Está a nascer o primeiro comboio português a hidrogénio (e vai substituir o Vouguinha)

Já arrancou o projecto para o desenvolvimento do primeiro comboio português a hidrogénio. A iniciativa visa transformar as automotoras a gasóleo que circulam na Linha do Vouga – o comboio chamado Vouguinha – por células de combustível a hidrogénio que produzem electricidade.

O projeto H2Rail é liderado pela Comboios de Portugal (CP), mas junta também a Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP), a Associação Portuguesa para a Promoção do Hidrogénio e as empresas CaetanoBus e NomadTech.

Com um investimento inicial de 34,6 milhões de euros, implementar as seis etapas do projecto pode custar, no total, algo como 275,2 milhões de euros. Portanto, a iniciativa só será possível se conseguir financiamento de fundos comunitários.

A candidatura a financiamento europeu já foi apresentada e foi também registada uma proposta no IPCEI – Forum on Important Projects of Common European Interest (Fórum de Projectos Importantes para o Interesse Comum Europeu), para a obtenção do estatuto de projecto de relevância na área do hidrogénio.

Este primeiro comboio português a hidrogénio enquadra-se na estratégia do Governo para a descarbonização dos transportes e pretende transformar o Vouguinha, que circula na Linha ferroviária do Vouga, num veículo a hidrogénio.

“Há uma série de linhas que não estão electrificadas onde existem comboios a diesel, compostos por um motor a diesel que serve para alimentar um gerador eléctrico”, nota o professor Adriano Carvalho, director do Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores da FEUP e responsável pela equipa que lidera o projecto na Faculdade.

Em declarações ao site da Universidade, Adriano Carvalho salienta que “o objectivo é substituir este conjunto por uma célula de combustível a hidrogénio, que produz energia eléctrica”.

“Esta transformação reduzirá custos, uma vez que a electrificação das linhas é algo mais dispendioso”, constata ainda o professor.

O projecto H2Rail implica seis etapas, incluindo estudos de viabilidade técnica e financeira, bem como a criação de pontos de abastecimento e a construção do protótipo.

As estimativas iniciais apontam para que a fase de testes possa arrancar em 2023.

Se tudo correr como esperado e a transformação do Vouguinha em comboio a hidrogénio chegar a bom porto, o próximo passo será “expandir as composições de hidrogénio para as restantes linhas ferroviárias”, como explica Adriano Carvalho.

Hidrogénio ainda é uma alternativa cara

Num artigo intitulado “2035 o fim dos comboios a diesel?”, publicado na newsletter de Junho de 2019 da Associação Portuguesa para a Promoção do Hidrogénio, salienta-se que o comboio eléctrico com célula de combustível a hidrogénio “tem um desempenho semelhante ao do diesel, garantindo uma autonomia de 1000 km e uma velocidade de 140 km/h”, além de ser uma opção “amiga do ambiente, libertando apenas vapor de água”.

“A única desvantagem é ser ainda um pouco mais cara”, nota-se no artigo, sublinhando-se que o “investimento é cerca de 20% mais elevado, enquanto os custos operacionais por passageiro são já equivalentes”.

Prevê-se ainda que, “nos próximos 5 anos, os custos de investimento também possam ser equivalentes”.

Infraestruturas de Portugal colabora noutro comboio a hidrogénio europeu

Além deste projecto liderado pela CP, a Infraestruturas de Portugal (IP), que gere a rede ferroviária nacional, está também envolvida num consórcio europeu para o desenvolvimento de um comboio a hidrogénio.

Baptizado projeto FCH2Rail, o consórcio integrado pela IP “permitirá o desenvolvimento de um veículo protótipo ferroviário movido a hidrogénio, com financiamento significativo de fundos europeus através do programa H2020”, como explica a empresa portuguesa.

A IP vai participar, sobretudo, na fase de testes que deverão ocorrer em 2023 ou em 2024, em linhas ferroviárias transfronteiriças como a do Minho ou no futuro troço Évora-Caia.

O “objectivo é alcançar um veículo com zero emissões e desempenho operacional competitivo com os actuais comboios movidos a diesel, tanto em veículos novos como em reabilitados”, refere a IP em comunicado.

Este projecto prevê um investimento de 14 milhões de euros e também inclui a RENFE, a operadora ferroviária pública espanhola, além de parceiros da Bélgica e da Alemanha.

