Email revela que Manuel Pinho é professor nos EUA com patrocínio da EDP

José Sena Goulão / Wikimedia

Manuel Pinho, ex-ministro da Economia

A revista Visão teve acesso a um email, enviado pelo reitor da Universidade de Columbia a António Mexia, em 2009, que indicia que Manuel Pinho se terá tornado professor na Universidade de Columbia em troca do patrocínio da EDP.

Menos de seis meses depois de Manuel Pinho se ter demitido do cargo de ministro da Economia, António Mexia, presidente da EDP, recebeu um email do reitor da Universidade de Columbia, nos EUA.

No email de 2 de dezembro de 2009, o reitor John Coatsworth informa António Mexia que, se a EDP fizesse um primeiro pagamento de 300 mil dólares até ao fim do ano, a School of International and Public Affairs (SIPA) conseguiria “pagar o salário de um professor convidado” para dar aulas durante um semestre sobre “energia e ambiente”.

Segundo a Visão, o email surgiu na sequência de uma reunião entre ambos a 20 de novembro, em Nova Iorque. Nele, Manuel Pinho surge descrito como a pessoa “mais bem posicionada” e a mais indicada para ocupar o cargo de professor.

A doação da EDP acabou por acontecer e Manuel Pinho começou a dar aulas na Universidade de Columbia, nos EUA, em setembro de 2010.

O Ministério Público, no processo das rendas da EDP, usa este email para sustentar as suspeitas de que Manuel Pinho terá sido colocado como professor na Universidade de Columbia pela empresa, em troca de alegados benefícios, que a EDP terá conseguido com a revisão dos contratos CMEC – Custos para a Manutenção do Equilíbrio Contratual – e com o alargamento das concessões das suas barragens em 2007.

Foi em 2004 que o governo de Santana Lopes aprovou o decreto-lei que estabeleceu os CMEC, um sistema financiado pelos consumidores na fatura da eletricidade e que servia para compensar a EDP pela cessação antecipada de contratos de longo prazo para a venda de eletricidade nas suas centrais.

No governo de Sócrates, durante o qual Manuel Pinho foi ministro da Economia e António Mexia presidente da EDP, foi aprovada a revisão dos CMEC, revisão essa que melhorava o preço de venda da energia estipulada três anos antes.

Nesse mesmo ano, foi apresentada uma queixa em Bruxelas (que acabou por ser arquivada) que denunciava que a EDP acordava pagar ao Estado 759 milhões de euros para prorrogar o prazo de exploração de barragens, um preço que estaria muito aquém do que o negócio valeria.

Envolvido no processo-crime, depois das buscas da EDP e da REN, Manuel Pinho escreveu um artigo de opinião no Público em que desmentiu qualquer favorecimento por parte da EDP.

Ainda assim, Pinho foi constituído arguido a 3 de julho, sendo suspeito de crimes de corrupção passiva e de participação económica em negócio por “suspeitas de intervenção nos processos de cessação dos CAE [Contratos de Aquisição de Energia], introdução dos CMEC e por recebimento de contrapartidas que se traduziram na doação de verbas pela EDP à Universidade de Columbia”.

De acordo com a Visão, uns dias antes, o procurador Carlos Casimiro Nunes, deu as coordenadas à Polícia Judiciária.

Em causa estava a elaboração da portaria que, a 15 de junho de 2007, fixara em 7,55% a taxa de custo de capital da EDP, sem que existisse “algum elemento a suportar esse valor anormalmente alto face ao valor indicado pela própria EDP, ao secretário de Estado adjunto, da Economia e da Energia, de 6,6%, poucos meses antes”.

Por outro lado, na mesma data em que se fixaram as “rendas anuais fixas correspondentes ao valor inicial dos CMEC e da fixação da taxa de custo de capital da EDP em 7,55%”, os ministros do Ambiente, Ordenamento do Território e Desenvolvimento Regional e da Economia e Inovação tinham estabelecido “o valor de equilíbrio económico-financeiro da extensão de todas as 26 centrais eletroprodutoras hídricas em 759 milhões de euros”

Além disto, a EDP doou 1,2 milhões de dólares à Universidade de Columbia, onde Pinho tinha ido dar aulas. Face a esta doação, não se poderia excluir esta ida como uma consequência de alegados benefícios dados à EDP no tempo em que Pinho era ministro da Economia.

