Empresas podem manter lay-off até ao fim de setembro. Apoio pode chegar a 85% do salário

Rodrigo Antunes / Lusa

Os traços gerais do plano do Governo para a retoma da economia e para tentar travar a escalada do desemprego foram apresentados aos parceiros sociais, esta terça-feira, por Ana Mendes Godinho, ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social. Os detalhes ainda não estão fechados e devem ser apresentados esta quinta-feira, após a reunião do Conselho de Ministros.

A surpresa do plano de retoma foi o não prolongamento do regime de lay-off simplificado, uma das medidas mais reclamadas e praticamente dada como certa. O Governo justificou esta opção com a necessidade de “estimular a retoma da atividade por parte das empresas e não a sua suspensão”.

Assim, o novo regime de lay-off será diferenciado em função da quebra de faturação, com vista a direcionar as ajudas públicas “a quem mais precisa”.

De acordo com o semanário Expresso, as empresas com uma redução de negócio acima de determinado patamar chamem os trabalhadores de regresso ao trabalho, mesmo que não seja a tempo inteiro. O apoio será assegurado, em parte, pela Segurança Social e será tanto maior quanto mais expressiva for a quebra de faturação das empresas. A fatura que caberá às empresas será maior do que aquilo que acontece no atual modelo de lay-off simplificado.

Neste regime, o trabalhador recebe 66% da sua remuneração base, com o empregador a assegurar 30% do custo e a Segurança Social a arcar os restantes 70%. No novo modelo, a parcela da remuneração que o trabalhador vai receber será maior do que os dois terços.

De acordo com o Correio da Manhã, o salário pago os trabalhadores em lay-off pode vir a ser de 85% da remuneração bruta, um aumento face aos 66% pagos atualmente.

Ainda que o regime de lay-off simplificado deixe de produzir efeitos a 30 de junho, as empresas que peçam à Segurança Social para aderir ao lay-off simplificado este mês vão poder beneficiar deste regime até ao final de setembro, avança o ECO.

“As empresas que requeiram o lay-off simplificado, neste período, têm sempre os três meses de utilização. Punha-se a questão: quando chegarmos ao final de junho como é que é? As empresas suspendem com um mês apenas de utilização do instrumento? Não, o instrumento é sempre válido por três meses e termina no final desse tempo. Para aquelas que já solicitaram [o acesso ao lay-off simplificado], termina no final do período e não no final deste mês. Foi uma dúvida que também chegou a existir”, explicou António Saraiva, em declarações ao económico.

Por outro lado, o regime de lay-off simplificado vai continuar a existir, sendo acessível apenas às empresas que tenham suspendido a sua atividade por imposição legislativa ou administrativa.

De acordo com o semanário Expresso, o Governo também planeia ajustar a isenção da TSU. A ideia será manter a isenção de pagamento da TSU para as micro, pequenas e médias empresas até setembro. As grandes companhias terão de pagar uma parte desta contribuição social. Até agora, todas estavam isentas deste pagamento no âmbito do lay-off simplificado.

A ideia do Executivo é a de que, a partir do final do verão e até final do ano, tanto o apoio modulado em função de quebra na faturação como as reduções e isenções na TSU vão sendo progressivamente reduzidas e eliminadas. Para balizar a dimensão das empresas, o critério a utilizar será o número de trabalhadores – e não a faturação da empresa.

Governo “vai amputar” o que era mais eficaz

Na quarta-feira, as quatro confederações patronais acusaram o Governo, num comunicado duro, de querer mudar, “amputar”, o que era eficaz no regime de lay-off simplificado.

De acordo com o Observador, que cita o comunicado dos patrões, CAP (Agricultura), CIP (Indústria), CCP (Comércio e Serviços) e CTP (Turismo) avisam que o modelo desenhado na última reunião da concertação social pela ministra do Trabalho representa uma “machadada letal” no lay-off simplificado, o instrumento de apoio à economia e às empresas mais bem acolhido e também aquele que representou maiores transferências financeiras do Estado para empresas e famílias.

Outros fundamentos que permitiam suspender os contratos, como a quebra abrupta e acentuada da faturação ou paragem de atividade por interrupções no abastecimento, suspensão ou cancelamento de encomendas, a suspensão dos contratos de trabalho, ficam remetida para o regime de lay-off constante do Código do Trabalho, que descrevem os patrões como burocrático e moroso.

Os patrões reconhecem que o regime implementado em março precisava de ajustes, sobretudo a nível do rendimento mínimo atribuído ao trabalhador. No entanto, defendem que é essencial um regime flexível e que responda aos avanços e recuos da retoma da atividade, considerando que a possibilidade de suspender contratos ou reduzir horários de trabalho é um “vector absolutamente crucial a preservar”.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

"Burrolandia". Parque temático de burros no México está a tentar salvar estes animais

Um parque temático de burros no México serve de santuário a estes animais que estão aos poucos a desaparecer no país. "O burro ajudou o homem por muito tempo. É hora de retribuirmos o favor", …

Uma mão robótica que joga Super Mario Bros na Nintendo? Sim, existe

Uma equipa de investigadores da Universidade de Maryland, nos Estados Unidos, imprimiu em 3D peças para criar uma mão robótica capaz de jogar Super Mario Bros na Nintendo.  A mão robótica é totalmente montada com circuitos …

"Narco Drones" apanhados a entregar drogas numa prisão chilena

Reclusos e cúmplices no exterior estão a usar drones para contrabandear droga para a prisão mais antiga do Chile. As autoridades chilenas descobriram que o esquema de contrabando tinha como objetivo transportar drogas para a Ex …

Erupção do vulcão Etna causa problemas económicos na Sicília

Nos últimos meses, o vulcão Etna tem estado em constante erupção e o custo de limpeza das cinzas está a deixar muitas cidades da Sicília à beira da falência. O vulcão Etna – um dos mais …

Argentina cria documento de identidade para pessoas não binárias

O Presidente da Argentina anunciou, esta semana, que o país tem um novo documento de identidade para incluir pessoas não binárias. É o primeiro país da América Latina a fazê-lo. De acordo com o chefe de …

Costa diz que Portugal vai ter "o dobro" de fundos comunitários para investir

O primeiro-ministro afirmou, este sábado, que Portugal vai contar, nos próximos sete anos, com "o dobro" de fundos comunitários para investimento, considerando que esta "é uma oportunidade única" que não pode ser desperdiçada. "Vamos ter a …

Chinesa morre após salvar a filha de deslizamento de terra. Bebé esteve 24 horas nos escombros

Uma mulher morreu após salvar o seu bebé quando um deslizamento de terra e uma forte inundação atingiram a sua casa na China, revelam as equipas de resgate. Como noticia a BBC, a bebé foi resgatada …

Caso Ihor. IGAI pede expulsão do ex-diretor de fronteiras do SEF

A Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI) já entregou ao ministro Eduardo Cabrita o relatório final do processo disciplinar contra o inspetor coordenador do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) António Sérgio Henriques, que propõe a …

Chuvas torrenciais fazem mais de uma centena de mortos na Índia

Pelo menos 136 pessoas morreram na Índia, em consequência de chuvas torrenciais que assolaram o país e causaram fortes enchentes e deslizamentos de terra, enterrando casas e submergindo ruas. Numa altura em que as alterações climáticas …

China inaugurou o comboio mais rápido do mundo

O comboio-bala maglev, que pode atingir uma velocidade de 600 quilómetros por hora, fez a sua estreia em Qingdao, na China, esta semana. Tal como conta a cadeia televisiva CNN, este comboio-bala maglev foi desenvolvido pela …