“Ainda não tivemos uma overdose de mortes?”. Espanha realiza primeira tourada desde o confinamento

José Natal

A primeira tourada espanhola desde o confinamento, que decorreu a 17 e 19 de julho em Ávila, a 85 quilómetros de Madrid, contou com metade do público habitual, numa altura em que aumenta o debate sobre a proibição desta prática.

“Ainda não tivemos uma overdose de mortes e dor nos últimos meses?”, indagou Carmen Ibarlucea, do grupo de direitos dos animais “La Tortura No Es Cultura”, que filmou a tourada em Ávila, juntamente com a Animal Guardians, um grupo de campanha global, citado pelo Independent na quarta-feira.

“Retornam às touradas e, impiedosamente e sem lágrimas, exigem mais dinheiro público para torturar e ver um herbívoro pacífico a morrer. Enquanto isso, nós, a maioria social, estamos agora a pedir uma verdadeira cultura de paz e solidariedade”, referiu a ativista.

O grupo apontou para uma pesquisa da Ipsos MORI, realizada em 2016, no qual concluiu-se que menos de um em cada cinco espanhóis entre 16 e 65 anos apoiam touradas, enquanto 58% são contra. Outra pesquisa, da Electomania, divulgada em maio deste ano, mostrou que 47% dos entrevistados são a favor da proibição, 18% opõem-se à mesma e um terço é neutro.

Com uma batalha cultural atualmente em andamento na Espanha sobre o futuro das touradas e o seu financiamento, os defensores dos direitos dos animais associam a diminuição de pessoas em Ávila com uma diminuição do apoio público.

“O ‘lobby’ das touradas está há meses a pedir dinheiro público e a exigir poder realizar touradas”, disse Marta Esteban Minano, diretora internacional da Animal Guardians. “E o que aconteceu? Foi um fracasso total, os supostos fãs não responderam”, notou.

Com a retirada constante de investimento em publicidade, a prática tornou-se amplamente dependente das vendas de bilhetes. E sem a garantia do apoio do Governo espanhol, os empresários e beneficiários desta prática têm exigido nos últimos meses milhões de euros em financiamento e subsídios para sobreviver.

Em junho, manifestações pró-touradas ocorrerem em várias cidades. “Agora temos um governo em Espanha que vê o coronavírus como uma oportunidade para eliminar completamente as touradas”, disse ao New York Times o toureiro peruano Andres Roca Rey, durante um protesto em Sevilha.

Independentemente da sua orientação política, o Governo espanhol tem “uma obrigação constitucional de apoiar as touradas, porque é a espinha dorsal da cultura espanhola”, indicou ao Times Juan Pedro Domecq, vice-presidente do sindicato dos criadores espanhóis.

Contudo, a prática é já financiada pelos governos locais e nacional e um grande número de herdades e de escolas de touradas recebeu dezenas de milhões de euros através da Política Agrícola Comum (PAC) da União Europeia (UE), que tem como objetivo subsidiar a produção de alimentos e recompensar práticas sustentáveis.

De acordo com os documentos revelados pela associação veterinária AVATMA, quase um terço das herdades de touradas beneficia de subsídios públicos.

Marta Estaban Minano instou a Comissão Europeia a “introduzir a condicionalidade necessária para que nenhuma herdade receba fundos caso crie animais para touradas, a menos que tenha um plano de reconversão para eliminar a criação de animais destinados às touradas nos próximos cinco anos”.

Enquanto isso, os números do ministério da cultura espanhol mostram uma tradição em declínio, com o número de touradas a cair quase dois terços desde 2007. Em maio, mais de 800 organizações lideradas pela La Tortura No Es Cultura assinaram uma carta que apoiava o reinvestimento de recursos públicos em indústrias transitórias, para fornecer aos trabalhadores uma alternativa viável.

“Os números falam por si: estatisticamente, em Espanha, aqueles que rejeitam as touradas são uma grande maioria. A Inglaterra proibiu em 2005 a caça à raposa. A China proibiu os cães reprodutores para consumo humano há apenas um mês”, frisou Carmen Ibarlucea.

“As tradições não são imutáveis, refletir e tomar decisões que nos tornam cada vez mais humanos é o caminho que devemos escolher. Essa é a verdadeira tradição que devemos honrar”, acrescentou.

Na semana passada, manifestantes protestaram em frente do Ministério do Trabalho, consternados pelo facto de esta prática não ter sido incluída na ajuda de emergência durante a pandemia, informou o El Pais.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Catarina Martins volta a bater o pé e Jerónimo sublinha: "Ainda não há Orçamento"

Marcelo Rebelo de Sousa recebeu, esta terça-feira, o Bloco de Esquerda, o PCP e o CDS, em mais uma ronda de reuniões com os partidos com assento parlamentar. Se o objetivo do Presidente da República era …

Simone Biles, Jogos Olímpicos de Tóquio 2020

Simone Biles. O ouro olímpico não é sinónimo de paz, muito menos interior

Na sequência do escândalo Nassar, a opinião pública dos EUA concordou que não valia tudo no caminho até ao ouro olímpico — principalmente quando está em causa a dignidade humana. Com a sua principal estrela …

"Sinto que desci ao inferno". Polícias recordam ataque ao Capitólio

"É assim que vou morrer", "sinto que desci ao inferno" e "corri o risco de ser morto" são alguns dos relatos de polícias que estavam na invasão ao Capitólio. Começaram as audiências na comissão da Câmara …

Pandemia aumentou o preço dos carros usados. Venda de veículos novos caiu a pique

A procura por usados aumentou com a pandemia. Com menos carros novos a saírem dos concessionários, também por causa da crise dos chips, a oferta de usados é escassa, levando os preços a subirem. Um choque …

Jogos Olímpicos: três polémicas de arbitragem em 24 horas

Depois da pontuação controversa no surf, uma decisão que quase ninguém entendeu, no basquetebol e no judo. A arbitragem não é, ou não é suposto ser, o foco de qualquer edição dos Jogos Olímpicos. E não …

Rui Vitória quer levar Manafá para o Spartak Moscovo

O Spartak Moscovo, treinado por Rui Vitória, desistiu da contratação de Gabriel e apresentou agora uma proposta por Wilson Manafá. Desde que chegou a Moscovo para treinar o Spartak, Rui Vitória tem sondado alguns jogadores que …

Centro de Migrantes de Caxias seria pago pelo SEF com carros apreendidos e obras eram feitas por presos

As obras feitas para a construção de um Centro de Migrantes no complexo prisional de Caxias terão sido pagas pelo SEF com carros apreendidos. O Centro de Instalação Temporária de migrantes no complexo prisional de Caxias …

Afinal, declaração de pertença à Maçonaria ou Opus Dei não será obrigatória

A obrigatoriedade de os políticos e altos cargos públicos declararem a sua pertença e funções em associações como as desportivas, políticas e de carácter secreto foi aprovada no Parlamento este mês. Jorge Lacão esclareceu que a …

Futebol: Alemanha já está fora dos Jogos Olímpicos

Alemães chegaram à final em 2016 mas, desta vez, nem passaram da fase de grupos. Campeão Brasil continua no torneio masculino. Brasil e Alemanha foram as seleções finalistas da edição anterior dos Jogos Olímpicos, em 2016. …

Portugal perto de surpresa no andebol e Ana Catarina Monteiro faz história na natação

No andebol, a equipa olímpica portuguesa esteve muito perto de surpreender a vice-campeã mundial Suécia. Na natação, Ana Catarina Monteiro teve um resultado histórico. A seleção portuguesa de andebol perdeu por 29-28 frente à vice-campeã mundial …