O telefonema do reitor

Na conferência de imprensa que deu depois de ser constituído arguido, António Mexia admitiu a doação do montante por parte da EDP à universidade norte-americana, mas assegurou que quem sugeriu Manuel Pinho como professor foi a própria Universidade.

À Visão, em Junho, a Universidade de Columbia também confirmou a doação, dizendo que serviu de apoio a aulas, investigação, palestras e conferências e que este contributo servia para pagar “vários membros do corpo docente da SIPA, inúmeras palestras e projetos estudantis”.

No email a que a revista teve acesso, a contratação do ex-ministro da Economia surge como a primeira de seis contrapartidas práticas do financiamento da EDP, embora a Universidade não o tenho admitido.

Em setembro de 2010, pouco tempo depois de ocupar o lugar de professor, Manuel Pinho disse à Lusa que apenas um mês depois de sair do Governo, recebeu três conviets de universidades dos EUA e que decidiu integrar a equipa da Universidade de Columbia, depois de ter recebido um telefonema do reitor da universidade.

ZAP // Visão

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. As super-mega universidades privadas americanas, sempre nos primeiros lugares dos rankings, mas com patrocínios e financiamentos ocultos/manhosos!…

RESPONDER

Revelado contrato oferecido pelo Real Madrid a Lewandowski. Só faltava assinar

O diário polaco Onet Sport revelou esta domingo o contrato oferecido pelo Real Madrid a Robert Lewandowski no verão de 2014. De acordo com o jornal, Lewandowski esteve muito próximo de rumar a Madrid e …

Capturado El Marro, líder de um cartel dedicado ao tráfico de gasolina no México

Este domingo, as autoridades mexicanas capturaram José Antonio Yépez Ortiz, um dos criminosos mais procurados do país. Forças militares capturaram no domingo José Antonio Yépez, apelidado de "El Marro", líder de um poderoso cartel dedicado ao …

Editoras criticam prazo apertado para distribuir manuais escolares

Uma vez que os alunos não vão ter de devolver os manuais escolares este ano, as editoras são obrigadas a responder ao aumento da procura num "curtíssimo" período de tempo. Este ano, face à pandemia, os …

Portugal sem registo de mortes nas últimas 24 horas. Há 106 novos casos

Portugal regista, esta segunda-feira, mais 106 novos casos de infeção por covid-19 em relação a domingo e nenhuma morte, mostra o boletim diário da Direção-Geral de Saúde (DGS). Segundo o boletim diário da Direção-Geral de Saúde, …

Reino Unido terá novos testes à covid-19 que permitem saber resultados em 90 minutos

Os lares e hospitais do Reino Unido vão passar a disponibilizar, a partir da próxima semana, dois novos testes que permitem distinguir o novo coronavírus e apresentar resultados em 90 minutos. Segundo noticiou esta segunda-feira a …

Saúde do Papa emérito Bento XVI é "extremamente frágil", diz biógrafo oficial

O ex-Papa Bento XVI ficou gravemente doente depois de visitar o seu irmão que esteve internado na Alemanha em junho e a sua condição é "extremamente frágil", contou o seu biógrafo oficial, Peter Seewald, depois …

Centenas de pessoas na manifestação do Chega. Ventura quer afastar "fantasma" sobre racismo em Portugal

Centenas de pessoas participaram este domingo em Lisboa numa manifestação promovida pelo Chega para dizer que “Portugal não é racista” e tentar afastar “esse fantasma” que assola o país sempre que algo de trágico acontece. “Em …

Rendas das casas podem ficar congeladas no próximo ano

Depois de cinco anos consecutivos a subirem, as rendas habitacionais e comerciais poderão ficar congeladas no próximo ano. Segundo dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) revelados no final da semana passada, a taxa média de …

Reabertura de bares e discotecas. Setor critica "esperteza saloia" do Governo

Os bares e discotecas, encerrados desde março devido à pandemia de covid-19, podem funcionar como cafés e pastelarias, seguindo as mesmas regras. A medida do Governo tem sido alvo de fortes críticas por parte do …

Portugueses podem colmatar falta de estrangeiros no Algarve, mas não chega para salvar o ano

Os portugueses podem ajudar a colmatar a falta de estrangeiros de férias no Algarve, afastados por causa da pandemia de covid-19, mas já não será possível salvar o ano turístico desta região. As previsões são …