peixes desovam pelos canais de Utrecht, nos Países Baixos, costumam ser bloqueados pela eclusa Weerdsluis. Agora, a cidade lançou a primeira campainha para peixes do mundo. De acordo com o Dutch Review, o sistema …

Jorge Jesus acusa Gil Vicente de antijogo: "Fez o que o árbitro permitiu"

Este sábado, o Gil Vicente visitou o Benfica e saiu com os três pontos na bagagem ao vencer por 2-1, num duelo relativo à 27ª jornada da Liga NOS. O Benfica perdeu no Estádio da Luz …

Site chinês "apaga" mulheres que não querem casar ou ter relações com homens

Vários grupos de feministas com ideias mais radicais começaram a ser bloqueados de um dos sites mais influentes na China. Num país conhecido pelo seu regime ditatorial e conservador, um grupo de mulheres uniu-se para lutar …

Grande Crise do Ketchup. A pandemia atacou um mercado improvável (e já há um mercado negro para o molho)

Os problemas da cadeia de suprimentos estão a chegar a um canto distante do universo empresarial: os pacotes de ketchup. O ketchup é o molho de mesa mais consumido nos restaurantes dos Estados Unidos, com cerca …