Empresa portuguesa espera ter ventilador no mercado este ano

Alejandro Garcia / EPA

A empresa Sysadvance conta ter até ao final do ano no mercado um ventilador específico para cuidados intensivos de saúde, foi anunciado nesta segunda-feira.

O ventilador SYSVent OM1 está a ser desenvolvido em parceria com a Ordem dos Médicos (OM) e em colaboração com o Centro de Cirurgia Experimental Avançada desde Março e será agora alvo de certificação para adquirir a marca CE, um indicativo de conformidade obrigatória para produtos comercializados no espaço económico europeu.

A expectativa dos responsáveis é de que a certificação do SYSVent OM1 fique concluída em Novembro, já incluindo a fase de auditorias e testes, e que o ventilador esteja disponível no mercado até final do ano.

De acordo com o presidente do conselho de administração da Sysadvance, José Vale Machado, que falava aos jornalistas nesta segunda-feira de manhã, numa sessão que decorreu na Ordem dos Médicos (OM), no Porto, a empresa terá capacidade para produzir 20 ventiladores “por dia e por turno”, o que significa que, “em pico, dependendo da demanda que haja, poderão ser feitos 60 por dia”.

“A primeira unidade foi feita em duas semanas, depois foram feitos aperfeiçoamentos para cumprir os requisitos da equipa da OM no que diz respeito à precisão e à fiabilidade do equipamento e hoje temos um equipamento que é mais preciso e mais fiável que o líder do mercado. Este não é um equipamento pandémico, é um equipamento para utilização massiva em cuidados intensivos”, descreveu José Vale Machado.

O administrador falava aos jornalistas após assinar um protocolo com os responsáveis do fundo Todos por quem cuida que junta a OM e a Ordem dos Farmacêuticos, com o apoio da Associação Portuguesa da Indústria Farmacêutica (Apifarma), bem como de instituições da sociedade civil e empresas de vários sectores.

O Todos por quem cuida vai adquirir 30 unidades do SYSVent OM1 para entregar ao Serviço Nacional de Saúde (SNS), mas o bastonário da OM, Miguel Guimarães, frisou que a aquisição “só se concluirá depois de o ventilador garantir a marca CE”.

“A Sysadvance é única empresa portuguesa que tem uma certificação que lhe permite desenvolver e produzir dispositivos médicos da classe IIB, mas nós só queremos o ventilador cá fora se ele tiver a marca CE”, disse o bastonário.

Miguel Guimarães apontou como objectivo que “cada hospital que tenha cuidados intensivos tenha um ventilador destes”, sendo que as 30 unidades custarão ao fundo criado na fase de pandemia da covid-19 cerca de 210 mil euros, o que corresponde a cerca de 7000 euros por cada unidade.

Sobre este preço, José Vale Machado referiu que este é “um custo significativamente inferior, menos de metade, ao do equipamento líder de mercado”, mas também sublinhou o aspecto da “independência estratégica do país”, uma ideia também abordada na cerimónia por Eurico Castro Alves, gestor do fundo Todos por quem cuida.

“Se há lição que a pandemia nos trouxe é que a Europa foi imprudente e não se soube preparar. Portugal ficou na mão de terceiros porque alguns países fizeram a requisição imediata de equipamentos que produzem, não permitindo a compra de outros. É importante sermos autónomos em vários sectores”, disse Castro Alves.

Hoje de manhã, além de ter sido destacado que a Sysadvance tem como pré-requisito a certificação de dispositivos médicos classe IIB, uma vez que certificou já outros dispositivos, nomeadamente as centrais de oxigénio, também foram descritas as especificidades do SYSVent OM1.

O médico intensivista que liderou a equipa médica que acompanhou o desenvolvimento deste ventilador, António Carneiro, descreveu que “os ventiladores de cuidados intensivos são os mais diferenciados e exigentes” e que o que se pretendeu foi fazer um equipamento “não apenas para a pandemia”.

“Os doentes covid-19 também deixam de conseguir respirar e quando falha a ventilação, quando a pessoa deixa de conseguir respirar, precisam de ventiladores preparados para tal. Mas este é um equipamento para tudo, capaz de gerar volume, pressão, responder às ajudas do doente quando o doente precisa, variar a maneira como o ar entra e sai”, disse António Carneiro.