Susana Valente Susana Valente, ZAP //

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. …adoro ver o Vouguinha quase diáriamente, ainda me recordo da versão a vapor, mas a verdade é que hoje em dia raramente circula com meia dúzia de pessoas, na maioria das vezes passa por mim com apenas um ou dois passageiros. Mesmo considerando a hipótese que tenha mais alguma afluência fora da área que vulgarmente o vejo dificilmente pagará o combustível, a manutenção e o pessoal necessário.
    Mesmo que pessoalmente eu nutra uma grande estima pela tecnologia do hidrogénio e pelo Vouguinha, tenho de questionar qual é a lógica de investir tantos milhões num meio de transporte que tão pouca gente usa? Tachos? Nesta altura? Poramordedeus…

  2. O problema do hidrogénio é que devolve à volta de 70% da energia gasta pra o produzir, seja fóssil ou renovável. É uma espécie de negócio em que, por cada 100 euros que metes, só tiras 70. Fora o custo do motor de fuel cell. Melhor fora que electrificassem a linha e a abastecessem com renováveis.

  3. é so negocios para os amigos
    pelo que dizem fica mais caro produzir hidrogenio do que andar com os combustiveis fosseis (gasolina e gasoleo)
    porque é que nao a transformam em electrica? fica mais barata do que o hidrogenio
    ha muitos interesses por tras da produçao do hidrogenio e o povo é que vai pagar esses custos

  4. O projeto europeu custa 14 milhões de euros o nosso 275,2 milhões de euros!!!
    Algo está errado.
    “A electrificação das linhas é algo mais dispendioso” ??? Estranho.

RESPONDER

Embaixadora deixa Venezuela na terça-feira. UE chama embaixador em Cuba

A embaixadora da União Europeia na Venezuela vai sair do país na terça-feira, informou à agência Lusa fonte diplomática europeia, sem adiantar mais detalhes. Na última quarta-feira, a Venezuela decidiu expulsar Isabel Brilhante Pedrosa, em retaliação …

EUA aprovam vacina unidose da Johnson & Johnson. Nova Zelândia volta ao confinamento

O regulador do medicamento norte-americano aprovou, este sábado, a vacina contra a covid-19 da Johnson & Johnson, a terceira autorizada nos Estados Unidos. A vacina em causa da Johnson & Johnson é de dose única e junta-se …

Estes traços psicológicos podem ajudar a identificar pessoas vulneráveis ao extremismo

As características dos cérebros das pessoas podem oferecer pistas sobre as suas crenças políticas, sugere um novo estudo científico. Num estudo com cerca de 350 cidadãos norte-americanos, uma equipa de investigadores examinou a relação entre as …

Fóssil de lula vampiro perdido durante a Revolução Húngara foi redescoberto

Em 2019, uma equipa de investigadores encontrou o fóssil que estava perdido nas coleções do Museu de História Natural da Hungria, enquanto procurava fósseis de ancestrais de chocos. Contudo, o fóssil foi descoberto originalmente em 1942 …

Após escalada de suicídios, Japão nomeia Ministro da Solidão

O Japão nomeou um Ministro da Solidão após um recente aumento no número de suicídios, exacerbado pela crise provocada pela pandemia de covid-19. Estudos recentes mostraram que o Japão tem altos níveis de isolamento social, em …

Grande carruagem cerimonial descoberta quase intacta em Pompeia

Uma grande carruagem cerimonial de quatro rodas, com elementos de ferro, decorações de bronze e estanho, restos de madeira mineralizada e vestígios de elementos orgânicos, como cordas, foi encontrada quase intacta na área arqueológica de …

FC Porto 0-0 Sporting | Nulo com sabor a vitória para o "leão"

O “clássico” do Dragão, entre FC Porto e Sporting, terminou sem golos, sem grande futebol, e com um “leão” cada vez mais perto do título, apesar de ainda faltar muito campeonato.  A igualdade permite à formação …

Adolesceste entusiasta por pirotecnia construiu o seu próprio simulador profissional de fogos de artifício

O FWsim foi lançado pela primeira vez em 2010 como um software de planeamento de fogos de artifício, voltado para profissionais de pirotecnia e entusiastas de fogos de artifício. Em 2006, conta o Vice, Lukas Trötzmüller …

Pela primeira vez em 45 anos, uma casa vitoriana "flutuou" pelas ruas de San Francisco

A manhã de 21 de fevereiro em San Francisco, nos Estados Unidos, foi um pouco diferente do normal: uma casa vitoriana passou a "flutuar" pelas ruas da cidade. De acordo com o BuzzFeed News, uma equipa …

Nação Cherokee pede à Jeep que deixe de usar o nome da tribo nos seus carros

"É hora de a Jeep reconsiderar chamar os seus SUVs Cherokee e Grand Cherokee". Pela primeira vez, a tribo norte-americana Nação Cherokee pediu diretamente à Jeep para parar de usar o seu nome nos seus …