Enfermeira alertou para problemas graves cinco dias após primeiro caso em Reguengos

Pedro Sarmento Costa / Lusa

A enfermeira incumbida pelo delegado de saúde local de visitar o lar alertou para problemas graves cinco dias após primeiro caso de infeção do novo coronavírus em Reguengos.

O surto de Reguengos de Monsaraz, detetado em 18 de junho, provocou 162 casos de infeção, a maior parte no lar (80 utentes e 26 profissionais), mas também 56 pessoas da comunidade, tendo morrido 18 pessoas (16 utentes e uma funcionária do lar e um homem da comunidade).

Apenas cinco dias depois de ter sido identificado o primeiro caso no lar, a enfermeira incumbida pelo delegado de saúde local de visitar o edifício já alertava para vários problemas graves, avança o jornal Público.

Havia quartos com seis camas que não permitiam o distanciamento social adequado e não havia equipas distintas de cuidadores para os infetados e os não infetados.

O Público teve acesso ao relatório preliminar da autoridade de saúde pública do Agrupamento dos Centros de Saúde (ACES) do Alentejo Central. Na troca de correspondência, os médicos adiantavam que três utentes sem testes positivos partilhavam quartos com doentes com testes positivos e assinalavam a “confusa” organização do lar.

“Uma utente positiva deambulava com uma garrafa de água à procura de uma casa de banho para encher a sua garrafinha. Dirigiu-se à ala dos utentes negativos, à casa de banho que lhe seria familiar”, retratou a enfermeira que fez a avaliação técnica da situação no lar. No dia em que lá esteve, não havia enfermeiro nem funcionários para a limpeza.

As deficiências detetadas foram comunicadas à direção técnica do lar para que a situação pudesse ser retificada e melhorada.

O delegado de saúde salienta “que houve sempre grande dificuldade” em mobilizar recursos médicos e de enfermagem para os cuidados aos residentes positivos e que, “nos primeiros dias houve, “uma aparente subvalorização do risco e complexidade do seguimento destes doentes”, escreve o Público.

PS contra “aproveitamento político”

A Federação de Évora do PS lamentou esta quinta-feira “profundamente a tragédia” no lar em Reguengos de Monsaraz e disse repudiar “o aproveitamento político injusto e desonesto” da situação.

Em comunicado, a federação socialista “lamenta profundamente a tragédia que se abateu” sobre o Lar de Idosos da Fundação Maria Inácia Vogado Perdigão Silva (FMIVPS) de Reguengos de Monsaraz, que culminou com a morte de 18 pessoas, e repudia “o aproveitamento político injusto e desonesto levado a cabo por forças partidárias”.

A federação do PS, na nota de imprensa enviada hoje à agência Lusa, critica diretamente o PSD, partido que “chegou ao cúmulo de falar em teia partidária, insinuando ligações partidárias entre o presidente da ARS [Administração Regional de Saúde] de Évora e a autarquia de Reguengos de Monsaraz”, presidida por José Calixto (PS).

“Tal acusação é injusta porque inexistente e desonesta”, afirmou o PS, justificando que “ninguém melhor que o PSD sabe perfeitamente que o atual presidente da ARS de Évora [José Robalo] foi nomeado pelo Governo de Passos Coelho e exerceu essas funções durante toda a governação do Governo PSD/CDS”, pode ler-se.

O PS reagia a um comunicado do PSD, divulgado no domingo, que denunciou uma “teia de relações partidárias” entre a ARS e segurança social no Alentejo e exigiu o apuramento de responsabilidades pela morte de 18 doentes com covid-19 em Reguengos de Monsaraz.

