“Ainda não tivemos uma overdose de mortes?”. Espanha realiza primeira tourada desde o confinamento

José Natal

A primeira tourada espanhola desde o confinamento, que decorreu a 17 e 19 de julho em Ávila, a 85 quilómetros de Madrid, contou com metade do público habitual, numa altura em que aumenta o debate sobre a proibição desta prática.

“Ainda não tivemos uma overdose de mortes e dor nos últimos meses?”, indagou Carmen Ibarlucea, do grupo de direitos dos animais “La Tortura No Es Cultura”, que filmou a tourada em Ávila, juntamente com a Animal Guardians, um grupo de campanha global, citado pelo Independent na quarta-feira.

“Retornam às touradas e, impiedosamente e sem lágrimas, exigem mais dinheiro público para torturar e ver um herbívoro pacífico a morrer. Enquanto isso, nós, a maioria social, estamos agora a pedir uma verdadeira cultura de paz e solidariedade”, referiu a ativista.

O grupo apontou para uma pesquisa da Ipsos MORI, realizada em 2016, no qual concluiu-se que menos de um em cada cinco espanhóis entre 16 e 65 anos apoiam touradas, enquanto 58% são contra. Outra pesquisa, da Electomania, divulgada em maio deste ano, mostrou que 47% dos entrevistados são a favor da proibição, 18% opõem-se à mesma e um terço é neutro.

Com uma batalha cultural atualmente em andamento na Espanha sobre o futuro das touradas e o seu financiamento, os defensores dos direitos dos animais associam a diminuição de pessoas em Ávila com uma diminuição do apoio público.

“O ‘lobby’ das touradas está há meses a pedir dinheiro público e a exigir poder realizar touradas”, disse Marta Esteban Minano, diretora internacional da Animal Guardians. “E o que aconteceu? Foi um fracasso total, os supostos fãs não responderam”, notou.

Com a retirada constante de investimento em publicidade, a prática tornou-se amplamente dependente das vendas de bilhetes. E sem a garantia do apoio do Governo espanhol, os empresários e beneficiários desta prática têm exigido nos últimos meses milhões de euros em financiamento e subsídios para sobreviver.

Em junho, manifestações pró-touradas ocorrerem em várias cidades. “Agora temos um governo em Espanha que vê o coronavírus como uma oportunidade para eliminar completamente as touradas”, disse ao New York Times o toureiro peruano Andres Roca Rey, durante um protesto em Sevilha.

Independentemente da sua orientação política, o Governo espanhol tem “uma obrigação constitucional de apoiar as touradas, porque é a espinha dorsal da cultura espanhola”, indicou ao Times Juan Pedro Domecq, vice-presidente do sindicato dos criadores espanhóis.

Contudo, a prática é já financiada pelos governos locais e nacional e um grande número de herdades e de escolas de touradas recebeu dezenas de milhões de euros através da Política Agrícola Comum (PAC) da União Europeia (UE), que tem como objetivo subsidiar a produção de alimentos e recompensar práticas sustentáveis.

De acordo com os documentos revelados pela associação veterinária AVATMA, quase um terço das herdades de touradas beneficia de subsídios públicos.

Marta Estaban Minano instou a Comissão Europeia a “introduzir a condicionalidade necessária para que nenhuma herdade receba fundos caso crie animais para touradas, a menos que tenha um plano de reconversão para eliminar a criação de animais destinados às touradas nos próximos cinco anos”.

Enquanto isso, os números do ministério da cultura espanhol mostram uma tradição em declínio, com o número de touradas a cair quase dois terços desde 2007. Em maio, mais de 800 organizações lideradas pela La Tortura No Es Cultura assinaram uma carta que apoiava o reinvestimento de recursos públicos em indústrias transitórias, para fornecer aos trabalhadores uma alternativa viável.

“Os números falam por si: estatisticamente, em Espanha, aqueles que rejeitam as touradas são uma grande maioria. A Inglaterra proibiu em 2005 a caça à raposa. A China proibiu os cães reprodutores para consumo humano há apenas um mês”, frisou Carmen Ibarlucea.

“As tradições não são imutáveis, refletir e tomar decisões que nos tornam cada vez mais humanos é o caminho que devemos escolher. Essa é a verdadeira tradição que devemos honrar”, acrescentou.

Na semana passada, manifestantes protestaram em frente do Ministério do Trabalho, consternados pelo facto de esta prática não ter sido incluída na ajuda de emergência durante a pandemia, informou o El Pais.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Cientistas calculam probabilidade de contágio ao viajar de comboio

Investigadores da Universidade de Southampton, no Reino Unido, calcularam a probabilidade de contrair covid-19 ao viajar numa carruagem de comboio com uma pessoa infetada. Em colaboração com a Academia Chinesa de Ciências, a Academia Chinesa de …

Hong Kong. Magnata da imprensa Jimmy Lai libertado sob caução

O magnata da imprensa e uma das principais figuras do movimento pró-democracia de Hong Kong Jimmy Lai foi esta terça-feira libertado sob caução, constatou a agência France-Presse. Jimmy Lai tinha sido detido na segunda-feira, ao …

Lar de Reguengos de Monsaraz diz ter feito tudo para salvar vidas

A direção do lar de Reguengos de Monsaraz (Évora) onde surgiu o surto de covid-19 que causou 18 mortos garantiu ter feito “tudo” ao seu “alcance” para “salvar vidas”, nesta “crise” com “contornos dramáticos”. A Fundação …

Israel fecha os olhos e deixa palestinianos cruzarem a fronteira para ir a banhos

As autoridades israelitas têm deixado milhares de palestinianos cruzar a barreira de separação entre os dois territórios para poderem ir às praias. Este foi um fim-de-semana muito especial para Siham e os seus cinco filhos. …

Diabéticos e hipertensos voltam a ter faltas justificadas

Os diabéticos e hipertensos sem condições para desempenharem funções em teletrabalho voltam a ter direito a justificar as faltas ao trabalho devido à pandemia de covid-19, segundo um diploma publicado em Diário da República. “Os imunodeprimidos …

Deputada da Coreia do Sul debaixo de fogo. Usou um vestido no Parlamento

Na semana passada, a deputada sul-coreana Ryu Ho-jeong usou um vestido numa assembleia legislativa, sendo bombardeada com críticas que gerou um debate sobre sexismo e a cultura patriacal do país. De acordo com a CNN, na …

SC Braga oficializa "top gun" Gaitán por duas temporadas

O internacional argentino Nicolas Gaitán assinou um contrato com o Sporting de Braga válido por uma época, com outra de opção, informou esta terça-feira o clube minhoto da I Liga de futebol. Formado no Boca Juniors, …

Vacina russa chama-se "Sputnik V" e foi já pedida por 20 países

A vacina russa contra a covid-19, cujo registo foi esta terça-feira anunciado pelo Presidente, Vladimir Putin, chama-se "Sputnik V", vai começar a ser fabricada em setembro e já foi encomendada por 20 países. De acordo com …

Rui Pinto no Twitter: "Travessia do deserto” terminou mas a “luta continua”

Rui Pinto assumiu que a “árdua e longa ‘travessia do deserto’” chegou ao fim, aludindo à sua libertação, mas avisou que “a luta continua”, pois Portugal “continua um paraíso para a grande corrupção” e branqueamento …

PJ deteve suspeita de atear fogo florestal no Parque Nacional da Peneda-Gerês

A Polícia Judiciária (PJ) de Braga deteve uma mulher de 57 anos suspeita de atear um incêndio florestal registado em 4 de agosto no Parque Nacional da Peneda-Gerês (PNPG), no concelho de Terras de Bouro. Em …