Outra função destacada é a capacidade do SYSVent OM1 ser controlado remotamente, o que em ambiente pandémico ou de infecto-contagiosas é considerado muito importante pela comunidade médica, uma vez que permite aos profissionais de saúde trabalhar com maior distanciamento.

A Sysadvance, que antes do “Brexit” recorria à SGS UK para certificar os equipamentos desenvolvidos e agora recorre à SGS Bélgica, está a preparar o dossier de pedido de certificação, um trabalho que “numa situação normal demoraria mais de um ano a levar a cabo”, disse José Vale Machado.

“Estamos a mobilizar esforços grandes para ter certificado até Novembro e produzi-lo até final do ano”, disse o administrador, acrescentando já ter tido contactos internacionais e manifestações de interesse do Brasil, Arábia Saudita e Peru, entre outros países.

Lusa // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Cientista descobre espécie extinta de ganso através de uma pintura egípcia

Uma famosa pintura que estava originalmente no túmulo do príncipe egípcio Nefermaat levou um cientista a descobrir uma espécie de ganso já extinta. A cena "gansos de Meidum", originalmente pintada no túmulo do príncipe Nefermaat, encontra-se …

Físico cria algoritmo de IA que pode provar que a realidade é uma simulação

Hong Qin, do Laboratório de Física de Plasma de Princeton (PPPL) do Departamento de Energia dos EUA, criou um algoritmo de Inteligência Artificial que pode provar que a realidade é, na verdade, uma simulação. O algoritmo …

Quase 10 anos depois, avião de Gaddafi continua parado num aeródromo em França

Quase uma década depois de ter aterrado em solo francês, o avião presidencial do ex-ditador líbio continua parado num aeródromo no sul do país, estando no meio de vários processos judiciais que parecem não ter …

Governo recebeu 1.600 ideias para a bazuca. Costa agradece mobilização

Durante a fase de discussão pública, o Plano de Recuperação e Resiliência recebeu mais de 1.600 contribuições e mais de 65 mil consultas. O primeiro-ministro António Costa disse que, durante a fase de discussão pública, …

"Honjok" é o nome do movimento sul-coreano que reivindica a solidão

A solidão tornou-se um tema recorrente devido à pandemia de covid-19. Na Coreia do Sul, existe um movimento chamado "honjok", que promove um estilo de vida solitário. O isolamento imposto pela pandemia de covid-19 está a …

Do subsolo sírio à nomeação ao Óscar: hospitais em tempos de guerra numa "era de impunidade"

The Cave é o nome de uma produção que esteve nomeada para o Óscar de Melhor Documentário de 2020. É também o lugar onde hospitais sírios se escondem para salvar vidas longe de bombardeamentos e …

Patrícia Mamona sagra-se campeã no triplo salto em pista coberta

Esta tarde, Patrícia Mamona tornou-se a terceira atleta portuguesa a garantir a medalha de ouro para Portugal no Campeonato da Europa em pista coberta. A portuguesa Patrícia Mamona conquistou, este domingo, a medalha de ouro na …

Dias de aulas mais longos, férias mais curtas e cinco períodos. Em Inglaterra, já se equacionam formas de recuperar o tempo perdido

Há três medidas em cima de mesa que podem vir a ser adotadas para combater os atrasos na aprendizagem dos alunos. Na Inglaterra, as escolas reabrem para aulas presenciais esta segunda-feira, mas já se pensa …

Índia abre centro de bem-estar para hóspedes abraçarem vacas e "esquecerem todos os problemas"

Animais de conforto e apoio emocional são cada vez mais populares em todo o mundo. Embora a maioria das pessoas use cães ou gatos, há também algumas escolhas mais bizarras, incluindo pavões, macacos e cobras. Os …

Abel Ferreira tentou levar jogador do Benfica para o Palmeiras

O treinador português Abel Ferreira, no comando técnico dos brasileiros do Palmeiras, pediu a contratação de Franco Cervi, que alinha pelo Benfica, mas acabou por ver a sua proposta recusada pelo jogador argentino. A notícia …