O PSD, nesse comunicado, aludiu a uma “teia de relações partidárias que se estabelece com a Administração Regional de Saúde e o Centro Distrital da Segurança Social” e exige o apuramento de “responsabilidades políticas municipais e distritais”.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Como é o Partido Socialista a governar não se pode denunciar nada do que está mal, é logo aproveitamento político, esquecem-se que quando é o PSD no governo tudo serve de arremesso político, que gentinha mais incomodada

  2. Com um governo com justiça,estes trafulhas da direção do lar,já estariam todos presos.Mas o Costa e a ministra da saúde não se livram de responsabilidades,têm todos as mãos sujas do sangue dos pobres idosos que faleceram por culpa destes incompetentes.É uma vergonha o que se passou e passa nos lares do nosso país,mais parece um sistema organizado para limpar os nossos idosos da face da terra para que o governo não gaste nada com manter estes pobres cidadãos a viver mais algum tempo.Assassinos.

Responder a Eu! Cancelar resposta

Polacos protestam contra acórdão que torna o aborto quase impossível

Milhares de polacos têm-se manifestado, nos últimos dias, contra a proibição quase total do aborto, quando as leis do país estavam já entre as mais restritivas da União Europeia. Na última quinta-feira, o Tribunal Constitucional polaco …

Japão promete "uma sociedade neutra em termos de carbono" até 2050

O Japão quer alcançar a neutralidade de carbono até 2050, disse hoje o primeiro-ministro japonês Yoshihide Suga, um caminho que se afigura complicado, devido à dependência do país do carvão. Numa altura em que cada vez …

"Nada nos vai fazer recuar". Macron desperta a raiva do mundo muçulmano (e enfurece Erdogan)

Emmanuel Macron, presidente de França, assumiu posições muito claras na defesa da liberdade de exibir as caricaturas de Maomé, no âmbito da homenagem ao professor decapitado na semana passada, suscitando protestos em vários países muçulmanos. "Nada …

Merkel avisa Alemanha que os próximos meses vão ser “muito difíceis”

A chanceler alemã, Angela Merkel, avisou a Alemanha de que os próximos meses vão ser "muito difíceis", já que o número de infeções por covid-19 continua a crescer diariamente, tendo-se registado 8.685 nas últimas …

Portugal acusado de bloquear lei europeia contra evasão fiscal pelas multinacionais

Os governos português e sueco estão a ser acusados de bloquear, no Conselho da União Europeia (UE), a deliberação de uma lei contra a evasão fiscal por parte de grandes empresas multinacionais digitais. Segundo anunciou esta …

Consumo de antibióticos desce 22% durante a pandemia. Menos 1,1 milhões de embalagens vendidas

O consumo de antibióticos registou uma descida na ordem dos 22% nos primeiros oito meses deste ano. Venderam-se menos 1,1 milhões de embalagens, quando comparado com igual período do ano passado. Entre janeiro e agosto deste …

Portugal regista mais 2.447 casos e 27 mortes por covid-19

Nas últimas 24 horas, Portugal registou mais 2.447 casos positivos e 27 mortes por covid-19. A informação foi divulgada, esta segunda-feira, no boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). O boletim epidemiológico divulgado hoje revela que …

Testes rápidos devem ser aplicados em surtos em escolas ou lares

A Estratégia Nacional de Testes para SARS-CoV-2, hoje publicada, determina que em situações de surto em escolas, lares ou outras instituições devem ser utilizados preferencialmente testes rápidos no sentido de aplicar "rapidamente as medidas adequadas …

Em Berlim, Marta Temido defende reforma e reforço de poder da OMS

A Organização Mundial de Saúde (OMS) deve ser alvo de uma reforma substancial que leve ao reforço do seu poder internacional na sequência da pandemia de Covid-19, defendeu esta segunda-feira a ministra da Saúde, Marta …

PJ faz buscas à Fiscalização e Contratação da Câmara de Barcelos

A investigação, relacionada com contractos efetuados no pelouro da vereadora Anabela Real, estão a ser investigados pela Polícia Judiciária. A Polícia Judiciária (PJ) fez hoje buscas na Câmara de Barcelos, tendo como alvo principal os serviços …